BREVE ANÁLISE DA CIRCULAÇÃO NO MATO GROSSO DO SUL

Daniel Monteiro Huertas

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar, de modo panorâmico, a circulação empreendida no Mato Grosso do Sul, que não pode ser considerada complexa por causa de uma combinação de fatores. Após um longo período de predomínio do transporte fluvial e ferroviário, destacaremos que a inserção do modal rodoviário no território sul-mato-grossense, a partir da segunda metade do século XX, acarretou novos arranjos territoriais e acabou determinando um novo padrão de circulação no estado, evidenciado por um processo de seletividade espacial que privilegiou certos pontos e áreas em detrimento de outros, demarcado pela concentração e atuação de seus agentes. Em consonância, observa-se um declínio dos modais ferroviário e hidroviário.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Gilberto Luiz; CORRÊA, Valmir Batista e CORRÊA, Valmir Batista. Casario do porto de Corumbá. Campo Grande: Fundação de Cultura de MS; Brasília: Gráfica do Senado, 1985.

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES (ANTT). Evolução do transporte ferroviário de cargas. Brasília: ANTT, 2016, mimeo.

AZEVEDO, Fernando de. Um trem corre para o oeste: estudo sobre a Noroeste e seu papel no sistema de viação nacional. 2. ed. São Paulo: Melhoramentos,1950.

ARROYO, Mónica. La división territorial del trabajo: un proceso e una categoría para intepretar el mundo. In: Anais eletrônicos (cd-rom) da 4ª Conferência Internacional de Geografia Crítica. Cidade do México, 2005, p.1-12.

BORGES, Fernando Tadeu de Miranda. Do extrativismo à pecuária: algumas observações sobre a história econômica de Mato Grosso (1870 a 1930). São Paulo: Scortecci, 2001.

CLOZIER, Réne. Géographie de la circulation. Paris: Génin, 1963.

ESSELIN, Paulo Marcos. A pecuária bovina no processo de ocupação e desenvolvimento econômico do pantanal sul-matogrossense (1830-1910). Dourados: Editora da UFGD, 2011.

FILHO, Synesio Sampaio Goes. Navegantes, bandeirantes e diplomatas: um ensaio sobre a formação das fronteiras do Brasil. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

GUIMARÃES, Eduardo Nunes e LEME, Heladio José de Campos. Caracterização histórica e configuração espacial da estrutura produtiva do Centro-Oeste. In: HOGAN, Daniel Joseph et al (orgs.). Migração e ambiente no Centro-Oeste. Campinas: Nepo/Unicamp: Pronex, 2002, p.17-85.

HUERTAS, Daniel Monteiro. Território e circulação: transporte rodoviário de carga no Brasil. Tese de doutorado, São Paulo, Universidade de São Paulo (USP), 2013.

_________________________. Da fachada atlântica à imensidão amazônica: fronteira agrícola e integração territorial. São Paulo: Annablume, 2009.

MARX, Karl (1893). O Capital: crítica da economia política – Livro Segundo: o processo de circulação do capital. 13.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011, v.III.

PEREIRA, Ana Paula Camilo e FONSECA, Rafael Oliveira. In: SILVA, Walter Guedes da e SILVA, Paulo Fernando Jurado da (orgs.). Mato Grosso do Sul no início do século XXI: integração e desenvolvimento urbano-regional. Campo Grande: Life, 2017, p.39-61.

SANTOS, Milton. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. 2ª ed. 1ª reimp. São Paulo: Edusp, 2008.

_______________. A urbanização brasileira. 5.ed. São Paulo: Edusp, 2005.

________________. Economia espacial: críticas e alternativas. 2.ed. São Paulo: Edusp, 2003.

SAVY, Michel. Logistique et Territoire. Espace géographique, tome 22, n.3, p.210-18, 1993.

SILVA, Moacir M. F. Geografia dos transportes no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1949.

SOUZA, Adáuto de Oliveira. Modernização e desenvolvimento: aspectos da política hidroviária no Mato Grosso do Sul. In: LAMOSO, Lisandra Pereira (org.). Transportes e políticas públicas em Mato Grosso do Sul. Dourados: Editora da UFGD, 2008, p.93-116.

ZIONI, Silvana. Espaços de Carga na Região Metropolitana de São Paulo. Tese de doutorado, São Paulo, Universidade de São Paulo (USP), 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 GEOFRONTER

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.