DIREITO COLABORATIVO: É PRECISO ACHATAR A CURVA DE CRESCIMENTO DAS AÇÕES JUDICIAIS NO BRASIL

Visualizações: 537

Autores

  • Audir Martins Carvalho Junior Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)
  • Geovane Aparecido Lins Arcanjo Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)
  • Gustavo Galileu Martins Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)
  • Gustavo Lennon Ribas Borges Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)
  • Gyovana Santos de Jesus Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)
  • Prycilla Lorena Nishikawa Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)
  • Roberto Tagares Mota Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)
  • Ruy Barbosa Filho Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)
  • Thiago Quirino da Silva Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)
  • Loreci Gottschalk Nolasco Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).

Resumo

RESUMO: A garantia que tange na Constituição Federal, concernentes ao acesso à Justiça sofre solapadas em decorrência da precarização do poder judiciário por conta de fatores como uma estrutura ainda deficitária, somada ao quesito de inúmeros processos judicializados, os quais levam anos e até décadas para a resolução do mérito, o que corrobora na sobrecarga, inflamando os órgãos com pedidos que poderiam ser resolvidos através de meio alternativos de soluções de conflitos, assim, tornando a situação morosa ao Poder Judiciário. Formas alternativas de resolução de lides, tais quais conciliação, mediação, negociação, arbitragem, bem como o método conciliativo de resolução de conflitos, são soluções viáveis para encarar a problemática supramencionada; e ampliar o processo de democratização da Justiça, e da democracia participativa, proporcionando oportunidade de protagonismo a população na resolução de seus litígios sem a intervenção de um magistrado. Os destaques à conciliação encontram-se positivados no Código de Processo Civil, aferindo a figura do advogado e do próprio Poder Judiciário uma postura de incentivo ao novo modelo descrito, uma vez os institutos de consultoria e assessoria jurídica, que necessitam de pouco aparato estatal, fazem com que o processo seja mais célere, amigável e parta de vias consensuais, não havendo relações contratuais em detrimento de uma das partes, proporcionando uma advocacia preventiva, resistindo ao apelo do Poder Judiciário para a resolução de óbices simplórios. Ademais, os mercados e a tecnologia viabilizam a garantia à rapidez do trâmite processual, implementando inteligências artificiais capazes de proporcionar julgamentos centenas de vezes mais rápidos que um serventuário comum, garantindo o pleno desenvolvimento do conteúdo constitucional ao passo que confere razoável duração dos processos contribuindo substancialmente para a redução da quantidade de casos levados ao Poder Judiciário e a diminuição do tempo de espera necessário para que se atinja a conclusão e solução do litigio. O mercado viabiliza a celeridade pois a própria lógica do sistema econômico faz com que o advogado e o prestador de serviços jurídicos busquem formas mais eficientes para a redução do tramite processual, visando, então os métodos já descritos somados com a tecnologia e a inovação diária. A tecnologia, muitas vezes somada a lógica de mercado, faz com que haja inovações, como mecanismos de resolução automáticas (inteligência artificial). Entretanto, no mesmo modo em que as tecnologias acabam por ajudar no achatamento da curva de crescimento das ações judiciais brasileiras, elas geram novos desafios e necessidades aos juristas e a todo mecanismo jurídico para tornarem-se aptos.

Biografia do Autor

Audir Martins Carvalho Junior, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Discente da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Geovane Aparecido Lins Arcanjo, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Discente da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Gustavo Galileu Martins, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Discente da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Gustavo Lennon Ribas Borges, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Discente da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Gyovana Santos de Jesus, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Discente da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Prycilla Lorena Nishikawa, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Discente da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Roberto Tagares Mota, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Discente da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Ruy Barbosa Filho, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Discente da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Thiago Quirino da Silva, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Discente da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Loreci Gottschalk Nolasco, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).

Doutora em Biotecnologia e Biodiversidade pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Mestre em Direito pela Universidade de Brasília (UnB). Docente e Pesquisadora do quadro efetivo do Curso de Direito da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).

Referências

AMARAL, Thiago. Unicórnios Brasileiros: Conheça as startups brasileiras avaliadas em mais de U$ 1 bilhão. AAA Inovação. Disponível em: <https://blog.aaainovacao.com.br/unicornios-brasileiros/%3E. Acesso em 14 de setembro de 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 05 de outubro de 1988.

_______. Lei nº 11.419, de 19 de dezembro de 2006. Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei nº 5.869, de 11 de janeiro de 1973 – Código de Processo Civil; e dá outras providências. Planalto. 2006.

