O corpo dançante ou da tradução em Lavoura arcaica

Autores

Palavras-chave:

Lavoura arcaica, Tradução, Semiótica, Corpo, Dança.

Resumo

Dentre os estudos consagrados a Lavoura arcaica (1975), de Raduan Nassar, poucos discutem aspectos ligados à tradução e, dentre eles, raros adotam uma perspectiva semiótica. Neste artigo, buscamos identificar se, e de que forma, o corpo e a dança podem ser considerados, no romance nassariano, como tradutor e tradução, respectivamente, de traços culturais e de sentimentos dos personagens, em especial da protagonista Ana. Para tanto refletimos sobre o conceito de tradução com base na teoria geral dos signos de Charles S. Peirce, apresentada em The collected papers of Charles Sanders Peirce (1931-1958). Também recorremos às reflexões sobre o corpo articuladas por Christine Greiner (2005), José Gil (1997) e Richard Shusterman (2008), bem como as ideias de Alain Badiou (2002) e Paul Bourcier (2001) sobre a dança. Constatamos, pelo modo através do qual o corpo da protagonista se apresenta ao mundo e pelas relações por ele desencadeadas em outros corpos, que os sentidos inscritos em nosso interior se podem transferir a outros espaços-corpos, nos quais os signos gerados encontram terreno fecundo para a semiose. Os resultados também apontam que a dança pode ser encarada como tradução sígnica tanto de uma cultura específica como de sentimentos e conflitos presentes nos personagens da narrativa.

Biografia do Autor

Wanessa Gonçalves Silva, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Doutora em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Tradutora e intérprete e Chefe de Editoração da Editora da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

Luciana Wrege Rassier, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Docente-pesquisadora e coordenadora do curso de Francês (bacharelado e licenciatura) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Referências

ALZAYER, Penni. Middle Eastern dance. Philadelphia: Chelsea House Publishers, 2004.

BADIOU, Alain. A dança como metáfora do pensamento. In: BADIOU, Alain. Pequeno manual de inestética. Trad. Marina Appenzeller. São Paulo: Estação Liberdade, 2002. p. 79-96.

BOURCIER, Paul. História da dança no ocidente. Trad. Marina Appenzeller. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BOURDIEU, Pierre. O camponês e seu corpo. Trad. Luciano Codato. Revista de Sociologia Política, Curitiba, n. 26, p. 83-92, jun. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsocp/n26/a07n26.pdf. Acesso em: 8 mar. 2020.

CADERNOS DE LITERATURA BRASILEIRA: RADUAN NASSAR. São Paulo: Instituto Moreira Salles, n. 2, set. 1996.

CARIELLO, Rafael. Depois da lavoura. Piauí, n. 70, jul. 2012. Disponível em: http://piaui.folha.uol.com.br/materia/depois-da-lavoura/. Acesso em: 5 abr. 2020.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Trad. Vera da Costa e Silva et al. Rio de Janeiro: José Olympio, 2003.

DEAGON, Andrea. Mythology and symbolism in Middle Eastern dance. The best of Habibi, v. 16, n. 2, 1997. Disponível em: http://thebestofhabibi.com/vol-16-no-2-spring-1997/mythology/. Acesso em: 30 mar. 2020.

DIB, Márcia. Música árabe: expressividade e sutileza. São Paulo: Ed. do Autor, 2013.

ECO, Umberto. Quase a mesma coisa. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: BestBolso, 2011.

FENSKE, Elfi Kürten. Raduan Nassar: tradição e vanguarda. Templo Cultural Delfos, maio 2013. Disponível em: http://www.elfikurten.com.br/2013/05/raduan-nassar-tradicao-e-vanguarda.html. Acesso em: 1 abr. 2020.

FONTES, Izabel. O horror vem de dentro: o abjeto e o corpo político em três contos de Mariana Enriquez. Revell, Dourados, v. 3, n. 20, p. 244-260, dez. 2018. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/3175. Acesso em: 11 mar. 2020.

