GEORGE ORWELL, UM ESCRITOR LIBERTÁRIO

A vigilância das teletelas em 1984 e a ideologização fílmica em A Revolução dos Bichos

Visualizações: 230

Autores

  • Saulo Barreto Lima Fernandes UEMA/Mestrando

DOI:

https://doi.org/10.61389/valittera.v1i8.7558

Palavras-chave:

literatura

Resumo

Eric Arthur Blair (1903-50) se notabilizou por inserir em seus escritos literários, autobiográficos e ensaísticos elementos imbuídos de forte apelo social e político. Suas obras apresentam como foco principal a preocupação irrestrita com as liberdades individuais duramente conquistadas ao longo dos séculos; denunciando muitas das vezes, as entranhas dos mecanismos de dominação utilizados pelo totalitarismo político qualquer fosse seu viés ideológico. Sob a luz de teóricos como Bauman (2013), Foucault (1987), Garcia (1985), Konder (2002), La Boétie (1999) e Marx (1964), buscaremos analisar algumas destas questões problematizadas fortemente abordadas em 1984, publicada em 1949, especificamente quando do uso tecnológico das chamadas “teletelas”; bem como na adaptação fílmica de A Revolução dos Bichos, para o cinema em forma de animação, ambas consideradas, suas obras de proa por assim dizer.   

Referências

REFERÊNCIAS

BAUMAN, Zygmunt. Vigilância líquida. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

GARCIA, Nélson Jahr. O que é propaganda ideológica. São Paulo: Abril Cultural Brasiliense, 1985.

KONDER, Leandro. A questão da ideologia. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

LA BOÉTIE, Étienne. Discurso da servidão voluntária. Tradução de Laymert Garcia dos Santos. São Paulo: Brasiliense, 1999.

MARX, Karl. Manuscritos Econômico-Filosóficos. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1964.

ORWELL, George. A revolução dos bichos. Tradução de Lívia Bono. Barueri, SP: Pé da Letra, 2020a.

_______________. Ensaios. Tradução de Fabrício Zuccherato, Ana Paula Bonjani, Flamarion Caldeira Ramos. Brasil: Pé da Letra, 2020b.

_______________. A revolução dos bichos: 1984. Tradução de Willians Glauber, Claudio Carina, Sonia Carvalho. Porto Alegre: CDG, 2021a.

_______________. Lutando na Espanha: homenagem à Catalunha. Tradução de Souza e Cruz. 1. ed. Londrina, PR: Livrarias Família Cristã, 2021b.

_______________. Prefácio do autor à edição ucraniana. In: ORWELL, George. A Revolução dos Bichos: um conto de fadas. Tradução de Heitor Aquino Ferreira; posfácio Christopher Hitchens. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SAUNDERS, Frances Stonor. Quem pagou a conta? Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Record, 2008.

HALAS, John e BATCHELOR, Joy. Animal Farm. [Filme-vídeo]. Produção de John Halas e Joy Batchelor, direção de John Halas e Joy Batchelor. Inglaterra: Halas & Batchelor Cartoon Films Ltd., 1954, 72 min. Colour by TECHNICOLOR. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=iZbrKvPMgu0&t=2175s>. Acesso em: 13 de dez. de 2022.

Downloads

Publicado

28-05-2023

Como Citar

Barreto Lima Fernandes, S. (2023). GEORGE ORWELL, UM ESCRITOR LIBERTÁRIO: A vigilância das teletelas em 1984 e a ideologização fílmica em A Revolução dos Bichos. VALITTERA - REVISTA LITERÁRIA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS, 1(8), 03–29. https://doi.org/10.61389/valittera.v1i8.7558

Artigos Semelhantes

<< < 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.