HORA CIDADÃ: EFETIVIDADE DO PROGRAMA PERANTE A SOCIEDADE

Autores

  • SOFIA MARA DE SOUZA UNIVERSIDADE DE GURUPI (UNIRG)
  • ANTONIO JOSÉ ROVERONI UNIVERSIDADE DE GURUPI (UNIRG)
  • ROBSON DE AQUINO SAMPAIO UNIVERSIDADE DE GURUPI (UNIRG)

Palavras-chave:

Cidadania, Extensão Universitária., Efetividade, Avaliação

Resumo

O Programa Hora Cidadã é um Projeto de Extensão da Universidade de Gurupi (UnirG), criado por professores da própria instituição com o intuito de promover interação entre universidade e sociedade. O programa é transmitido em rádio desde 2012, onde em cada encontro são abordados temas diversos. Diante disso, o presente estudo teve objetivo em constatar a efetividade desse perante a sociedade, por entender ao completar 10 anos de existência ser importante dimensionar as discussões propiciadas. Para realizar esse estudo foi realizada uma análise quali quantitativa exploratória e documental do material produzido pelo projeto. Foram explorados o conjunto de dados extraídos das redes sociais, por meio de técnicas da mineração de dados, e aplicada a análise qualitativa de conteúdo. Nos resultados, foi possível averiguar a ocorrência e relevância dos termos de cada programa sob diferentes enfoques, o que evidenciou efetividade satisfatória. Dentre os pontos positivos encontra-se gama de redes sociais disponíveis para interação entre os indivíduos e a utilização dos conteúdos em projetos de extensão e disciplinas da universidade vinculada. Entretanto, foi possível verificar uma pequena participação da comunidade na rede social YouTube, o que impõe uma maior atenção a ampliação de comunicação nessa rede social.

Biografia do Autor

SOFIA MARA DE SOUZA, UNIVERSIDADE DE GURUPI (UNIRG)

Mestrado em Ciência da Computação pela Universidade de Campinas (UNICAMP); Docente do curso de Direito da Universidade de Gurupi (UNIRG).

ANTONIO JOSÉ ROVERONI, UNIVERSIDADE DE GURUPI (UNIRG)

Mestrado em Direito pelo Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL); Docente do Curso de Direito da Universidade de Gurupi (UNIRG).

ROBSON DE AQUINO SAMPAIO, UNIVERSIDADE DE GURUPI (UNIRG)

Graduando do Curso de Direito pela Universidade de Gurupi (UNIRG)

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. 17ª edição, revista e ampliada. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2016.

DEMO, Pedro. Participação é conquista. 6º ed. Editora: Cortez, 2013.

DI FELICE, Massimo; PEREIRA, Eliete; ROZA, Erick. Net-ativismo. Campinas: Papirus, 2017.

GABRIEL, M. Marketing na era digital. Conceitos, plataformas e estratégias. Novatec: São Paulo, 2017.

GRÜNE, Carmela. Participação cidadã na gestão pública: A experiência da escola de samba de Mangueira.1º ed. Editora: Saraiva Jur, 2012.

LAUDON, K.; LAUDON, J. Sistemas de informação gerenciais. Tradução: Luciana do Amaral Teixeira. 9. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2018.

MARTELETO, Regina M. Análise de redes sociais – aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação. Brasília, v. 30, n. 1, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010019652001000100009&lng=pt&nrm=isso. Acesso em: 02 out. 2021.

MENDES, Daniel Henrique Bini; CAVEDON, Fernanda de Salles. Ação popular ambiental e acesso à justiça. Revista de Direitos Difusos, nº 30. São Paulo: IBAP, 2015.

MENESES, María Piedad Rangel; CASTELLA SARRIERA, Jorge. Redes sociais na investigação psicossocial. Aletheia, Canoas, n. 21, jun. 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141303942005000100006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 03 out. 2021.

NOLASCO, Lincoln. Evolução histórica da previdência social no Brasil e no mundo. Âmbito Jurídico, Rio Grande, XV, n. 98, mar 2012. Disponível em: http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=11335. Acesso em: 04 out. 2021.

PEREIRA, Jane Reis Gonçalves. Interpretação constitucional e direitos fundamentais: uma contribuição ao estudo das restrições aos direitos fundamentais na perspectiva da teoria dos princípios. Rio de Janeiro: Renovar, 2016.

PINTO, Dean Costa. Um estudo da Influência de Redes Sociais no desenvolvimento Estratégias de Marketing. 2012. Disponível em: http://www.espweb.uem.br/site/files/tcc/2010/Dean%20Costa%20Pinto%20-%20Um%20estudo%20da%20influencia%20das%20redes%20sociais%20no%20desenvolvimento%20de%20estrategias%20de%20marketing.pdf. Acesso em: 02 out. 2021.

PISTORI, Débora Scardine da Silva; SOUZA, Fábio José de; PEREIRA, Naraiane Leni. O uso das redes sociais para fins pessoais no Ambiente de Trabalho: uma pesquisa de opinião. 2014. Disponível em: http://www.convibra.com.br/upload/paper/2014/34/2014_34_10140.pdf. Acesso em: 04 out. 2021.

ROCHA, José Claudio. A participação popular na gestão pública do país. 2018. Disponível em: http://conselhos.social.mg.gov.br/conped/images/conferencias/participacaopopular.pdf. Acesso em: 01 set. 2021.

SILVA, Francely Miranda da. A importância da educação na Formação de cidadãos. 2017. Disponível em: https://pedagogiaaopedaletra.com/a-importancia-da-educacao-na-formacao-de-cidadaos/. Acesso em: 04 out. 2021.

SILVA, Sivaldo; BRAGATTO, Rachel; SAMPAIO, Rafael. Democracia digital, comunicação política e redes: teoria e prática. Rio de Janeiro: Folio Digital: Letra e Imagem, 2016.

SPYER, J. Para entender a internet: noções, práticas e desafios da comunicação em rede. São Paulo: Não Zero, 2009.

VILLEY, Michel. O Direito e os Direitos Humanos. 2º ed. Editora: WMF Martins Fontes – POD, 2016.

Downloads

Publicado

01/06/2022

Como Citar

SOUZA, S. M. D., ROVERONI, A. J. ., & SAMPAIO, R. D. A. (2022). HORA CIDADÃ: EFETIVIDADE DO PROGRAMA PERANTE A SOCIEDADE. REVISTA JURÍDICA DIREITO, SOCIEDADE E JUSTIÇA, 9(13), 206–225. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/RJDSJ/article/view/6811