_______. Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015: Código de Processo Civil. 2015.

_______. Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995. Dispõe sobre os Juizados Especiais Cíveis e Criminais e dá outras providências. Planalto. 1995.

_______. Lei nº 9.307, de 23 de setembro 1996. Lei da Arbitragem. Diário Oficial da União, Brasília, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9307.htm>. Acesso em: 04 set. 2020.

BRUNET, E. The core values of arbitration. Arbitration law in America: a critical assessment. New York: Cambridge University, 2006, p. 328.

CABRAL, Marcelo Malizia. OS MEIOS ALTERNATIVOS DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS: INSTRUMENTOS DE AMPLIAÇÃO DO ACESSO À JUSTIÇA. COLEÇÃO ADMINISTRAÇÃO JUDICIÁRIA. VOLUME XIV. 2013.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à justiça. Porto Alegre: Sergio Fabris, 1988.

INFOMONEY. Criptomoedas: Um guia para dar os primeiros passos com as moedas digitais. Disponível em: <https://www.infomoney.com.br/guias/criptomoedas/#guia-o-que-sao-criptomoedas>. Acesso em: 14 set. 2020.

DINIZ, Eduardo Henrique. Emerge uma nova tecnologia disruptiva. GV EXECUTIVO. v. 16, n. 2, p. 46-50, mai. 2017.

GUANDALINI, Bruno. Negociação, Mediação e Arbitragem como mecanismos eficientes para soluções de divergências contratuais decorrentes do evento pandemia da covid-19. Migalhas, 2020. Disponível em: <https://www.migalhas.com/artigos>. Acesso em: 21 de Agosto de 2020.

FREGAPANI, Guilherme Silva Barbosa. Formas alternativas de solução de conflitos e a Lei dos Juizados Especiais Cíveis. Brasília a. 34 n. 133 jan./mar. 1997.

IA (Brasil). Big Data: o que é, como aplicar, a importância e exemplos. 2018. Disponível em: https://fia.com.br/blog/big-data/. Acesso em: 14 set. 2020.

IX TURMA DE DIREITO. Faculdade de Barretos. Métodos Adequados para Solução de Conflitos. Barretos: Faculdade Barretos, 2018.

LAUROSOLLERO. Tecnologia disruptiva: o que é e como se aplica aos negócios. 2019. Disponível em: <https://mutant.com.br/blog/tecnologia-disruptiva-o-que-e-e-como-se-aplica-aos-negocios/>. Acesso em: 14 set. 2020.

LEAL JÚNIOR, João Carlos. Morosidade do judiciário e os impactos na atividade empresarial. ed. Curitiba: CRV, 2015.

LIMA, Evandro Souza e; PELAJO, Samantha. A mediação nas ações de família. In. ALMEIDA, D. A. R. de; PANTOJA, F. M.; PELAJO, S. (Coord.). A mediação no novo código de processo civil. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

LÔBO, Paulo. Comentários ao Estatuto da Advocacia e da OAB. 5 ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

LOPEZ, I.; MIRANDA, F. A Conciliação nos Juizados Especiais Cíveis. Disponível em: Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania. Vol. 1, nº 1, 2010.

MEDINA, José Miguel Garcia. Direito processual civil moderno. 3 ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2017.

MENDES, Evellyn de Salles. Os Impactos da Indústria 4.0 na Advocacia Brasileiro. 2020. 56 f. TCC (Graduação) - Curso de Direito, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Dourados, 2020.

MINGHINI, Paula Heugênia; LIGERO, Gilberto Notário. Meios Alternativos de Resolução de Conflitos: Arbitragem, Conciliação, Mediação. Disponível em:< https://www.intertemas.unitoledo.com/revista>. Acesso em: 21 de Agosto de 2020.

MONTENEGRO, Manuel Carlos. Morosidade da Justiça é a principal reclamação recebida pela Ouvidoria do CNJ. Agência CNJ de Notícias. 01 out. 2014. Disponível em: <https://www.cnj.jus.br/morosidade-da-justica-e-a-principal-reclamacao-recebida-pela-ouvidoria-do-cnj/>. Acesso em: 02 ago. 2020.

MOZETIC, Vinicius Almada. A Hermenêutica Jurídica (Crítica) da Tecnologia Pós-Moderna. Empório do Direito. 2018. Disponível em: <https://emporiododireito.com.br/leitura/a-hermeneutica-juridica-critica-da-tecnologia-pos-moderna>. Acesso em: 20 de jul. de 2020.

