O abandono do mito da mãe-preta nas obras de Conceição Evaristo

Visualizações: 17

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/revell.v3i36.7777

Palavras-chave:

Literatura afro-brasileira, Conceição Evaristo, Maternidade, Escrevivência

Resumo

A representação da mulher negra desde os primórdios da literatura brasileira vinha sendo feita através de diversos estereótipos. Utilizando a premissa “branca para casar, preta para trabalhar e mulata para fornicar”, diversos mitos foram difundidos dentro da tradição literária. Assim sendo, nesse trabalho é levantado o mito atribuído à mãe-preta que por séculos postulou a infertilidade da mulher negra não sendo apresentada como mãe de seus próprios filhos, e que, quando mãe, deveria renegar os seus para criar os filhos da Casa Grande. Essa ideia vem sendo contestada por meio da literatura afro-brasileira feminina, em que autoras negras, através da escrevivência, conceito cunhado por Conceição Evaristo, estão representando uma nova personagem mãe-negra. Dessa forma, acredita-se ser importante explorar obras que vão de encontro à histórica hegemonia eurocêntrica. Para isso, são propostas análises de duas obras produzidas por Conceição Evaristo, a primeira se trata do poema “Vozes-mulheres”, que foi o primeiro poema da autora publicado nos Cadernos Negros, e a segunda do conto “O sagrado pão dos filhos”, publicado no livro História de leves enganos e parecenças. Para embasar as discussões e analises além de Eduardo de Assis Duarte serão considerados autores que versam sobre a literatura afro-brasileira com os conceitos de Octávio Ianni, Luiza Lobo, e também da própria Conceição Evaristo. Além de Maria Lugones que versa sobre um feminismo descolonial, e Grada Kilomba, Djamila Ribeiro que tratam do lugar de fala do negro dentro da sociedade, dentre outros autores.

Biografia do Autor

Michelly Cristina Lopes, Universidade Federal do Espírito Santo

Mestra em Letras pela Universidade Federal do Espírito Santo – Brasil. Doutoranda em Letras na Universidade Federal do Espírito Santo – Brasil. Bolsista CAPES. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-1365-5300.  E-mail: michellyalveslopes@gmail.com 

Referências

AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. Porto Alegre: L&PM, 2015.

BETTO, Frei. Fidel e a religião. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BÍBLIA. Tradução de João Ferreira Almeida. Rio de Janeiro: King Cross Publicações, 2008. 1110 p. Velho Testamento e Novo Testamento.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2010.

DUARTE, Constância Lima. Gênero e violência na literatura afro-brasileira. LiteAfro. Disponível em: <http://www.letras.ufmg.br/literafro/arquivos/artigos/teoricos-conceituais/ArtigoConstancia1generoeviolencia.pdf> Acesso em: 03 de jun. de 2019.

DUARTE, Eduardo de Assis. Mulheres marcadas: literatura, gênero, etnicidade. Revista SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 13, n. 25, p. 63-78, 2º sem. 2009. Disponível em: < http://www.uel.br/pos/letras/terraroxa/g_pdf/vol17A/TRvol17Aa.pdf> Acesso em: 02 de jun. de 2019

EVARISTO, Conceição. Poemas da recordação e outros movimentos. Belo Horizonte: Nandyala, 2008.

EVARISTO, Conceição. Da representação à auto-apresentação da mulher negra na literatura brasileira. 2009a

EVARISTO, Conceição. Questão de pele para além da pele. In: RUFFATO, Luiz (org.). Questão de Pele. 2009b

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma voz quilombola na literatura brasileira. In: PEREIRA, Edimilson de Almeida (Org.). Um tigre na floresta de signos - Estudos sobre poesia e demandas sociais no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2010, p. 132 - 142.

PEREIRA, Edimilson de Almeida. História de leves enganos e parecenças. Rio de Janeiro: Malê, 2016.

GUIMARÃES, Bernardo. A Escrava Isaura. 5. ed. São Paulo: Editora, Melhoramentos, 1963.

IANNI, Octavio. Literatura e consciência. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. Ed. 28. São Paulo, 1988.

KILOMBA, Grada. “The Mask” In: Plantation Memories: Episodes of Everyday Racism. Münster: Unrast Verlag, 2. Edição, 2010. Tradução de Jessica Oliveira de Jesus.

LOBATO, Monteiro. Reinações de Narizinho. 48. ed. São Paulo: Brasiliense, 2005.

LOPES, Michelly Cristina Alves. MARTINELI FILHO, Nelson. A escre(vivencia) presente em Maria Firmina dos Reis e Conceição Evaristo: Uma analise dos contos “A escrava” e “Maria”. REVELL v.3, nº20, 2018. Disponível em: <https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/3164> Acesso em: 04 de jun. de 2019.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, 22(3): 320, setembro-dezembro/2014

LUIZA LOBO, “A Pioneira Maranhense Maria Firmina dos Reis” in Estudos Afro-Asiáticos, RJ - nº 16 – 1989. Disponível em: < http://www.revistas2.uepg.br/index.php/muitasvozes/article/download/6400/pdf_146> Acesso em: 04 de jun. de 2019.

NASCIMENTO, Jorge Luiz do. Violência policial, racismo e resistência: notas a partir da MPB. In: REVISTA CONTEXTO: Dossiê Literatura, Resistência e Utopia. n. 35 (2019). Disponível em: <http://periodicos.ufes.br/contexto/issue/view/952> Acesso em:15 de Mai 2020.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento Justificando, 2017.

VASCONCELOS, Vania Maria Ferreira. No colo das Iabás: Raça e gênero em escritoras afro-brasileiras contemporâneas. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Literatura do Departamento de Teoria Literária e Literaturas da Universidade de Brasília. 2014, 228p. . Disponível em: < http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/16641/1/2014_VaniaMariaFerreiraVasconcelos.pdf> Acesso em: 04 de jun. de 2019.

Downloads

Publicado

2024-07-10

Como Citar

LOPES, Michelly Cristina. O abandono do mito da mãe-preta nas obras de Conceição Evaristo . REVELL - REVISTA DE ESTUDOS LITERÁRIOS DA UEMS, [S. l.], v. 3, n. 36, p. 291–315, 2024. DOI: 10.61389/revell.v3i36.7777. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/7777. Acesso em: 22 jul. 2024.