FRANKEN, Marjorie. Action signs in Egyptian flokloric dance: how to walk like an Egyptian. Journal for the Anthropological Study of Human Movement, Champaign, v. 12, n. 2, p. 14-25, 2002. Disponível em: http://jashm.press.illinois.edu/12.2/12-2Action_Franken14-25.pdf. Acesso em: 25 mar. 2020.

GIL, José. Movimento total: o corpo e a dança. Trad. Miguel Serras Pereira. São Paulo: Iluminuras, 2002.

GIL, José. Metamorfoses do corpo. Lisboa: Relógio D’Água, 1997.

GREINER, Christine. O corpo: pistas para estudos indisciplinares. São Paulo: Annablume, 2005.

JAKOBSON, Roman. On linguistic aspects of translation. In: VENUTI, Lawrence. The Translation Studies reader. 3rd ed. London; New York: Routledge, 2012. p. 126-131.

LISPECTOR, Clarice. Água viva. Rio de Janeiro: Rocco Digital, 1998.

NASSAR, Raduan. Obra completa. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

NASSAR, Raduan. Sou o jararaca: entrevista [1997]. Entrevistador: Mario Sabino. Veja, São Paulo, p. 9-13, 30 jul. 1997.

NASSAR, Raduan. Lavoura Arcaica. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. Trad. J. Teixeira Coelho Netto. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1999.

PEIRCE, Charles Sanders. The collected papers of Charles Sanders Peirce. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1931-1935. Volumes I-VI editados por Charles Hartsforne e Paul Weiss. Volume VII e VIII editado por Arthur W. Burks.

PEREIRA, Alice de Araujo Nascimento. Necropolítica, patriarcado e o valor da vida humana nas distopias. Revell, Dourados, v. 3, n. 17, p. 143-158, nov. 2017. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/1978. Acesso em: 11 mar. 2020.

PLAZA, Julio. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2001.

RASSIER, Luciana Wrege. No silêncio eloquente da página. Cult, São Paulo, ano 20, n. 224, p. 26, jun. 2017.

RASSIER, Luciana Wrege. Trois enfants prodigues: intertextualité dans Lavoura arcaica, de Raduan Nassar. In: DUMAS, Marie; UTÉZA, Fracis (Org.). Mélanges offerts à Claude Maffre. Montpellier: Université Montpellier III-ETILAL, 2003. p. 271-287.

RASSIER, Luciana Wrege. Le labyrinthe hermétique: une lecture de l'oeuvre de Raduan Nassar. 2002. Tese (Doutorado) – École Doctorale en Études Romanes, Université Paul-Valéry, Montpellier III, 2002. Em regime de cotutela com o Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

SANTAELLA, Lucia. A teoria geral dos signos: como as linguagens significam as coisas. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de linguística geral. Trad. Antônio Chelini; José Paulo Paes; Izidoro Blinkstein. São Paulo: Cultrix, 2006.

SHUSTERMAN, Richard. Body consciousness: a philosophy of mindfulness and somaesthetics. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.

SILVA, Wanessa Gonçalves. Tradução e mediação: o corpo em Lavoura arcaica, de Raduan Nassar e de Luiz Fernando Carvalho. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução, Florianópolis, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/185606/PGET0355-T.pdf?sequence=-1&isAllowed=y.

WEININGER, Markus J. Estrela guia ou utopia inalcançável. Uma breve reflexão sobre a equivalência na tradução. In: CARDOZO, Maurício; HEIDERMANN, Werner; WEININGER, Markus J. (Eds.). A Escola Tradutológica de Leipzig. Frankfurt: Peter Lang, 2009. p. XIX-XXVIII.

ZILLY, Berthold. Lavoura arcaica “lavoura poética” lavoura tradutória: historicidade, atualidade e transculturalidade da obra-prima de Raduan Nassar. Estudos, Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, v. 17, n. 01, p. 5-59, 2009. Disponível em: https://revistaesa.com/ojs/index.php/esa/article/view/307. Acesso em: 12 abr. 2020.

Downloads

Publicado

21/01/2021

Como Citar

Silva, W. G., & Rassier, L. W. (2021). O corpo dançante ou da tradução em Lavoura arcaica. REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, 2(25), 637–662. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/5293