EXPERIÊNCIA DE AJUTÓRIOS AGROECOLÓGICOS NA FRONTEIRA DO BRASIL COM URUGUAI: O CASO DE SANTANA DE LIVRAMENTO

Visualizações: 162

Autores

  • Cláudio Becker Universidade Estadual do Rio Grande do Sul
  • Shirley G. da Silva Nascimento Universidade Federal do Pampa.
  • Luciane da Silva Acosta Universidade Estadual do Rio Grande do Sul
  • Mariana Rockenbach de Ávila Pesquisadora visitante na Embrapa Clima Temperado, Pelotas, RS. https://orcid.org/0000-0001-6888-9967

DOI:

https://doi.org/10.61389/dfc.v5i8.5284

Resumo

O diálogo de saberes que ocorre durante a realização dos mutirões, são indispensáveis para a construção do conhecimento agroecológico bem como para a criação de redes de relacionamento que fortalecem a articulação diferentes atores sociais, a exemplo agricultores, técnicos e estudantes. Assim sendo, o objetivo do presente artigo consiste em analisar a influência de mutirões agroecológicos em um grupo de certificação da produção orgânica no município de Santana do Livramento. A coleta de dados transcorreu da participação in loco na realização de três mutirões em propriedades que trabalham sob os preceitos da Agroecologia. Metodologicamente amparou-se na pesquisa qualitativa utilizando-se da observação participante, entrevista dialogada com os participantes, registro fotográfico e caderno de campo para anotações. Os registros foram sistematizados, analisados e descritos. Os resultados apontaram para a construção de um o pensamento plural obtidos por meio de diálogos entre diferentes os diferentes atores e as distintas formas de saber. Nesse processo, as informações se tornam acessíveis a todos, estimulam temas para a pesquisa a partir das necessidades concretas dos sujeitos do campo envolvidos neste processo. Diante deste cenário fica evidente que os mutirões possuem uma importância singular na construção e disseminação da Agroecologia. 

Biografia do Autor

Cláudio Becker, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Professor Adjunto da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Campus Santana do Livramento. Professor do Mestrado em Ambiente e Sustentabilidade (Uergs). Eng. Agrônomo (UFPel). Doutor e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar (UFPel). Possui experiência profissional em Agricultura Familiar e Agroecologia, atuando nas seguintes temáticas: redes agroalimentares sustentáveis; desenvolvimento rural; políticas públicas para a agricultura familiar; segurança e soberania alimentar; associativismo e cooperativismo; produção, comercialização e certificação de alimentos orgânicos e/ou agroecológicos.

Shirley G. da Silva Nascimento, Universidade Federal do Pampa.

Professora Adjunta na Universidade Federal do Pampa. Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Agroecologia e Manejo e Conservação do Solo. Professora colaboradora do Programa de pós graduação em Desenvolvimento Territorial e Sistemas Agroindustriais. Membro do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Agroecologia e Políticas Públicas para Agricultura Familiar (NUPEAR/UFPel). Pós Doutora pelo Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Territorial e Sistemas Agroindustriais (2016). Doutora pelo Programa de Pós- Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar. Mestre em Agronomia também pelo Programa de Pós- Graduação em Sistema de Produção Agrícola Familiar, na linha de pesquisa de Desenvolvimento Rural Sustentável (2009). Especialista em Educação Ambiental pela Cesusc/SC (2008). Graduada em Tecnologia Ambiental ? com Ênfase em Saneamento Ambiental pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas (2005). Graduada no Programa Especial de Formação Pedagógica também pelo CEFET (2007). Possui experiência na área de Agroecologia, Agricultura Familiar, Educação Ambiental, atuando nas seguintes vertentes: segurança alimentar e nutricional, educação alimentar, políticas públicas, consumo social de alimentos e educação ambiental.

Luciane da Silva Acosta, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Graduada em Agronomia na Universidade Estadual do Rio Grande do Sul.

Mariana Rockenbach de Ávila, Pesquisadora visitante na Embrapa Clima Temperado, Pelotas, RS.

