EDUCAÇÃO ESCOLAR PARA TODOS!

e as diferenças?

Visualizações: 157

Autores

Palavras-chave:

Educação, Discursos, Filosofia da diferença, Sujeitos

Resumo

Neste texto, os autores apresentam e discutem conceitos produzidos sobre a educação escolar, as diferenças e os sujeitos, problematizando a influência desses discursos nas propostas de currículos, finalidades e práticas para a educação. As análises são fundamentadas em pesquisa teórico-bibliográfica realizada com a orientação de estudos pós-críticos, que permitem modos alternativos de olhar para a educação, compreendendo-a como fenômeno histórico e social produtor de práticas discursivas que circunscrevem os sujeitos, os saberes em uma ordem estabelecida, que define e marca as diferenças na relação com uma identidade requerida. Discutem a constituição do ideal de educação escolar para todas as pessoas, problematizando os discursos históricos e filosóficos sobre as finalidades da formação humana para a autonomia e cidadania. Também problematizam o conceito de diferença e de discursos que forjam essa diferença, com base no pensamento de Gilles Deleuze em diálogo com Michel Foucault. A educação escolar é posta em análise para confrontar os discursos que fundamentam seus currículos e práticas, produzindo identidades e diferenças.

Biografia do Autor

Luciana Lopes Coelho, FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS

Universidade Federal da Grande Dourados -UFGD (FAED/UFGD), Dourados, MS, Brasil. Doutora em Educação pela UFGD. E-mail: lucianacoelho@ufgd.edu.br

Prof. Dr. André Soares Ferreira, Universidade Federal da Grande Dourados

Doutor em Educação. Graduado em Filosofia. Professor do Magistério Superior na Universidade Federal da Grande Dourados/UFGD. Dourados, Mato Grosso do Sul, Brasil.

 

Referências

ANPED. A proposta de BNCC do ensino médio: alguns pontos para o debate. 2018. Disponível em: https://www.anped.org.br/content/anped-e-bncc-luta-resistencia-e-negacao. Acesso em 23 de setembro de 2022.

BRANDÃO, C. R. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 1981.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: Ministério da Educação, 2018.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis n º 9.394/1996 e 11.494/2007 e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral.Brasília, DF: Presidência da República, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.htm.

CAMBI, F. História da pedagogia. São Paulo: FEU, 1999.

COELHO, L. C. A educação escolar de indígenas surdos Guarani e Kaiowá: discursos e práticas de inclusão. Dourados: FAED, 2019. Tese (Doutorado em Educação).

CURY, C.R. J.; FERREIRA, L. A. M.Obrigatoriedade da educação das crianças e adolescentes: uma questão de oferta ou de efetivo atendimento? Nuances: estudos sobre educação. Ano XVII, v. 17, n. 18, p. 124-145, jan./dez. 2010.

DELEUZE, G. Diferença e Repetição. Lisboa: Relógio d‘Água, 2000.

DELEUZE, G. Nietzsche e a Filosofia. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1976.

FERREIRA, A. F. A Filosofia no currículo do ensino médio de Mato Grosso do Sul: aspectos normativos e conceituais. Dourados: UFGD, 2012. Dissertação (Mestrado em Educação).

FOUCAULT, M.. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 41 ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

FOUCAULT, M.. Segurança, território, população: curso dado no Collége de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 5. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249.

GALLO, S.; ASPIS, R. L. Ensino de filosofia e cidadania nas “sociedades de controle”: resistência e linhas de fuga. Pro-Posições, Campinas, v. 21, n. 1 (61), p. 89-105, jan./abr. 2010.

KANT, I. Sobre a pedagogia. Piracicaba: UNIMEP, 1996.

LOPES, M. C.; FABRIS, E. H. Inclusão & Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

MACHADO, R.. Deleuze e a Filosofia. In: SEMINÁRIO TEMÁTICO FILOSOFIA E LINGUAGEM DA UFAC. 2014. Rio Branco: Seminário [...]. Rio Branco: Pós Letras da UFAC, 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_ttmrtL0RBA.

REALE, G. História da filosofia: antiguidade e idade média. São Paulo: Paulus, 1990.

SEVERINO, A. J. A busca do sentido da formação humana: tarefa da Filosofia da Educação. Educação e Pesquisa [online]. 2006, v. 32, n. 3. [Acessado 1 Outubro 2022] , pp. 619-634. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1517-97022006000300013>.

VEIGA-NETO, A. Paradigmas? Cuidado com eles! In: COSTA, M. V. (org.). Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007a. p. 35-48.________________________________________

Downloads

Publicado

2022-10-25

Como Citar

Coelho, L. L., & Soares Ferreira, A. (2022). EDUCAÇÃO ESCOLAR PARA TODOS! : e as diferenças?. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E LINGUAGEM, 6(12), e612220. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/educacaoculturalinguagem/article/view/7234