“Claro que eu estou viva. Olha eu aqui” - “Para de representar, Bia!”: a construção da imagem de Bia Falcão, na novela “Belíssima”

Autores

  • Francisco Renato Lima Universidade Federal do Piauí (UFPI) Instituto Dom Barreto (IBD)
  • Safira Ravenne da Cunha Rêgo Universidade Federal do Piauí (UFPI) Universidade Estadual do Maranhão (UEMA)

Palavras-chave:

Análise do Discurso, Bia Falcão, Novela, Imagem, Poder.

Resumo

Esse artigo analisa a construção da imagem da personagem Bia Falcão, na novela Belíssima, exibida pela Rede Globo, entre novembro de 2005 e julho de 2006. A evidência recai sobre os discursos da personagem, em seu retorno à trama, num momento em que havia sido dada como morta. Utilizamos o embasamento teórico da Análise do Discurso (AD), de linha francesa, o que nos permitiu concluir que a imagem da personagem é construída sobre a disputa pelo poder e desejo de se manter superior, o que modifica, inclusive, os rumos convencionais do enredo e a própria interpretação feita pelo público.

Biografia do Autor

Francisco Renato Lima, Universidade Federal do Piauí (UFPI) Instituto Dom Barreto (IBD)

Graduado em Pedagogia pela Faculdade Santo Agostinho (PROUNI - FSA) e em Letras - Português/Inglês pelo Instituto de Ensino Superior Múltiplo (IESM). Especialista em Neuropsicopedagogia Clínica e Educação Especial (IESM). Especialista em Docência para o Ensino Superior (IESM). Especialista em Educação a Distância (UNOPAR). Especialista em Docência no Ensino Superior (FSA). Especializando em Linguística Aplicada na Educação (UCAM). Mestre em Letras - Estudos da Linguagem, pela Universidade Federal do Piauí (UFPI/2016). É membro (sócio efetivo) da ABRALIN (Associação Brasileira de Linguística). Suas pesquisas recentes concentram-se em Educação e Linguagem, com ênfase em temas como: Alfabetização; Letramento: estudos em perspectiva de análise teórica e em práticas sociais localizadas; Linguística Textual; Leitura e Escrita; Ensino e Aprendizagem da Língua Portuguesa; Avaliação Educacional; Formação Docente; Tecnologias educacionais; Multiletramentos e questões relativas à EaD. Com experiência profissional na rede privada e pública de ensino básico e superior. Neste último nível de ensino, principalmente em cursos de formação de professores, de graduação e pós-graduação lato sensu.

Safira Ravenne da Cunha Rêgo, Universidade Federal do Piauí (UFPI) Universidade Estadual do Maranhão (UEMA)

Possui graduação em Letras - Português, pela Universidade Federal do Piauí (2012), especialização em Docência do Ensino Superior, pelo Instituto Superior de Educação Programus e Mestrado em Letras - Estudos da Linguagem, na Linha de Pesquisa: Linguagem e Discurso - Análise e Variação, pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), sob a orientação da Profa. Dra. Maraisa Lopes. É professora do quadro efetivo da Secretaria de Educação do Estado do Maranhão; professora-formadora do Plano de Formação de Professores da Educação Básica (PARFOR), vinculado à Universidade Federal do Piauí; professora substituta do curso de Letras Português, pela Universidade Estadual do MaranhãO e sócia-proprietária do Educandário Santa Sophia, em União-PI. É membro consultivo do NEPAD (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Análise do Discurso).

Downloads

Publicado

28/02/2018

Como Citar

Lima, F. R., & Rêgo, S. R. da C. (2018). “Claro que eu estou viva. Olha eu aqui” - “Para de representar, Bia!”: a construção da imagem de Bia Falcão, na novela “Belíssima”. WEB REVISTA LINGUAGEM, EDUCAÇÃO E MEMÓRIA, 2(13), 107–128. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/WRLEM/article/view/2092