Possui graduação em Tecnologia em Agropecuária pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (2010). Na graduação recebeu a bolsa de Iniciação Científica do CNPq para trabalhar com pesquisa nas áreas de Nutrição animal e Forrageiras na Embrapa Pecuária Sul. É Mestre em Zootecnia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2012). Trabalhou durante um ano no Departamento de Ecologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (bolsa DTI-C/CNPq) no projeto Rede de sítios de pesquisa ecológica de longa duração nos campos dos biomas Pampa e Mata Atlântica. É Doutora em Zootecnia - Departamento de Plantas Forrageiras: Área de concentração Melhoramento genético de plantas forrageiras - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Participou do Programa Institucional de Doutorado Sanduíche no Exterior pela CAPES na Universidad Pública de Navarra e no Instituto de Agrobiotecnología em Pamplona, Espanha, nas áreas de fisiologia vegetal e melhoramento genético de plantas. Trabalhou durante um ano como docente no Curso de Agronomia do Instituto de Desenvolvimento Educacional de Bagé (Faculdade IDEAU) ministrando disciplinas de Genética Agrícola, Melhoramento Genético de Plantas, Nutrição Animal e Bromatologia. Foi docente por dois anos, com término de contrato em março de 2019, nos Cursos de Tecnologia em Agronegócio e Enologia da Universidade Federal do Pampa, Campus Dom Pedrito, ministrando os componentes de Comercialização de Produtos Agropecuários, Cadeias Produtivas Agrícolas, Contabilidade no Agronegócio, Fundamentos de Administração e Administração do Agronegócio. Realizou um pós-doutorado na Faculdade de Agronomia da Universidad de Buenos Aires (UBA) na área de Genética Agrícola. Comparticipou de uma pasantía posdoctoral no Instituto Nacional de Investigación Agropecuária do Uruguay, INIA La Estanzuela, na área de plantas forrageiras. É integrante do Núcleo de estudos e pesquisa em Agroecologia e Manejo e Conservação do Solo- NASol da Universidade Federal do Pampa, campus Dom Pedrito, RS. Atuou como pesquisidora visitante no Instituto de Investigaciones Agropecuarias (INIA) de Osorno, Chile, no Grupo de Pesquisa intitulado Meio Ambiente e Pecuária Sustentável com ênfase em Fertilizantes foliares em pastagens. Realizou uma pasantía pos doctoral no Instituto Nacional de Tecnología Agropecuaria (INTA) de Bariloche, Argentina, com término em novembro de 2019, nas temáticas de pastagens naturais, qualidade forrageira e nutrição animal. Atualmente atua como Pesquisadora visitante na Embrapa Clima Temperado, Pelotas, RS, na temática de agropecuária sustentável e com bolsa da Fundação de Apoio a Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário Edmundo Gastal (FAPEG).

Referências

ALTEMBURG, S. G. N.; Bezerra, A. J. A.; Schwengber, J. E. 2015. Percepção Ambiental e Agricultura Familiar em Rede de Referência: uma análise sobre práticas agroecológicas e qualidade de vida. 1. ed. Saarbrücken, Deutschland: Novas Edições Acadêmicas. v. 1. 150p.

ASSIS, R. L.; ROMERO, A. R. Agroecologia e agricultura orgânica: controvérsias e tendências. Paraná: UFPR, 2002. 20p.

AZEVEDO, E.; PELICIONI. M. C. Promoção da saúde, sustentabilidade e Agroecologia: uma discussão intersetorial. Revista Saúde Social, v.20, n.3, mar.2011.

BATISTA, L. J. C. Fotografia: instrumento de pesquisa em educação. In: I Jornada Latino-Americana e II Colóquio Brasileiro da AFIRSE – Association Francophone Internationale de Recherche Scientifiqueen Education. Anais... Brasília: 4-7 set. 2003, p. 1-15.

COELHO, Y. C.; ALVES, G. Q.; COSTA, M. C. Educação ambiental no ensino público: mutirão agroecológico como ação de conscientização. Caderno de Agroecologia, v. 10, n. 3, 2015.

COTRIN, D. S.; DAL SOGLIO, F. K. Construção do Conhecimento Agroecológico: problematizando o processo. Revista Brasileira de Agroecologia, v.11, n.3, set.2015.

CROSA, C.F.R. Análise das dificuldades operacionais do processo de regularização da produção orgânica pelos agricultores familiares do OCS de Santana do Livramento, RS.2018. 56f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação - Bacharelado em Agronomia) - Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, Santana do Livramento,2018.

