(DES)CONSTRUÇÕES ACERCA DO IMAGINÁRIO DE UMA LÍNGUA HOMOGÊNEA: CONSEQUÊNCIAS E DISCURSIVIZAÇÕES DE UM MITO

Autores

  • Ederson Luis da Silveira FURG/RS

Palavras-chave:

Língua homogênea, Estudos discursivos, Sociologia

Resumo

A língua é um objeto de estudo interessante. Seja por causa de sua organicidade enquanto objeto mutável e fluído, que se transforma (se modificando de acordo com as necessidades dos usuários), seja por sua heterogeneidade, que revela um interior repleto de variações. Contrariando a existência deste organismo, ocorre em nossa sociedade a reprodução de discursos que podam-lhe a essência e a transformam em um objeto concreto, mensurável, reduzido e engaiolado por normas e restrições que acabam por amarrar um ideal de língua “superior”, ora ligado à fala urbana culta dos grandes centros, ora espelhando-se na escrita, onde as mudanças não ocorrem de modo tão significativo quanto em relação à língua falada. Então, quando ocorre a escolha de uma língua que deve ser ensinada (a língua “correta”), isso não ocorre sem consequências. A partir uma discussão fundamentada nos estudos discursivos de Michel Pêcheux, Bakthin e Althusser e nos estudos sociológicos de Pierre Bourdieu, procuraremos discutir o fenômeno de manutenção do(s) discurso(s) que (re)produzem o imaginário de língua homogênea e o que isso acarreta.

Biografia do Autor

Ederson Luis da Silveira, FURG/RS

graduando em Letras Português pela Universidade Federal do Rio Grande- FURG, membro do Grupo de Estudos em Análise do Discurso (GEAD/FURG)

Downloads

Publicado

20/02/2018

Como Citar

Silveira, E. L. da. (2018). (DES)CONSTRUÇÕES ACERCA DO IMAGINÁRIO DE UMA LÍNGUA HOMOGÊNEA: CONSEQUÊNCIAS E DISCURSIVIZAÇÕES DE UM MITO. WEB REVISTA LINGUAGEM, EDUCAÇÃO E MEMÓRIA, 4(4). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/WRLEM/article/view/2437