A Campanha Nacional de Educandários Gratuitos e os jornais: uma relação de legitimação

Autores

Palavras-chave:

Campanha Nacional de Educandários Gratuitos, Memória, Bourdieu.

Resumo

Este artigo tem como objetivo identificar e compreender a relação entre a Campanha Nacional de Educandários Gratuitos (1943) e os jornais. Esta pesquisa é de caráter bibliográfico e documental, tem como fonte principal as memórias e a historiografia analisadas à luz de estudos historiográficos e sociológicos, em especial que derivam da obra de Pierre Bourdieu. Os elementos constitutivos da legitimação serão evidenciados a partir da memória de Felipe Tiago Gomes (1973) fundador da Campanha no Recife em 1943. Parte-se da suposição de que a CNEG utilizou de jornais e boletins para se legitimar no campo educacional, tendo em vista que os agentes fundadores da Campanha não possuíam capitais no campo, além de usarem outras estratégias como o convite para representantes políticos recifenses visitarem a Campanha.

Biografia do Autor

Abigail Ferreira Alves Astofe, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul -UFMS

Mestranda em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Possui graduação em Pedagogia - Licenciatura, pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS. Membro e pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Antropologia e Educação - GEPASE. Foi bolsista de Iniciação Científica /CAPES, no projeto " Oliva Enciso: Mulher, Intelectual, Política e Precursora do Ensino Secundário no Sul de Mato Grosso" sob orientação da Profª Drª Jacira Helena do Valle Pereira Assis. 

Downloads

Publicado

15/01/2019

Como Citar

Astofe, A. F. A. (2019). A Campanha Nacional de Educandários Gratuitos e os jornais: uma relação de legitimação. WEB REVISTA LINGUAGEM, EDUCAÇÃO E MEMÓRIA, 15(15), 132–147. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/WRLEM/article/view/2997