OS IMPACTOS DA DESIGUALDADE SOCIAL NOS PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO NO BRASIL

Autores

  • Evelyn Bueno Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado (UnC).
  • Daniele de Cássia Karvat Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado (UnC).
  • Alexandre Assis Tomporoski Programa de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado) em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado (UnC).
  • Sandro Luiz Bazzanella Programa de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado) em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado (UnC).
  • Vivian Lachman Secretaria Municipal de Educação de Canoinhas/SC.

Resumo

Após a promulgação da Constituição Federal de 1988, a sociedade brasileira acompanhou a redução de desigualdades no cenário nacional com a expansão do estado social, mediante implementação de políticas públicas. Estratégias que necessitam ser ampliadas com o objetivo de mitigação de desigualdades. Com base nesta constatação, este artigo busca realizar uma análise sobre as desigualdades existentes no território brasileiro, principalmente a desigualdade social, de gênero, vulnerabilidade de pessoas em situação de rua e desigualdade étnica-racial, particularmente em relação ao hiperencarceramento seletivo, de que modo tais desigualdades atuam como elementos que restringem o desenvolvimento. Para alcançar este objetivo central, optou-se por realizar uma pesquisa de caráter bibliográfico e documental. Destaca-se a análise de dados quantitativos e qualitativos divulgados por instituições de pesquisa e organizações nacionais e internacionais, especialmente a Organização das Nações Unidas (ONU) e Oxford Committee for Famine Reliefe (OXFAM), entre outras. As análises em torno das diversas formas de desigualdade constitutivas da sociedade brasileira evidenciam os limites do desenvolvimento humano, social, local, regional e nacional. A constituição de iniciativas de desenvolvimento consistente reque a erradicação da desigualdade social e, por extensão a inclusão na esfera da cidadania de expressivos segmento sociais brasileiros.

Biografia do Autor

Evelyn Bueno, Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado (UnC).

Mestranda no Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional (PMDR) da Universidade do Contestado (UnC), Santa Catarina. Especialista em Direito Ambiental pela Universidade Anhanguera Educacional (2020). Bacharel em Direito pela Universidade do Contestado - UnC (2018). Docente na Universidade do Contestado (UnC) Campus Rio Negrinho (SC). Membro do Grupo de Investigação sobre o Movimento do Contestado. Possui afinidade com pesquisas correlatas ao Movimento Sertanejo do Contestado, Direito Ambiental, Constitucional e Direito dos Povos Indígenas.

Daniele de Cássia Karvat, Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado (UnC).

Mestranda no Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional (PMDR) da Universidade do Contestado (UnC), Santa Catarina.

Alexandre Assis Tomporoski, Programa de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado) em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado (UnC).

Possui graduação em História pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2003), Mestrado (2006) e Doutorado (2013) em História pela Universidade Federal de Santa Catarina. Sua atuação concentra-se nas áreas de História Regional, História Social, História do Trabalho, História do Contestado, Patrimônio Cultural e Desenvolvimento Regional. É professor permanente do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional (PMDR/UnC) e Editor Associado da Revista Desenvolvimento Regional em debate (DRd), qualis A4. Atua na docência em diversos cursos de graduação da Universidade do Contestado (UNC), onde também coordena o Núcleo de Pesquisa em História (NUPHIS), certificado junto ao Diretório de Grupos de Pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). É membro do Grupo de Investigação sobre o Movimento do Contestado (GIMC). Atuou como professor visitante na Universdad Castilla-La Mancha, em Ciudad Real, Espanha (2017, 2018), onde desenvolveu projeto de pesquisa de estágio pós-doutoral acerca do Patrimônio Agrário da região de La Mancha e do Território do Contestado. Foi coordenador do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado (2019 e 2020) e atualmente é coordenador do Programa de Doutorado em Desenvolvimento Regional da mesma instituição.

Sandro Luiz Bazzanella, Programa de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado) em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado (UnC).

Possui graduação em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco (1989). Mestrado em Educação e Cultura pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2003) e, doutorado em Interdisciplinar em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Santa Catarina (2010). Atualmente é professor titular de filosofia da Universidade do Contestado na graduação no Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional. Tem experiência na área de filosofia política contemporânea dialogando com autores como Nietzsche e Agamben e, atuando nas seguintes áreas temáticas: História da filosofia, filosofia da história, filosofia política e ética, técnica, Estado e biopolítica. Foi coordenador do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado no biênio 2014/2015 e é Editor-Chefe da Revista Profanações.

 

Vivian Lachman, Secretaria Municipal de Educação de Canoinhas/SC.

Pedagoga. Especialista em Educação. Diretora de Séries Iniciais da Rede Pública do Município de Canoinhas/SC.

Referências

BUONICORE, Augusto César. A história das mulheres brasileiras que foram à luta por seus direitos. 2017. Disponível em: https://www.pragmatismopolitico.com.br/2017/03/historia-mulheres-brasileiras-luta-direitos.html. Acesso em: 15 ago. 2020.

CALDART, Roseli Salete. Pedagogia do Movimento Sem Terra. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

Departamento Penitenciário Nacional. Acesso em 04/08/2020. Disponível em: https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiZWI2MmJmMzYtODA2MC00YmZiLWI4M2ItNDU2ZmIyZjFjZGQ0IiwidCI6ImViMDkwNDIwLTQ0NGMtNDNmNy05MWYyLTRiOGRhNmJmZThlM

DOLCE, Julia. Pesquisa FGV revela que 50% das mães são demitidas até dois anos após licença maternidade. 2017. Disponível em: http://cnq.org.br/noticias/pesquisa-fgv-revela-que-50-das-maes-sao-demitidas-ate-dois-anos-apos-licenca-mat-1a70/. Acesso em: 15 ago. 2020.