FAGUNDES, A. V.; NETTO, E. R. A influência dos grupos de Agroecologia na formação dos engenheiros agrônomos. Cadernos de Agroecologia, vol.11, n. 1, jun. 2016.

FLORIANI, N.; FLORIANE. D. Saber, ambiental complexo: aportes cognitivos ao pensamento agroecológico: Revista Brasileira de Agroecologia, v.5, n1, 2010.

GUHUR, D. M. Contribuições do Diálogo de saberes a educação profissional em Agroecologia no MST: Desafios da educação do campo na construção do projeto popular. 2010.267f. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas e Gestão da Educação) - Universidade Estadual de Maringá. Programa de Pós-graduação em Educação, Maringá, 2010.

GURAN, M. Linguagem fotográfica e informação. Rio de Janeiro: Gama filho, 2002.

HOFFMANN, R. A dinâmica da modernização da agricultura em 157 microrregiões homogêneas do Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 30, n. 4, p.271-290, 1992.

MARQUES, J. P. A. “Observação participante” na pesquisa de campo em Educação. Educação em Foco, ano 19, n. 28, mai./ago., p. 263-284, 2016.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 33. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. 3. ed. Ijuí: Editora Unijuí, 2016.

OLIVEIRA, M. C. M. Sobre as (im)possibilidades da fotografia como fonte primária em História da Educação. In: PÔRTO JR., Gilson (Org.). História do tempo presente. Bauru: Edusc, 2007.

PAWLOWSKI, C. S.; ANDERSEN, H. B.; TROELSEN, J.; SCHIPPERIJN, J. Children's physical activity behavior during school recess: A pilot study using GPS, accelerometer, participant observation, and go-along interview. PlosOne, 11(2), 2016. E0148786. doi:10.1371/journal.pone.0148786, 2016.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.Disponível em: <http://www.feevale.br/Comum/midias/8807f05a-14d0-4d5b-b1ad-1538f3aef538/Ebook%20Metodologia%20do%20Trabalho%20Cientifico.pdf>. Acesso em 21 jul. 2019.

SABOURIN, E. A economia de reciprocidade: herança e desafio dos povos e comunidades tradicionais. Cirad, França, 2014.

SANTOS, A. S.; CURADO, F. F. Perspectivas para pesquisa agroecológica: diálogo de saberes. Aracaju: Documentos Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2012.

SANTOS, J. C. et al. Tópicos em Ciências Agrárias: Mutirão como ferramenta pedagógica para a construção de saberes Agroecológicos. 1ª Edição. Belo Horizonte: Poisson, 2019.

SEOANE, Carlos Eduardo. et al. Atividades e práticas em coletivos de trabalho :mutirões em Agroflorestas Agroecológicos do litoral do Paraná, Brasil: Cadernos de Agroecologia, v.8, n.2,2013.

SOARES, A. et al. Construção do conhecimento Agroecológico: A experiência do coletivo de criação de galinha caipira no assentamento Carlos Lamarca: Núcleo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Agricultura Familiar e Agroecologia –NEA da Universidade Federal Rural da Amazônia, Campus de Capitão Poço, 2015.

Souza, J. O., & Santos, C. C. Construção e resgate do saber sobre a agroecologia através de metodologias de intervenção no processo pedagógico. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 11(2), 16-18, 2016.

TONÁ, N.; GUHUR. D. M. O Diálogo de Saberes, na Promoção da Agroecologia na Base dos Movimentos Sociais Populares. Revista Brasileira de Agroecologia, v.4, n. 2, nov., 2009.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Downloads

Publicado

2021-01-15

Como Citar

Becker, C., Nascimento, S. G. da S., Acosta, L. da S., & de Ávila, M. R. (2021). EXPERIÊNCIA DE AJUTÓRIOS AGROECOLÓGICOS NA FRONTEIRA DO BRASIL COM URUGUAI: O CASO DE SANTANA DE LIVRAMENTO. DESENVOLVIMENTO, FRONTEIRAS E CIDADANIA, 5(8), 94–111. https://doi.org/10.61389/dfc.v5i8.5284

Edição

Seção

DOSSIÊ: BIOECONOMIA, MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL