As águas da temporalidade: As várias representações temporais na construção da ambiguidade em nas águas do tempo, de Mia Couto

Autores

  • Erick Camilo da Silva Gouveia Universidade de Pernambuco

Palavras-chave:

tempo, narrativa, Mia Couto, Moçambique,

Resumo

O presente trabalho tece um estudo do conto Nas águas do tempo, pertencente ao livro de contos
Estórias abensonhadas, do moçambicano Mia Couto, acerca de como se apresentam as diversas representações
do tempo configuradas nesta narrativa. A linha de pensamento norteadora de nosso estudo parte do pensamento
de Paul Ricoeur e das reflexões de Benedito Nunes no que concerne a representação do tempo em suas diversas
modalidades através da narrativa. No entanto, por esta narrativa estar inserida em um contexto sócio-econômicocultural divergente do pensamento ocidental – no que se refere à concepção do tempo –, são imprescindíveis as
reflexões de Leda Maria Martins acerca do tempo espiralado e de Eliana Lourenço de Lima Reis no que se refere
ao paradigma do pensamento africano. Neste conto, representações distintas do tempo – incluindo-se as variadas
formas de uma mesma espécie de tempo – operam como fundamentação última da ambiguidade aqui presente,
bem como o confronto de experiências-limite destas representações temporais. Assim, o conto nos traz visões de
mundo opostas com o escopo de construir uma visão mais ampla, abarcando em si uma diversidade cultural,
pois, ao remeter a realidades distintas, não excluindo nem sobrepondo nenhuma delas, e mostrando a
possibilidade de uma coexistência, o conto se apresenta como parte de um projeto estético que visa à construção
de uma nação, já que tal realização, em Moçambique, é dificultada pela imensa diversidade étnico-cultural desse
país.

Biografia do Autor

Erick Camilo da Silva Gouveia, Universidade de Pernambuco

Pós-graduando em Letras – Ensino de língua portuguesa e suas literaturas.

Downloads

Publicado

11/04/2019

Como Citar

Camilo da Silva Gouveia, E. (2019). As águas da temporalidade: As várias representações temporais na construção da ambiguidade em nas águas do tempo, de Mia Couto. WEB REVISTA LINGUAGEM, EDUCAÇÃO E MEMÓRIA, 5(5). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/WRLEM/article/view/3493

Artigos Semelhantes

> >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.