MENTORIA DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS NA EDUCAÇÃO MÉDICA

Cecília Rezende, Breno Bottino, José Carlos Rosa Pires de Souza, Magno Pinheiro de Almeida

Resumo


O presente texto pretende esclarecer a relação da Mentoria de Libras na educação médica e explica que existe uma linha tênue entre o sistema de ensino-aprendizagem de Libras no Brasil e a formação médica. Em vista disto, a Mentoria de Libras corrige o sistema pedagógico de aprendizado tradicional acerca de uma Língua espaço-visual, que requer mais que a carga horária oferecida atualmente e aulas conteudistas sobre vocabulário e gramática.

Palavras-chave


Surdez. Educação; Saúde; Medicina; Língua Brasileira de Sinais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. P. de. Língua de Sinais x Libras: uma abordagem da historiografia linguística. 2012. 138 f. Dissertação UEMS, Campo Grande/MS, 2014. Disponível em: http://docplayer.com.br/4731519-Lingua-de-sinais-x-libras-uma-abordagem-da-historiografia-linguistica.html. Acesso em 06 de fev. de 2021.

BRASIL, Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial [da] União, Brasília, 23 dez. 2005. Disponível em: WWW.planalto.gov.br. Acesso em: 07de abril de 2021.

BRASIL, Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial [da] União, Brasília, 25 abr. 2002. Disponível em: Acesso em: 07 de abril de. 2021.

MUNCINELLI, S. Libras: Língua Brasileira de Sinais. Revista Extensão em Foco, Caçador. 2013; 1(1), 27-33. Viacava, F et al. SUS: oferta, acesso e utilização de serviços de saúde nos últimos 30 anos. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 2018; 23 (6),1751-1762. BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [homepage na internet]. Censo demográfico 2010: total de pessoas com deficiência auditiva. [acesso em 01 mar 2021]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/snig/v1/?loc=0&cat=-1,-2,-3,128&ind=4643.

LEVINO D, et al. Libras na graduação médica: o despertar para uma nova língua. Revista Brasileira de Educação Médica. 2013; 37 (2): 291-297. CHAZAN, L, FORTES, S, CAMARGO JUNIOR, K. Apoio Matricial em Saúde Mental: revisão narrativa do uso dos conceitos horizontalidade e supervisão e suas implicações nas práticas. Ciência & Saúde Coletiva. 2020; 25(8), 3251-3260. PEREIRA A, PASSARIN N, NISHIDA F, GARCEZ V. “Meu Sonho É Ser Compreendido”: Uma Análise da Interação Médico-Paciente Surdo durante Assistência à Saúde. Revista Brasileira de Educação Médica. 2020; 44 (4).

Depolito S, Moraes L, Siqueira W, Baquião L, Januário G, Morceli, G. Atuação da equipe de enfermagem frente ao desmame precoce: uma revisão narrativa. Saúde Coletiva (Barueri). 2020; (55), 2915-2924.

MAZZU-NASCIMENTO T, et al. Fragilidade na formação dos profissionais de saúde quanto à Língua Brasileira de Sinais: reflexo na atenção à saúde dos surdos. Audiol., Commun. Res. (São Paulo). 2020; 25, e2361.

ROSSI R. A Libras como disciplina no ensino superior. Revista de Educação, Valinhos: Anhanguera Educacional. 2010 13, n. 15, p. 71-85. MAGRINI A. Santos T. Comunicação entre funcionários de uma unidade de saúde e pacientes surdos: um problema?. Revista Distúrbios da Comunicação. 2014; 26(3). LOPES R, VIANNA N, SILVA E. Comunicação do surdo Com Profissionais de saúde na busca da integralidade. Revista Saúde e Pesquisa. 2017; 10(2), 213-221.

SOUZA J, Senefonte F, SOUSA I, CASSEMIRO P, SOUZA P. Experience Report: The Challenges of Teaching beyond the University. Creative Education. 2020; 11, 1073-1081.

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). Projeto Pedagógico do Curso de Medicina. Campo Grande, MS. 2015.

Universidade Federal do Ceará (UFC). Projeto Pedagógico do Curso de Medicina. Fortaleza, CE. 2018.

BRASIL. Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação: Câmara de Educação Superior. Brasília, DF.

THEW D, Smith S, CHANG C, STARR M. The deaf strong hospital program: a model of diversity and inclusion training for first-year medical students. Acad Med. 2012;87(11):1496-500.

SEIDEL E, CROWE S. The State of Disability Awareness in American Medical Schools. Am J Phys Med Rehabil. 2017; 96(9):673-676.

ALBRES, N de A. História da Língua Brasileira de Sinais em Campo Grande – MS. Editora Arara Azul Ltda – Petrópolis/RJ; 2005.

ALMEIDA, M. P. de; ALMEIDA, M. E. HISTÓRIA DE LIBRAS: Características e sua estrutura. Rio de Janeiro: Revista Philologus, nº54, CiFEFiL, 2012, p. 315-327


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

ISSN: 2526-4052

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Unidade Universitária de Campo Grande

Indexadores: SUMARIOS.ORG   LATINDEX   SEER/IBICT DIADORIM   GOOGLE ACADÊMICO