DELAÇÃO PREMIADA: O prêmio que condena.

Visualizações: 332

Autores

  • Victor Cunha de Moraes Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN)
  • Ewerton Brito de Araújo Centro Universitário da Grande Dourados – UNIGRAN

Resumo

O presente trabalho aborda de forma breve sobre a temática delação premiada. A Delação Premiada ou também conhecida pela legislação brasileira como Colaboração Premiada, segundo estudiosos da área teve sua origem no ano de 2013 através de uma lei que trouxe diversas inovações ao instituto visando o combate ao crime organizado, dando a oportunidade para um dos acusados em delatar sobre planos delituosos do grupo oferecendo-lhe em troca benefícios penais. O trabalho tem por objetivo proporcionar à comunidade acadêmica e jurídica uma melhor visão da Lei n.º 12.850/2013, conhecida como Lei Anticorrupção, com enfoque nos desafios e expectativas no Brasil. Trata-se de um assunto complexo, pois, quem colabora com a justiça (delator) é tido como uma pessoa que auxilia nas investigações policiais, esclarece crimes, salva vítimas, e do lado contrário este ato é considerado abominável, imoral, antiético, considerando o delator como um ser indigno de confiança. O trabalho analisou a origem, conceito, bom emprego nas legislações brasileiras e seus requisitos para admissão da delação no ordenamento jurídico brasileiro. Ao final, concluiu como cerne, os desafios da delação premiada no campo da nova Lei das organizações criminosas, demonstrando o impulso que o crime organizado teve pelo meio da delação.

 

Palavras-chave: Benefício. Delação. Prêmio. Provas.

Biografia do Autor

Victor Cunha de Moraes, Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN)

Discente do Curso de Direito do Centro Universitário da Grande Dourados/MS – UNIGRAN

Ewerton Brito de Araújo, Centro Universitário da Grande Dourados – UNIGRAN

Mestre em Direito Processual e Cidadania pela UNIPAR. Possui graduação e especialização em Direito pelo Centro Universitário da Grande Dourados. Advogado Criminalista. Experiencia na área de Defesa, Administração Pública no Âmbito do Exército, Licitações e Contratos, Direito Penal e Processual Militar, Auditoria e, docência em Direito Penal, Processo Penal e Legislações Social. Atualmente é Professor de Processo Penal do Centro Universitário da Grande Dourados – UNIGRAN

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ACQUAVIVA, Marcus Cláudio. Dicionário Jurídico. São Paulo: Rideel, 2008.

BRASIL. Código Penal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decretolei/del2848compilado.htm>. Acesso em: 22 de outubro de 2019.

BRASIL. Código de Processo Penal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del3689.htm>. Acesso em: 22 de outubro de 2019.

BRASIL, Lei nº 7.492, de 16 de junho de 1986. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7492.htm>. Acesso em: 28 de outubro de 2019.

BRASIL (a), Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8072.htm>. Acesso em: 22 de outubro de 2019.

BRASIL (b), Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8137.htm>. Acesso em: 28 de outubro de 2019.

BRASIL. Lei nº 9.034 de 03 de maio de 1995. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9034.htm. Acesso em: 22 de outubro de 2019.

BRASIL. Lei nº 9.613 de 03 de março de 1998. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9613.htm>. Acesso em: 22 de outubro de 2019.

BRASIL. Lei nº. 9.807 de 13 de julho de 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9807.htm>. Acesso em: 22 de outubro de 2019.

BRASIL. Lei nº. 11.343 de 23 de agosto de 2006. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm>. Acesso em: 22 de outubro de 2019.

BRASIL. Lei nº. 12.850, de 02de agosto de 2013. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12850.htm>. Acesso em: 22 de outubro de 2019.

BUSATO, Paulo César; BITENCOURT, Cezar Roberto. Comentários à Lei de Organização criminosa – Lei 12.850/2013. São Paulo: Saraiva 2014.

CAPEZ, Fernando. Curso de processo penal, 7. ed., Saraiva, 2001.

DIPP, Gilson Langaro. A delação ou colaboração premiada: uma análise do instituto pela interpretação da lei. Brasília, IDP 2015

GAZZOLA, Gustavo dos Reis. Delação Premiada. In: GOMES, Luiz Flávio, CUNHA, Rogério Sanches e TAQUES Pedro. Limites Constitucionais da Investigação. São Paulo: RT. 2009.

JESUS, Damásio de. Delação Premiada. Revista Justilex. Brasília, fevereiro de 2006.

MELO, Valber e NUNES, Felipe Maia Broeto. Colaboraçao Premiada – aspectos controvertidos. Ed. Lumen Juris.

MENDONÇA, Andrey Borges de. A colaboração premiada e a nova Lei do Crime organizado (Lei 12.850/2013). Vol. 4: Custos legis, 2013.

NUCCI, Guilherme de Souza. O valor da confissão como meio de prova.

________. Organização Criminosa. 3. ed. Ed. Forense. 2017.

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Processo Penal e Execução Penal. 7. ed. São Paulo: Editora Revistas dos Tribunais, 2011.

NUCCI, Guilherme de Souza. Código Penal Comentado. 10. ed. Revista, atualizada e ampliada. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

NUCCI, Guilherme de Souza. Leis penais e processuais penais comentadas, 4. ed.,ver.,atual.e ampl.São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

OLIVEIRA, Mon Raniery de, A delação premiada e sua aplicação na operação lava jato.

SOUZA, Fátima. Como funciona a delação premiada. Infoescola, 2016.

Downloads

Publicado

2021-06-17

Como Citar

de Moraes, V. C., & Araújo, E. B. de. (2021). DELAÇÃO PREMIADA: O prêmio que condena. REVISTA JURÍDICA DIREITO, SOCIEDADE E JUSTIÇA, 7(10). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/RJDSJ/article/view/5506