MATERIAL DIDÁTICO PARA SURDOS E OUVINTES

uma perspectiva inclusiva no ensino de Ciências

Visualizações: 99

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/rbecl.v8i14.7506

Palavras-chave:

material didático inclusivo, ensino de ciências, surdos

Resumo

Em um país plural como o Brasil, mesmo com documentos e medidas governamentais, ainda há muitos desafios quanto a garantia total do direito e acesso à educação. Observa-se que, de um lado há iniciativas para a ampliação de matrículas de estudantes com necessidades educacionais especiais no ensino comum, mas por outro lado, não verificamos, com igual amplitude, investimentos dos sistemas de ensino que respaldam essa medida. Nesse sentido, há um longo caminho a ser traçado quanto a acessibilidade arquitetônica nas escolas, acessibilidade a recursos didáticos inclusivos e investimento em cursos de aperfeiçoamento em Libras para os professores da sala de aula regular. Foi nessa perspectiva, que o objetivo deste trabalho foi desenvolver um recurso didático de ciências para auxiliar na aprendizagem de pessoas com deficiência auditiva e, assim, proporcionar a inclusão destas pessoas na educação básica. O método de desenvolvimento utilizado neste trabalho baseou-se em Campbell (2015), Cavalcante e Silva (2008), e, Costoldi e Polinarski (2009).  O recurso desenvolvido fará parte do acervo do Laboratório de Didática do IFSP- Campus Avaré e, será utilizado nos estágios curriculares com estudantes que possuem, ou não, deficiência auditiva. A partir dele pudemos concluir que é possível trabalhar dentro de uma perspectiva inclusiva em sala de aula, visando atender às necessidades de aprendizagem de cada aluno, com e sem deficiência, interagindo com o objeto de estudo e demais colegas da turma.

 

 

Biografia do Autor

Évelin Albert, Universidade Federal de São Paulo

Pedagoga pela PUCRS, Psicopedagoga pela IERGS, Motricista Infantil pela UFRGS, Mestre em Ciências da Educação pela Universidade de Lisboa, Mestre em Educação pela PUCRS e Doutoranda em Educação pela UNIFESP.

Pedro Henrique Reis, unesp

Biólogo pela IFSP e mestrando pela UNESP.

Referências

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 8 dez. 2022.

BRASIL. Decreto n° 5.626, de 22 de dezembro de 2005.Regulamenta a Lei n° 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial [da) República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm. Acesso em: 8 dez. 2022.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Resumo Técnico: Censo Escolar da Educação Básica 2021.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Resumo Técnico: Censo Escolar da Educação Básica 2015.IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA Pesquisa nacional de saúde. 2019. Rio de Janeiro: IBGE, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

CAMPBELL, NEIL A. - REECE, JANE B. - URRY, LISA A. - CAIN, MICHAEL L. - WASSERMAN, STEVEN A. - MINORSKY, PETER V. - JACKSON, ROBERT B. Biologia de Campbell. 10 ed. São Paulo: Artmed, 2015.

CAMPELLO, A. R. S. Pedagogia visual/sinal na educação dos surdos. In: QUADROS R. M., PERLIN, G. (Orgs). Estudos Surdos II. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2007.

Carvalho, R. E. Educação Inclusiva: com os pingos nos “is”. Porto Alegre: Mediação, 2010.

CAVALCANTE, D. & SILVA, A. Modelos didáticos e professores: concepções de ensinoaprendizagem e experimentações. In: XIV Encontro Nacional de Ensino de Química, Curitiba, UFRP, julho de 2008. Disponível em: http://www.quimica.ufpr.br/eduquim/eneq2008/resumos/R0519-1.pdf. Acesso em: 8 dez. 2022.

COSTOLDI, R.; POLINARSKI, C.A. Utilização de recursos didático- pedagógicos na motivação da aprendizagem. Simpósio internacional de ensino e tecnologia, v. 1, p. 684-69, 2009.

CRUZ, Delzuita Santana. SANTOS, Eliete Correia dos. Inclusão do aluno surdo na Prática Pedagógica. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, Ed. 10, Vol. 12, pp. 137-155. Outubro de 2020. ISSN: 2448-0959, Link de acesso: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/educacao/inclusao-do-aluno, DOI: 10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/educacao/inclusao-do-aluno. Acesso em: 8 dez. 2022.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais, 1994, Salamanca-Espanha.

