O ARCABOUÇO CONCEITUAL DO ESTADO DE EXCEÇÃO EM GIORGIO AGAMBEN: UM DIÁLOGO COM CARL SCHMITT E WALTER BENJAMIN

Visualizações: 208

Autores

  • Elger Mendes dos Santos Universidade Federal do Piauí

Resumo

Abordaremos neste trabalho a existência de um verdadeiro diálogo intelectual entre dois grandes teóricos de suma importância para o pensamento agambeniano. O diálogo que nos referimos aqui, é a reflexão entre Carl Schmitt é Walter Benjamin. Teremos como ponto de referência para alcançarmos nossos objetivos a obra O estado de exceção de 2003 de Giorgio Agamben. Portanto, o que está em questão é um dispositivo utilizado constantemente pelos governos na política contemporânea que é denominado estado de exceção, (mas também entre violência e direito), no qual o soberano é quem tem o total poder e liberdade para utilizá-lo de acordo com seu intento e interesse, pois o poder de decidir a ele cabe.

Referências

ABBAGNANO. Nicola. Dicionário de filosofia. Tradução da 1ª edição brasileira coordenada e revisada por Alfredo Bossi; revisão da tradução e tradução dos novos textos Ivone Castilho Benedetti. 6ª. ed. São Paulo: Editora WMF Martin Fontes, 2012. p. 1027-1028.

__________. Estado de exceção. Trad. de Iraci D. Poleti. 2ª. ed. São Paulo: Boitempo. 2004.

ALMEIDA FILHO, Agassiz. 10 lições sobre Carl Schmitt. 2ª. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

ARENDT, Hannah. Sobre a violência. Tradução André Duarte. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

BARBOSA. Jonnefer F.. A crítica da violência de Walter Benjamin: implicações histórico-temporais do conceito de reine Gewalt. Revista Filos., Aurora, Curitiba, v. 25 n. 37, p. 151-169, jul./dez. 2013.

BARROS, Alberto Ribeiro G. de Sousa. 10 lições sobre Bodin. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama barroco alemão. Tradução, apresentação e notas: Sergio Paulo Rouanet. Ed. Brasiliense, 1984, p. 88-90.

__________. Documentos de cultura, documentos de barbárie: escritos escolhidos. Seleção e apresentação Willi Bolle. Tradução Celeste H. M. Ribeiro de Sousa et alii. São Paulo: Cultrix. Editora da Universidade de São Paulo. 1986.

BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. Tradução dos originais mediante a versão dos Monges de Maredsous (Bélgica) pelo Centro Bíblico Católico. São Paulo: Editora Ave Maria, 80ª. ed. 1991.

CARVALHO, José de Anchieta Arrais de. Poder soberano: biopolítica, direito, exceção e soberania. Teresina: Editora e Livraria Nova aliança. 2018.

D‘URSO, Flávia. Perspectivas sobre a soberania em Carl Schmitt, Michel Foucault e Giorgio Agamben. São Paulo, PUC, 2014. Tese (Doutora em Filosofia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2014.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Mini Aurélio: o dicionário da língua portuguesa. 8ª. ed. Curitiba: Positivo, 2010.

JAPIASSÚ, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de filosofia. 4. ed. atual. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

LEUTÉIRO, Alex Pereira. Estado de exceção na obra de Giorgio Agamben: da participação da vida à comunidade que vem. São Paulo, PUC, 2014. Dissertação (Mestrado em Direito) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2014.

Downloads

Publicado

2021-06-26

Como Citar

Santos, E. M. dos. (2021). O ARCABOUÇO CONCEITUAL DO ESTADO DE EXCEÇÃO EM GIORGIO AGAMBEN: UM DIÁLOGO COM CARL SCHMITT E WALTER BENJAMIN. REVISTA JURÍDICA DIREITO, SOCIEDADE E JUSTIÇA, 7(10). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/RJDSJ/article/view/5123