“Não queria te esgotar em verso nem em prosa”: a composição poética de Caio Fernando Abreu

Bruno Santos Pereira da Silva (Universidade Federal do Rio de Janeiro)

Resumo


Efetivamente, a incumbência de adentrar nas profundezas da alma só caberia a uma alma (e figura) tão profunda, aguda e hermética como a de Caio Fernando Abreu. Capaz de atravessar a si mesmo – e uma existência inteira –, suas linhas e entrelinhas trespassam seus leitores, costurando-os numa teia invisível de (in)compreensão da vida. Este escrito busca explorar a composição poética de Caio F., partindo de suas poesias e também explorando alguns dos seus contos dispostos nas coletâneas O ovo apunhalado (1975), Morangos mofados (1982) e Os dragões não conhecem o paraíso (1989), atentando a intratextualidade e aos temas que circundam suas composições, como o (des)amor e sua fragilidade, suas movimentações e desdobramentos, a repressão da sensibilidade, as ruínas da memórias, a (falta de) esperança, o medo e a morte constante das coisas, a busca eterna por si (compreender) e pelo outro, para se chegar, portanto, à escrita e ao labor poético de Caio Fernando Abreu, que entrelaça toda sua obra, seja ela estruturada em parágrafos, seja em versos.


Palavras-chave


Caio Fernando Abreu; prosa; poesia; intratextualidade

Texto completo:

PDF


ISSN: 2237-8332