RECURSOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS & AUTISMO:

outros caminhos de mediação da aprendizagem

Visualizações: 120

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/rbecl.v7i13.7432

Palavras-chave:

Ludicidade

Resumo

Inserido no campo da Educação Inclusiva, o presente artigo originou-se de uma pesquisa realizada no Mestrado Profissional do Colégio Pedro II-RJ. O interesse pelo tema foi provocado pela demanda docente em produzir intervenções pedagógicas motivadoras, acessíveis e de baixo custo, para atender à diversidade do público-alvo do atendimento educacional especializado. A fim de responder à questão central, traçou-se como objetivo geral analisar a importância do uso da estratégia pedagógica Livro-Objeto enquanto recurso de mediação da aprendizagem para estimular discentes com autismo, a partir do viés da educação lúdica. As informações para desenvolver o assunto foram colhidas através de análise documental, observação participante, entrevistas, além de anotações e registros com imagem/som durante a aplicação do recurso didático. A fundamentação teórica foi baseada, principalmente, na perspectiva de Bersch (2006) sobre Tecnologia Assistiva, Vygotsky (1991) sobre mediação e desenvolvimento da aprendizagem, Kishimoto (2011) sobre educação lúdica e Rojo (2012) sobre multiletramentos. O trabalho utilizou a metodologia do estudo de caso baseado no enfoque qualitativo à luz de Yin (2001). A experiência pedagógica foi realizada com discentes da Sala de Recursos Multifuncionais de uma escola pública municipal de Niterói-RJ. O estudo alcança relevância por contribuir para o acesso dessas crianças ao aprendizado, aprofundar o conhecimento acerca da aplicabilidade de recursos pedagógicos acessíveis e por colaborar para a renovação do fazer docente, sugerindo a construção de novas estratégias de mediação pedagógica. Na perspectiva inclusiva, em face da busca docente para alcançar uma intermediação mais efetiva, a avaliação dos resultados obtidos a partir da experiência com o Livro-Objeto demonstrou um melhor desempenho e ampliação do interesse, da autonomia e da interação social dos educandos com autismo nas práticas de sala de aula.

Referências

ALBUQUERQUE, Isis.; BENITEZ, Priscila. O brincar e a criança com Transtorno do Espectro Autista: revisão de estudos brasileiros. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 15, n. 4, p. 1939-1953, 2020. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v15i4.12811

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Associação Americana de Psiquiatria. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais-DSM-V. Porto Alegre: Artmed, 2014. p.50-59.

BENTES, José A. O Ensaio sobre letramento e multiletramento. In: TRESCASTRO, L. B. (Org.) Alfabetização, letramento e matemática. Belém, PA: SEMEC/ECOAR,2012.

BERSCH, Rita. Tecnologia Assistiva e Educação Inclusiva. In: Ensaios Pedagógicos. Brasília: SEESP/MEC, 2006. p.89-94. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/ensaiospedagogicos2006.pdf. Acesso em: 19 de ago. 2020.

BERSCH, Rita. Introdução à Tecnologia Assistiva. Porto Alegre/RS, 2013. Disponível em: http://www.assistiva.com.br/Introducao_Tecnologia_Assistiva.pdf. Acesso em: 19 de ago. 2020.

CUNHA, Eugênio. Autismo na escola: um jeito diferente de aprender, um jeito diferente de ensinar – ideias e práticas pedagógicas. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2015.

FERRAZ, Janaina A. Gêneros multimodais: novos caminhos discursivos. In: Encontro Nacional de Interação em Linguagem Verbal e Não-Verbal,8.,2008, São Paulo. Anais eletrônicos... São Paulo: USP. Disponível em: http://www.fflch.usp.br/dlcv/enil/pdf/2_Janaina_AF.pdf. Acesso em: 28 dez. 2020.

KALANTZIS, Mary; COPE, Bill; PINHEIRO, Petrilson. Letramentos. São Paulo: Editora da Unicamp, 2020.

KISHIMOTO, Tizuko M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 2011.

LORD, Catherine., BRUGHA, Traolach S., CHARMAN, Tony. et al. Autism spectrum disorder. Nature Reviews Primers 6, 5 (2020). Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41572-019-0138-4/ Acesso em: 10/03/2022.

LUCKESI, Cipriano C. Ludicidade e atividades lúdicas: uma abordagem a partir da experiência interna. Educação e Ludicidade, Ensaios 02; Gepel, Faced/Ufba, 2002.

MANTOAN, Maria E.; PRIETO, Rosângela G.; ARANTES, Valéria A. (org.). Inclusão escolar: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2006.

OLIVEIRA, Marta K. Vygotsky: Aprendizado e desenvolvimento – um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 2002.

RAU, Maria C. A ludicidade na educação: uma atitude pedagógica. Curitiba: Ibpex, 2007.

SARTORETTO, Mara L. e BERSCH, Rita C. R. A educação especial na perspectiva da inclusão escolar: recursos pedagógicos acessíveis e comunicação aumentativa e alternativa. Brasília: MEC/SEE; Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010.

SELVATICI, Rosana H. P.; MOURA, Simone M. Construindo Materiais e Reconstruindo Conceitos e Valores na Educação Inclusiva. Pro-Docência Revista Eletrônica das Licenciaturas/UEL. Edição n. 01, jan-jun.,2012. Disponível em: www.uel.br/revistas/prodocenciafope. Acesso em: 14 out 2021 DOI: https://doi.org/10.14244/198271993579

VYGOTSKY, Lev S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VYGOTSKY, Lev S. Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2023-11-27

Como Citar

Ferreira da Silva, M. H., & Vieira da Silva do Amparo, F. (2023). RECURSOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS & AUTISMO:: outros caminhos de mediação da aprendizagem. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E LINGUAGEM, 7(13), e713232. https://doi.org/10.61389/rbecl.v7i13.7432

Edição

Seção

Artigos