LOS COLORES DE LA INFANCIA:

Encrucijadas de los niños negros ante el lápiz color piel

Autores

Palavras-chave:

Educação. Interseccionalidade. Opressão. Racismo. Práxis.

Resumo

Neste estudo sobre a Educação étnico-raciais e a Interseccionalidade da Opressão, problematizamos as relações étnico-raciais no contexto da educação,  marcada por um percurso pouco acessível para as pessoas negras, oriundas das classes populares, no âmbito das relações sociais de poder, objetivando aprofundar a reflexão epistemológica sobre racismo, tendo como centralidade a interseccionalidade, paradigma referencial interpretativo, usado por teóricas negras, para explicar a inter-relação dos fenômenos sociais das opressões de raça, de gênero e de classe entre outros,  nos sistemas de dominação, evidenciando a relação do racismo e do sexismo, na educação. A metodologia utilizada foi a revisão bibliográfica relacionada com o tema em estudo, tendo como base a leitura de obras de bell Hooks (2013, 2019) e Lélia Gonzales(1979,1982,1984,1988) e de autores que tratam sobre o racismo e a educação. Como resultado, evidenciamos o ato do pensar e do atuar na práxis educativa a partir dos conhecimentos subjugados do pensamento feminista negro como uma tarefa fundamental para uma pedagogia libertadora, que surge não só da consciência crítica, mas também do trabalho de resistência à exploração de classe e à interseccionalidade das opressões de gênero, de raça e de sexualidade, entre outras, na prática social das relações de poder e de saber, com vistas à transformação do projeto excludente em um processo emancipatório includente e autônomo da sociedade.

Biografia do Autor

Eunice Léa de Moraes, Instituto de Ciências da Educação Universidade Federal do Pará

Socióloga.Doutora em Educação.Professora Adjunta4 da Faculdade de Educação do Instituto de Ciencias da Educação da UFPA

Lider do Grupo GEPEDEFEN-ICED/UFPA-CNPQ

Coordenadora do Projeto "As contribuições das educadoras negras para o ensino, para a pesquisa e para a extensão da Universidade Federal do Pará: ao encontro da memória e da experiência histórica dos percursos trilhados".

Referências

BAIRROS, Luiza. Apresentação Seppir. In: MARCONDES, Mariana Mazzini et al. (org.). Dossiê Mulheres Negras: Retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil. IPEA, Brasília, 2013.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2019.

CALLINICOS. Alex. Capitalismo e racismo. 1993. Site Luta Global. Disponível em: http://socialista.tripod.com. Acesso em: 14 jun. 2018.

CRENSHAW, Kimberle. Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos da Discriminação Racial Relativos ao Gênero. Tradução de Liane Schneider. Revisão de Luiza Bairros e Claudia de Lima Costa. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.10, n. 1, p. 171-188, jan. 2002.

DAVIS, Ângela. A liberdade é uma luta constante. São Paulo: Boitempo, 2018.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução: Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido, 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Conscientização. Tradução: Tiago José Risi Leme. 4. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2016.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 1996.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva 30 anos depois: regressão social e hegemonia às avessas. Revista Trabalho Necessário, v. 13, n. 20, jun., 2015. Disponível em: https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/8619. Acesso em: jun. 2020.

GONZALEZ, Lélia. Cultura, etnicidade e trabalho: efeitos linguísticos e políticos da exploração da mulher. Comunicação apresentada no 8º Encontro Nacional da Latin American Studies Association Pittsburgh, 5 a 7 de abril de 1979. Reproduzida pela Universidade Católica do Rio de Janeiro – BR.

GONZALEZ, Lélia. A mulher negra na sociedade brasileira. In: LUZ, Madel (org.). Lugar da mulher. Rio de janeiro: Graal Editora, 1982.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anuário de Antropologia, Política e Sociologia – Anpocs, 1984, p. 223-244.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afrolatinoamericano. Revista Isis Internacional, Santiago, v. 9, p. 133-141, 1988a.

GONZALEZ, Lélia. A categoria política-cultural de Africanidade. Tempo Brasileiro. Rio de janeiro, n. 92/93, jan./jun.1988b.

GUIMARÃES, Antonio Sergio Alfredo. Classes, raças e democracia. São Paulo: editora 34, 2012.

HOOKS, Bel. Ensinando a transgredir a educação como prática da liberdade. Trad. Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

HOOKS, Bell. O feminismo é para todo mundo: polícias arrebatadoras. Trad. Bhuvi Libanio. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019a.

HOOKS, Bell. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. Trad. Cátia Bocaiuva Maringolo. São Paulo: Editora Elefante, 2019b. Título original: Talking Back: Thinking Feminist, Thinking Black.

IANNI, Octavio. Sociologia da Sociologia. São Paulo: Ática, 1989.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 24. ed. rev. atuaz. São Paulo. Cortez, 2016.

Downloads

Publicado

17/11/2021

Como Citar

de Moraes, E. L. (2021). LOS COLORES DE LA INFANCIA: : Encrucijadas de los niños negros ante el lápiz color piel . REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E LINGUAGEM, 5(11). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/educacaoculturalinguagem/article/view/6650