A mulher como um mal: uma leitura de Macbeth

Autores

  • Gabriela Piovesan Leitão Tibola UEMS

Palavras-chave:

Shakespeare, Literatura, Representação do feminino.

Resumo

O presente artigo tem como escopo debater a respeito das personagens da peça “Macbeth” de William Shakespeare que foi escrita entre os anos de 1603 e 1607, na Inglaterra. Considerando que a Literatura é um espelho do real, mesmo que esta representação não seja totalmente fidedigna, ela remete e reproduz estruturas e ordens sociais do contexto sócio-histórico do(a) autor(a). Por isso, a perspectiva desse artigo busca enfocar a representação do feminino na obra de Shakespeare e os impactos de ordens sociais que cerceiam o autor na época em que escreveu a tragédia, bem como a percepção sobre a mulher no âmbito social. Esse estudo tende a ter grande importância social, pois a origem das percepções dos indivíduos sociais pode ser encontrada na Literatura e analisada no âmbito sociológico. Apesar dos fatos sociais serem mutáveis, pela mudança organizacional de uma sociedade com o passar do tempo, as estruturas são pautadas em uma origem arbitrária construída no passado. Dessa forma, a discussão reflete a partir de estudos da área da Linguística e da Literatura embasada em concepções teóricas de CANDIDO (2006); HELLER (2005); BEAUVOIR (2016); entre outros.

Biografia do Autor

Gabriela Piovesan Leitão Tibola, UEMS

Graduanda em Letras Português-Espanhol pela Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul – Brasil. Bolsista PIBIC. E-mail: gabrielapiovesan90@gmail.com

Referências

BEAUVOIR, S., O segundo sexo, Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2008.

CANDIDO, A. et al. A personagem de ficção. 13. ed. São Paulo: Perspectiva, 2018.

CANDIDO, A. Literatura e sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2006.

DE JESUS, A. G., SOUZA, K. C. O., A representação do feminino em Lady Macbeth: deslocamento e tragicidade, Fronteira Digital, v. 5, p. 112-119 2016. https://periodicos.unemat.br/index.php/fronteiradigital/article/viewFile/1543/1480 Disponível em: Acesso em: 7 dez. 2020.

HELLER, A. O que é a Natureza, o que é Natural? Shakespeare como Filósofo da Natureza, v. 2, MORUS utopia e renascimento, 2005.

SHAKESPEARE, W. Macbeth, São Paulo: Editora Nova Cultural, 2003.

SOUZA, E. P. A ambição em Lady Macbeth: um percurso persuasivo de poder e desequilíbrio. Monografia (Especialização em Estudos Literários), UFCG, 2016. Disponível em: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/bitstream/riufcg/9270/1/EMANUELLA%20PEREIRA%20DE%20SOUZA.%20TCC.%20ESP.%20EM%20ESTUDOS%20LITER%c3%81RIOS.2016.pdf Acesso em: 7 dez. 2020.

TOREZAN, Z. C. F.; AGUIAR, F. O sujeito da psicanálise: particularidades na contemporaneidade. Rev. Mal-estar e Subjetividade. v.6, n.2, p. 525-554, jun. 2011.

OLIVEIRA, M. N. C., Mulheres de Shakespeare: uma leitura do feminino em Macbeth, Rei Lear e Sonho de Uma Noite de Verão. Trabalho de Conclusão de Curso, UEP, 2016. Disponível em http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/bitstream/123456789/11728/1/PDF%20-%20Morgana%20Natana%20Claudino%20de%20Oliveira.pdf Acesso em: 7 dez. 2020.

Downloads

Publicado

24/12/2021

Como Citar

Tibola, G. P. L. (2021). A mulher como um mal: uma leitura de Macbeth. VALITTERA - REVISTA LITERÁRIA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS, 1(4), 171–183. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/valit/article/view/6194