FALCÃO, Tiago; COSTA, Patrícia Vieira da. A linha de extrema pobreza e o público-alvo do plano Brasil Sem Miséria. In. O Brasil sem miséria. 1ª ed., Brasília, 2014. Org. CAMPELLO, Tereza; FALCÃO, Tiago; COSTA, Patrícia Videira da. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

FERRAZ, Fernando Basto; RANGEL, Helano Márcio Vieira. A discriminação sociojurídica ao emprego doméstico na sociedade brasileira contemporânea: uma projeção do passado colonial. In: XIX ENCONTRO NACIONAL DO CONPEDI, 2010, Fortaleza – CE. Anais... Fortaleza: CONPEDI, 2010.

FIGUEIREDO, Luciano. Mulheres nas Minas Gerais. In: PRIORE, Mary del (org.). História das mulheres no Brasil. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2004.

HART, Carl L. Slogans vazios, problemas reais. Revista internacional de direitos humanos, edição n. 21, volume 12, 2015, p. 6-10.

HART, Carl. Um preço muito alto: a jornada de um neurocientista que desafia nossa visão sobre as drogas. 1ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). O que é o Índice de Gini? 2004. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&id=2048:catid=28, acesso em 10/06/2020.

NATALINO, Marco Antônio Carvalho. Estimativa da população em situação de rua no Brasil. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, IPEA, 2016.

Organização das Nações Unidas (ONU). ONU Mulheres chama empresas a impulsionar igualdade de gênero e empoderamento econômico. 2019. Disponível em: https://nacoesunidas.org/onu-mulheres-chama-empresas-a-impulsionar-igualdade-de-genero-e-empoderamento-economico/. Acesso em: 15 ago. 2020.

OXFAM Brasil. Empoderamento econômico das mulheres no Brasil pela valorização do trabalho doméstico e do cuidado.2018. Disponível em: http://www.sof.org.br/wp-content/uploads/2018/09/trabalhos_domesticos_cuidados_-_diagramado_final_2.pdf. Acesso em: 17 ago. 2020.

PEREIRA, Nancy. O papel das mulheres na indústria. Revista do Instituto Humanitas Unisinos. Rio Grande do Sul. Edição 331, 30 maio 2010. Entrevista concedida a Greyce Vargas. Disponível em: http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?option=com_content&view=article&id=3252& . Acesso em: 15 ago. 2020.

RAGO, Margareth. Trabalho Feminino e Sexualidade. História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2001.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço. São Paulo: Hucitec, 1996

SANTOS, Ramaiane Costa; SACRAMENTO, Sandra Maria Pereira do. O Antes, o Depois e as Principais Conquistas Femininas. Revista Anagrama: Revista Científica Interdisciplinar da Graduação, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 1-10, 2011.

SARTI, Cynthia A. Feminismo e contexto: lições do caso brasileiro. Desdobramentos do Feminismo, Cadernos Pagu Universidade Federal de Campinas, Campinas, n. 16 (2001), 2016. p. 31-48. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644536. Acesso em:17 ago. 2020.

SICARI, Aline Amaral; ZANELLA, Andrea Vieira. Pessoas em situação de rua no Brasil: revisão sistemática. Ver. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 38, n. 4, 2018.

SILVA, Pollyana Jorge da. A condição feminina: uma breve retrospectiva histórica. 2009. Disponível em: https://www.docsity.com/pt/a-condicao-feminina-uma-breve-retropesctiva-historica/4717761/. Acesso em: 15 ago. 2020.

STÉDILE, João Pedro; FERNANDES, Bernardo Mançano. Brava Gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Expressão Popular e Fundação Perseu Abramo, 2012.

VASCONCELOS, Iana dos Santos. MULHER E MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL: notas de uma história em andamento. Revista Eletrônica de Ciências Sociais, História e Relações Internacionais: EXAMÃPAKU, [S.L.], v. 3, n. 2, p. 1-9, 3 jul. 2013. Universidade Federal de Roraima. http://dx.doi.org/10.18227/1983-9065ex.v3i2.1497. Disponível em: https://revista.ufrr.br/index.php/examapaku/article/view/1497. Acesso em: 15 ago. 2020.

WACQUANT, Loïc. Marginalidade, etnicidade e penalidade na cidade neoliberal: uma cartografia analítica. Tempo Social, Revista de sociologia da USP, v. 26, n. 2, p. 136-164.

WACQUANT, Loïc. O lugar da prisão na nova administração da pobreza. Revista Novos Estudos. São Paulo, CEBRAP, n. 80, Dossiê de segurança pública, 2008, p. 9-19.

WACQUANT, Loïc. Os excluídos da sociedade de consumo: toxicodependentes, psicopatas e sem-abrigo nas prisões americanas. Revista Análise Social, v. 185, 2007, p. 987-1003.

Downloads

Publicado

2020-10-20

Como Citar

Bueno, E., Karvat, D. de C., Tomporoski, A. A., Bazzanella, S. L., & Lachman, V. (2020). OS IMPACTOS DA DESIGUALDADE SOCIAL NOS PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO NO BRASIL. DESENVOLVIMENTO, FRONTEIRAS E CIDADANIA, 4(7), 119–141. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/fronteiracidadania/article/view/5498

Edição

Seção

DOSSIÊ: BIOECONOMIA, MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL