OCUPAÇÃO URBANA E A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO LAJEADO, CAMPO GRANDE/MS

Stephany Freitas Bobadilha, Maria Helena da Silva Andrade

Resumo


O uso e a ocupação do solo nas áreas próximas de águas superficiais podem resultar em degradação ambiental, afetando a qualidade da água e sua disponibilidade, devido a ações antrópicas diversas como despejo de esgoto doméstico e efluentes industriais não tratados, desmatamentos, descarte incorreto de resíduos sólidos ou práticas agrícolas sem controle. O córrego Lajeado é a segunda maior fonte de abastecimento de água do município de Campo Grande, Mato Grosso do Sul e sua bacia hidrográfica está localizada principalmente no perímetro urbano do município. Devido a sua importância, este estudo tem como objetivo principal avaliar a qualidade ecológica da água, relacionando as condições hídricas aos processos de ocupação urbana, utilizando os macroinvertebrados bentônicos como índice biológico de qualidade da água. As amostras foram coletadas nos períodos seco e chuvoso, no mês de dezembro de 2018 e março de 2019, sendo observado em campo as diversas condições ambientais da bacia. Observamos que ocorrem muitas atividades antrópicas nas proximidades do córrego que podem acarretar em impactos diretos e indiretos, a degradação ambiental em sua área consequentemente afeta a qualidade da água, sendo os principais impactos observados os assoreamentos e a quantidade de resíduos sólidos. Os macroinvertebrados bentônicos encontrados nas amostras coletadas indicam a má qualidade ecológica da água e espera-se que esta pesquisa contribua com o conhecimento sobre a área para subsidiar projetos de pesquisas e programas de monitoramento, além da elaboração de políticas públicas de conservação de recursos hídricos e das bacias hidrográficas do município.


Palavras-chave


atividades antrópicas; biomonitoramento; macroinvertebrados bentônicos

Texto completo:

PDF

Referências


AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Panorama das águas. Disponível em: . Acesso em: 05/08/2019.

ÁGUAS GUARIROBA. Abastecimento de Água. Disponível em: Acesso em 01/08/2019.

BABICK, L.; RHODEN, A. C. Avaliação de macroinvertebrados bentônicos, qualidade físico-química e microbiológica da água do Lajeado Rickia. Revista Ciências Agroveterinárias e Alimentos, n. 3, 2018.

BACCI, D.; PATACA, E. Educação para a água. Estudos Avançados, Portal de revistas da USP, 22(63), 211-226, 2008. Disponível em: . Acesso em: 29/07/2019.

BRASIL. Lei Nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Disponível em: Acesso em: 01/08/2019.

CALLISTO, M.; MORETTI, M.; GOULART. M. Macroinvertebrados bentônicos como ferramenta para avaliar a saúde de riachos. RBRH – Revista Brasileira de Recursos Hídricos, vol. 6, n. 1, pag. 71-82, Jan/Mar 2001.

CONAMA. Resolução nº 357 de 1 de março de 2005. Disponível em: . Acesso em: 28/08/2019.

GONÇALVES, C. S.; et al. Qualidade da água numa microbacia hidrográfica de cabeceira situada em região produtora de fumo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Rio Grande do Sul, set. 2005, v. 9, n°. 3.

JUNQUEIRA, M. V. et al. Biomonitoramento da qualidade das águas da Bacia do Alto Rio das Velhas (MG/Brasil) através de macroinvertebrados. Acta Liminologica Brasiliensia, 12:73-87, 2000.

JUNQUEIRA, V. M.; CAMPOS, S. C. M. Adaptation of the “BMWP” method for water quality evaluation to rio das Velhas watershed (Minas Gerais, Brasil.). Acta Limnologica Brasiliensia, v. 10, n. 2, p. 125-135, 1998.

MERRITT, R.; CUMMINS, K. An Introduction to The Aquatic Insects of North America. The Journal of Animal Ecology. 50. 10.2307/1467288, 1996.

MORAES, D. S. de L.; JORDÃO. B. Q. Degradação de recursos hídricos e seus efeitos sobre a saúde humana. Rev. Saúde Pública, v. 36, n. 3, p. 370-374, 2002.

MUGNAI, R.; NESSIMIAN, J. L.; BAPTISTA, D. F. Manual de Identificação de Macroinvertebrados Aquáticos do Estado do Rio de Janeiro. Technical Books Editora, 1ª Edição, Rio de Janeiro, 2010.

SEMADUR. Qualidade das águas superficiais de Campo Grande – MS. Relatório Anual de 2018. Disponível em: . Acesso em: 01/08/2019.

SILVEIRA, M. P.; QUEIROZ, J. F. de.; BOEIRA, R. C. Comunicado Técnico 19 – Protocolo de coleta e preparação de amostras de macroinvertebrados bentônicos em riachos. EMBRAPA. Jaguariúna, SP, outubro, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 GEOFRONTER

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.