A LEI DE AGROTÓXICOS E SUAS IMPLICAÇÔES NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO - UMA ANÁLISE AMBIENTAL DA EFETIVAÇÃO DA LEI DE AGROTÓXICOS

Beatriz Gomes Aguero Benites, Eliotério Fachin Dias

Resumo


O presente artigo tem por objetivo efetuar breve análise da Lei nº 7.802, de 11 de julho de 1989, denominada “Lei de Agrotóxicos”, além de estudar alguns conceitos, espécies e formas de responsabilização pelo uso e comercialização irregular de substâncias tóxicas ao meio ambiente, e ainda sobre os princípios da prevenção e precaução pelos danos ambientais delas decorrentes. Para a sua consecução, foram realizadas pesquisas bibliográficas em livros, obras, sentenças e julgados, textos jurídicos, artigos científicos e sites de busca, dentre outros. A CF/1988 assegura a todos o direito de fiscalizar e denunciar qualquer infração ambiental, não somente, em relação ao uso e à comercialização, mas, também, em relação ao descarte incorreto das embalagens, muitas vezes jogadas, em locais inadequados, colocando em risco os corpos d’água e outros recursos naturais.

Palavras-Chave: Agrotóxicos; Danos Ambientais; Prevenção; Precaução.

BSTRACT:The purpose of this article is to provide a brief analysis of Law No. 7,802 of July 11, 1989, entitled "Agrochemicals Law", in addition to studying some concepts, species and forms of liability for the illegal use and marketing of toxic substances environment, as well as the principles of prevention and precaution for the environmental damages resulting from them. To achieve this, bibliographic research was carried out on books, works, judgments and judgments, legal texts, scientific articles and search sites, among others. CF / 1988 assures everyone the right to inspect and denounce any environmental infraction, not only in relation to use and marketing, but also in relation to improper disposal of packaging, often thrown in inappropriate places, water bodies and other natural resources.

Texto completo:

PDF

Referências


ARMANDO, Frederico. Direito Ambiental Esquematizado. Salvador/BA: Método 2011.

BECK, Ulrich. Sociedade de Risco – Rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34, 2011.

BRASIL, Lei nº 6.938, de 31 de Agosto de 1981. Disponível em: Acesso em: 1º Out.2018.

BRASIL, Lei nº 7,802, de 11 de Julho de 1989. Disponível em: Acesso em: 1º Out.2018.

BRASIL, Lei nº 9,605, de 12 de Fevereiro de 1998. Disponível em: Acesso em: 1º Out.2018.

BRASIL, Instrução Normativa nº 4, de 18 de Fevereiro de 2009. Disponível em: Acesso em: 1º Out.2018.

BRASIL, Decreto nº 4.074, de 4 de Janeiro de 2002. Disponível em: Acesso em: 1º Out.2018.

BRASIL, Decreto nº 99.274, de 6 de Junho de 1990. Disponível em: http http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/antigos/d99274.htm. Acesso em: 1º Out.2018.

BRASIL, Decreto nº 3.179, de 21 de Setembro de 1999. Disponível em: Acesso em: 1º Out.2018.

BRASIL, Decreto nº 6.514, de 22 de Julho de 2008. Disponível em: http http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Decreto/D6514.htm. Acesso em: 01 de outubro de 2018.

BRASIL, Resolução CONAMA nº 334, de 18 de Fevereiro de 2009. Disponível em: Acesso em: 1º Out.2018.

CODONHO, Maria Leonor P. Cavalcante. Desafios para a concretização da agricultura sustentável no Brasil. São Paulo: Editora Inst. O direito por um planeta Verde, 2014.

COSTA, Geovana Specht Vital. Da regulamentação dos Agrotóxicos. Disponível em Acesso em: 29 Set.2018.

COSTA, Kalleo Castilho. Ação popular e ação civil pública. Disponível em: . Acesso em: 29 Set.2018

DERANI, Cristiane. Direito Ambiental Econômico. 3. ed . São Paulo: Saraiva 2008. FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. São Paulo: Saraiva 2013

GRANZIERA, Maria Luiza, Direito Ambiental, 3. Ed. São Paulo: Atlas, 2014.

LEITE, José. et al. Dano Ambiental na Sociedade de Risco. São Paulo: Saraiva 2012.

MACHADO, Paulo Afonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2014

MELLO, Celso Antônio Bandeira. Conteúdo Jurídico do Princípio da Igualdade: Fator de diferenciação elencados pela lei. São Paulo: Malheiros, 2002.

MILARÉ, Édis. Direito do Ambiente: A gestão ambiental em foco. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011

MOTA, Maurício. Princípio da precaução no Direito Ambiental: uma construção a partir da razoabilidade e da proporcionalidade. Revista de Direito do Estado, n. 4, São Paulo, Revista dos Tribunais, 2006.

NUNES, José Luiz da Silva. Defensivos Agrícolas Registrados. Porto Alegre, 2016. Disponível em: Acesso em: 29 Set.2018.

SAMPAIO, F. J. M. Responsabilidade Civil e Reparação dos Danos ao Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 1998

SARLET, Ingo Wolfgang. Princípios do Direito Ambiental. São Paulo: Saraiva, 2014.

SILVA, Mariele Cristina Martins; BORBATO, Caique de Oliveira. A aplicabilidade do Princípio da Precaução diante do controle e uso de agrotóxicos. 2014. Disponível em: Acesso em: 29 set.2018

SILVA, De Plácido e. Dicionário Jurídico Conciso. 1. ed. Rio de janeiro: Editora Forense, 2008. 749p.

SOUZA, Larissa Camapum. Responsabilidade Civil por Danos à Saúde decorrentes do Uso de Agrotóxicos no Ambiente Rural. Goiânia, 2017. Disponível em: Acesso em: 29 Set.2018

SUNSTEIN, Cass. Para além do princípio da precaução. Interesse Público, Sapucaia do Sul, 2006. Disponível em: Acesso em: 29 Set.2018

VAZ, Paulo Afonso Brum. O Direito Ambiental e os Agrotóxicos: responsabilidade civil, penal e administrativa. Porto Alegre; Livraria do Advogado, 2006.

VIEGAS, Eduardo Coral. Princípio da Prevenção no Direito Ambiental repercute no exame das tutelas provisórias. Porto Alegre, 2017. Disponível em: Acesso em: 1º Out.2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN - 2318-7034

Curso de Graduação em Direito e Especialização em Direitos Difusos e Coletivos da UEMS - Unidade Universitária de Dourados

Núcleo de Estudos e Pesquisas em Direito, Estado, Constituição e Direitos Fundamentais e Humanos - UEMS