A tradução intertextual de Romeu e Julieta em Inocência

Visualizações: 8386

Autores

Palavras-chave:

Intertextualidade, Literatura Comparada, William Shakespeare, Visconde de Taunay.

Resumo

Este trabalho tem como propósito fazer uma análise comparativa da peça Romeu e Julieta, de William Shakespeare, com o romance Inocência, do Visconde de Taunay, em que se preze não apenas a semelhança e diferença, mas também a coexistência de uma perante a outra, denotando um grau de respeito e apropriação, não partilhando do quesito de subserviência. Dentre os objetivos norteadores desse trabalho, elencamos como objetivo geral a comparação entre Romeu e Julieta e Inocência, ao passo que como viés específico, seria o estudo da tradução intertextual feita por Taunay em relação à peça shakespeariana. Como prenúncio do trabalho comparatista, mostra-se que Taunay assimilou a narrativa renascentista e empenhou o que designamos como uma tradução intertextual.

Biografia do Autor

Tiago Marques Luiz, Universidade Federal de Uberlândia

Possui graduação em Letras Licenciatura/Habilitação Português/Inglês pela Universidade Federal da Grande Dourados (2009), especialização em Tradução de Inglês pela Universidade Gama Filho (2011, Mestrado em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (2013) e Doutorado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Uberlândia (2019). 

Lucilia Teodora Villela de Leitgeb Lourenço, Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul

Doutorado em Letras (área de concentração em Literatura Comparada) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2014). Mestrado em Letras pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2006). Possui graduação em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da Alta Paulista, graduação em Letras Português/Inglês pela Unimar - Universidade de Marília, SP (1972). É professora efetiva nivel V da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, em Dourados.

Lucas Henrique Pires Cápua, Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul

Graduando em Letras Português/Inglês na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul em Dourados.

Referências

CALVINO, Ítalo. Por que ler os clássicos. 2ªedição. 4ª reimpressão Tradução de Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura comparada. 4ª. ed. rev. e ampliada. São Paulo: Editora Ática, 2006.

CAVALCANTI, Ariane da Mota. Dom Casmurro em movimento: suas traduções-reescrituras em São Bernardo e O amor de Capitu. 227f. Dissertação (Mestrado em Letras). Centro de Artes e Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.

ECO, Umberto. Obra aberta: formas e indeterminação nas poéticas contemporâneas. 10 ed. Tradução de Giovanni Cutolo. São Paulo: Editora Perspectiva, 2015.

EVEN-ZOHAR, Itamar. Polysystem Theory. In: EVEN-ZOHAR, Itamar (ed). Polysystem Studies. A special issue of Poetics Today. Durham: Duke University Press, 1990, p. 9-26.

FORTES, Rita Félix. Um diálogo com a tradição nas epígrafes de Inocência. Revista Trama, Cascavel, vol. 1, núm. 2, p. 217-231, 2005.

FREITAS, Luana Ferreira. Intertextualidade e tradução. Fragmentos, Florianópolis, núm. 35, p. 11-20, jul - dez/ 2008.

GREGÓRIO, Paulo Henrique da Silva. Do teatro elisabetano ao sertão do século XIX: a presença de Shakespeare em Inocência. 2012. 120f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem). Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. 2012.

HUTCHINSON, Ben. Comparative Literature: A Very Short Introduction. Oxford: Oxford University Press, 2018.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. 2 ed. Tradução de Lucia Helena França Ferraz. São Paulo: Perspectiva, 2005.

LUIZ, Tiago Marques. Apontamentos na produção do riso na adaptação de Romeu e Julieta pela Turma da Mônica. 2019. 243f. Tese (Doutorado em Estudos Literários). Instituto de Letras e Linguística, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2019.

MORINI, Massimiliano. Intertextuality and Early Modern Translation Theory. Renæssanceforum, vol. 14, 2018, p. 79-96.

OLIVEIRA, Solange Ribeiro. Literatura e as outras artes hoje: o texto traduzido. Letras, Santa Maria, n. 34, p. 189-205, jul. 2007.

ROBERTO, Hélio. Inocência e o casamento como contrato. 15 de julho de 2019. Disponível em: < https://www.gospelprime.com.br/inocencia-e-o-casamento-como-contrato/> Acesso em: 05 nov. 2019

SHAKESPEARE, William. Romeu e Julieta. Tradução e Introdução de Bárbara Heliodora. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

STEINER, George. Real Presences. London: Boston, Faber & Faber, 1989

VISCONDE DE TAUNAY. Inocência. 19ª ed. São Paulo: Ática, 1991.

ZHANG, Huanyao; MA, Huijuan. Intertextuality in retranslation. Perspectives: Studies in Translation Theory and Practice, London, vol. 26, núm, 4, p. 1-17, 2018.

ZHAO, Honghui. An Intertextual Approach to Translation at the Micro-Level. Open Journal of Social Sciences, China, vol, 5, p. 119-127, 2017.

Downloads

Publicado

23-04-2020

Como Citar

Luiz, T. M., Lourenço, L. T. V. de L., & Cápua, L. H. P. (2020). A tradução intertextual de Romeu e Julieta em Inocência. VALITTERA - REVISTA LITERÁRIA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS, 1(2), 150–169. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/valit/article/view/4250

Edição

Seção

Artigo