NASCIMENTO, Maria Cândida Simon Azevedo; ENGELMANN, Wilson. Nanotecnologia e direito: da estrutura jurídica tradicional ao diálogo entre as fontes do direito. Revista do Programa de Pós-graduação em Direito da UFC. V. 37.1. p. 199-221. Jan./jun. Ano: 2017.

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL – Porto Alegre. Novo código de processo civil anotado. ed. Rio Grande do Sul: OAB RS. 2015.

RODRIGEUS, Marco Antonio dos Santos. Arbitragem e Fazenda Pública. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/redp/article/viewFile/14545/15865. Acesso em: 03/09/2020.

SADEK, M.; ARANTES, R. A crise do Judiciário e a visão dos juízes. Revista USP, n. 21, p. 34-45, 30 maio 1994. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/26934>. Acesso em 29 de julho de 2020.

SALES, Lilia Maia de Moraes e CHAVES, Emmanuela Carvalho Cipriano. Mediação e Conciliação Judicial: A Importância da Capacitação e de seus Desafios. Scielo, 2014.

SALES, Lilia Maia de Moraes. Educação em Direitos Humanos: Fortaleza: Expressão gráfica Editora, 2007.

SALES, Lilia Maia de Morais; Chaves, Emmanuela Carvalho Cipriano. CONFLITO, PODER JUDICIÁRIO E OS EQUIVALENTES JURISDICIONAIS: MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO. Revista da AJURIS – v. 41 – n. 134 – Junho 2014.

SILVA. Alessandra Gomes do Nascimento. Técnicas de Negociação para Advogados. São Paulo: Saraiva, 2002. P.2

SILVA, Edison Z. A nanociência: a próxima grande ideia. Revista USP. São Paulo. p. 78-87. Ano: dez./fev., ano 2007-2008

SILVA, Rosane Leal da; FAVERA, Rafaela BolsonDalla; OLMOS, Olívia Martins de Quadros. A responsabilidade civil dos principais cloud computing providers em razão da perda de arquivos. Revista da Faculdade de Direito UFPR, Curitiba, PR, Brasil, v.63, n.2, p. 89-113, ago. 2018. ISSN 2236-7284.

SOARES, Fabricio Zambra. GLOBALIZAÇÃO E MEIOS ADEQUADOS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS: Da importância da arbitragem para as empresas transnacionais. Disponível em:<https://bibliodigital.unijui.edu.br:8443/xmlui/bitstream/handle/123456789/4397/Fabr%c3%adcio%20Zambra%20Soares.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 03/09/2020.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Presidente do Supremo apresenta ferramentas de inteligência artificial em Londres. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=422699>. Acesso em 30 de julho de 2020.

TARTUCE, Fernanda. Negociação, Mediação, Conciliação e Arbitragem. Curso de métodos adequados de solução de controvérsias.3 ed. Rio de Janeiro: Forense,2020. 292p.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS. Uso de inteligência artificial no TJDFT é destaque em matéria da TV Globo. Disponível em: <https://www.tjdft.jus.br/institucional/imprensa/noticias/2019/junho/uso-de-inteligencia-artificial-no-tjdft-e-destaque-em-materia-da-tv-globo>. Acesso em 14 de setembro de 2020.

TUTIDA, Daniel. O crescimento da economia sob demanda. Disponível em: <https://bityli.com/REq0u>. Acesso em: 14 set. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS. O futuro é nano – Saiba mais sobre pesquisas com nanotecnologia. Revista ciência em prosa. Ano: 2018. Disponível em: <https://ufla.br/noticias/pesquisa/12155-o-futuro-e-nano>. Acesso em: 14 de set. de 2020.

WATANABE, Kazuo. Mediação como política pública social e judiciária. - Mediação e Conciliação - Revista do Advogado nº 123. São Paulo: Revista do advogado, 2014.

Downloads

Publicado

2021-06-17

Como Citar

Carvalho Junior, A. M., Arcanjo, G. A. L., Martins, G. G., Borges, G. L. R., Jesus, G. S. de, Nishikawa, P. L., … Nolasco, L. G. (2021). DIREITO COLABORATIVO: É PRECISO ACHATAR A CURVA DE CRESCIMENTO DAS AÇÕES JUDICIAIS NO BRASIL. REVISTA JURÍDICA DIREITO, SOCIEDADE E JUSTIÇA, 7(10). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/RJDSJ/article/view/6399

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>