FORTUNA, T. R. Jogo em aula: recurso permite repensar as relações de ensino aprendizagem. Revista do Professor, Porto Alegre, v. 19, n. 75, p. 15- A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no ensino. Volume 2. São Paulo, 2003.

HERKENHOFF, João Baptista. Como funciona a cidadania. 2ª ed. Manaus: Editora Valer, 2001.

ILES, Bruno et al. Manual de libras para ciências: a célula e o corpo humano. 2019.

KLEIN, M. e LUNARDI, M. L. “Surdez: um território de fronteiras”. In: Educação Temática Digital, Campinas, v. 7, nº 2, 2006:14-23.

LIMA, Valdineia Rodrigues; CARVALHO, Carla Cristina Coelho; COSTA, Walber Christiano Lima da. O uso de recursos didáticos no ensino da matemática para alunos surdos. In: Anais do VII Congresso Internacional de Ensino da Matemática. ULBRA – Canoas – Rio Grande do Sul – Brasil, 04 a 07 de outubro de 2017.

LOUREIRO, V. R. “A política de Inclusão Escolar no Brasil: pensando no caso dos surdos”. In: Espaço, nº 25/26, 2006:12-18.

MIRANDA, S. No Fascínio do jogo, a alegria de aprender. In: Ciência Hoje, v.28, 2001 p. 64-66. POUGH, F. H.; HEISER, J. B.; MC FARLAND A vida dos Vertebrados. 2. ed. Atheneu: São Paulo, 1999.

MITTLER Peter. Educação Inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed 2003.

Nelson, L. L. (2014). Design and deliver: planning and teaching using universal design for learning. Baltimore, EUA.

NORDIO, Vera Aparecida; NEVES, Rogério da Costa. Educação de surdos no Brasil e Bilinguismo: um olhar sobre o tema. Rio de Janeiro. Ed. Colégio Pedro II, 2022.

NUNES, C.; MADUREIRA, I. Desenho Universal para a aprendizagem: construindo práticas pedagógicas. Da Investigação às Práticas, v. 5, n. 2, p. 126-143, jul. 2015. doi: 10.25757/invep.v5i2.84

PAGNEZ, K. M., PRIETO, R. G., & Sofiato, C. G. (2015). Formação de professores e educação especial: reflexões e possibilidades. Olhares: Revista Do Departamento De Educação Da Unifesp, 3(1), 32–57. https://doi.org/10.34024/olhares.2015.v3.320

PARRA, N. Didática: dos modelos à prática de ensino. Anais do 3º Seminário - A didática em questão, v. 1, p. 80-102, 1985.

PINHO, Tânia Maria Moratelli. A adaptação de materiais pedagógicos para o ensino de matemática para estudantes com deficiência visual (6º ao 9º ano) do ensino fundamental. Dissertação (Mestre em Diversidade e Inclusão, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ). 2016.

RADABAUGH, M. P. (1993) NIDRR's Long Range Plan Technology for Access and Function Research Section Two: NIDDR Research Agenda Chapter 5: technology for access and function. Disponível em: http://www.ncddr.org/new/announcements/lrp/fy1999-2003/lrp_techaf.html. Acesso em: 2 dez. 2022.

ROCHA, S.M. “Tensões Atuais no Campo da Educação de Surdos: escola para todos ou escola para surdos – contribuições para um possível diálogo”. In: Informativo Técnico-Científico Espaço. Rio de Janeiro: INES, n° 24, 2005: 20-24.

Silva, Aldimar Monteiro da. A importância da libras para inclusão de alunos surdos no âmbito escolar. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Libras - EAD) - Instituto Federal da Paraíba, 2021.

SOARES, L. S. et al., Estudo Neurofisiológico com a utilização de modelos tridimensionais. Arq. Apadec, Maringá, v. 8, supl. 2, p. 29, out. 2004.

SOUSA, Sandra Zákia Lian e PRIETO, Rosângela Gavioli. A educação especial. Organização do ensino no Brasil: níveis e modalidades na Constituição Federal e na LDB. Tradução. São Paulo: Xamã, 2007.

STEVEN A. - MINORSKY, PETER V. - JACKSON, ROBERT B. Biologia de Campbell. 10 ed. São Paulo, 2015.

Downloads

Publicado

2023-12-31

Como Citar

Albert, Évelin, & Reis, P. H. (2023). MATERIAL DIDÁTICO PARA SURDOS E OUVINTES: uma perspectiva inclusiva no ensino de Ciências. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E LINGUAGEM, 8(14), 88–107. https://doi.org/10.61389/rbecl.v8i14.7506