Dados técnicos - Edição nº20, Vol 1 – janeiro a junho  de 2021

Autores

  • UEMS Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Palavras-chave:

Gênero, Sexualidade e Relações Étnico-raciais

Resumo

Nos anos, testemunhamos a ascensão de um movimento reacionário, constituído por determinados setores conservadores e religiosos da sociedade e apoiado por políticos parlamentares, que têm direcionado seus esforços ao aniquilamento das árduas conquistas dos Movimentos Feminista, do Movimento Negro e de LGBTs[1] no âmbito das políticas públicas, sobretudo educacionais. Nessa recente “cruzada”, promovem-se discursos como a “ideologia de gênero”, disseminada de modo a atingir a sociedade alheia ao tema, principal justificativa para a censura dos termos “gênero” e “orientação sexual” no Plano Nacional de Educação em 2014 e nos Planos Estaduais e Municipais em sequência. Nesse âmbito, a reforma empresarial da educação não é acidental, é um projeto de política agressiva que bitola a qualidade do ensino nacional gerando efeitos colaterais devastadores ao mesmo tempo em que permitem o controle político e ideológico da instituição e o aparato escolar. Assim, a homogeneização e a negação da pluralidade repercutem no negligenciamento das diferenças, na padronização de comportamentos e na negação do outro, subalterno que tem aparição como alguém que precisa “se ajustar”. O projeto “Escola sem partido”, o alarmante crescimento das taxas de feminicídio e a ascensão do debate acerca da existência de uma suposta “ideologia de gênero” são exemplos disso. Podemos destacar outros fatos como o de que, na pandemia de Covid-19, quem mais morre são os negros, que eles compõem quase metade da população brasileira, sendo também os menos assistidos governamentalmente ou que mulheres e negros têm salários menores que homens brancos ou, ainda, que houve, historicamente, encarceramento em massa de negros no Brasil. Tais mecanismos de proliferação de ideias, práticas e reproduções estão caracterizados por práticas e representações que dizem respeito a questões de gênero, sexualidade e relações étnico-raciais.

Para situar o lugar teórico por meio do qual se situa esta edição, vale mencionar que, a partir dos anos 70, uma ampla forma de produzir ciência na academia se voltou para questões de gênero e de sexualidade. Mais tarde, questões étnico-raciais passaram a ser incorporadas individual ou interseccionalmente. Academicamente, tal movimento emergiu a partir da criação dos departamentos Women Studies, ampliado posteriormente para os Gender Studies, multiplicando-se para cada vez mais instituições e núcleos de pesquisa mundo afora. Chegaram a ser estabelecidos não apenas núcleos e departamentos de pesquisa, mas houve, também, a instauração de periódicos e a expansão de publicações, além de elaboração e execução de eventos que se voltaram para estas questões.

Acerca dos estudos de gênero, podemos destacar a existência dos estudos feministas e dos estudos que articulam o conceito de gênero na interseccionalidade com o conceito de sexualidade (é o caso dos estudos queer, por exemplo). Para pensar nas formas por meio das quais o patriarcado e o machismo se articulam às relações sociais é preciso destacar que tal organização pode implicar na redução da participação de determinados seres humanas em detrimento de outros enquanto participantes sociais efetivos. Isso acarreta o silenciamento e a inviabilização da participação, mesmo depois da conquista do sufrágio feminino, fazendo com que inúmeras mulheres permaneçam marginais, por exemplo, na política, ainda que constituam maior número em relação à população de homens no Brasil. Vale destacar, portanto, que não basta exigir acesso às atividades próprias dos homens, mas a valorização equivalente, sem hierarquias, porque muitas vezes o comportamento dos homens é visto como universalizante e o das mulheres como reduto de uma posição social particular. Voltar-se para o estudo dos gêneros, na interface com expressões e práticas sociais em torno da sexualidade pode tornar possível explorar classificações, normatividades, regulações e convenções a partir de recortes como hetero-homossexualidade, economia, aspectos sexuais e afetivos.

Em relação aos estudos étnico-raciais, pode ser mencionado que o fenômeno do racismo ganha roupagens distintas com o passar do tempo. Se considerarmos que 47% da população brasileira é negra e vive em condições inferiores aos brancos, no que diz respeito ao IDH, por exemplo, isso torna cada vez mais abissal a distância entre negros e brancos no país. O pensamento histórico-sociológico nacional ou oriundo de fontes estrangeiras frequentemente pode se voltar para reflexões acerca de ações afirmativas e, também, para a inserção do negro em áreas de conhecimento e mesmo no mercado de trabalho ou acerca das condições financeiras. Assim, a afro-filosofia se caracteriza como um modo de pesquisadores negros elaborarem posicionamentos e concepções de mundo aliadas à prática política de transformação, considerando-se a urgência da necessidade de inserção nas esferas de poder.

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.

BOGO, Ademar. Identidade e luta de classes. São Paulo: Expressão popular, 2008.

BUTLER, Judith. Gender trouble: feminism and the subversion of identity. New York: Routledge, 1990.

CHAMAYOU, Grégoire. A sociedade ingovernável: uma genealogia do liberalismo autoritário. São Paulo: Ubu, 2020.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Ática, 1978.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 12. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

HOOKS, Bell. Yeaming: race, gender and cultural politics. London: Tumaround, 1991.

LOURO, Guacira Lopes. Currículo, gênero e sexualidade. Porto: Porto Editora, 2000.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia (Orgs.). Feminismo e política. São Paulo: Boitempo, 2014.

RUBIN, G. The traffic in women: notes on the “political economy of sex”. In: REITER, Rayna (Org.). Toward an anthropology of women. New York: Monthly Review Press, 1975.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão a Bolsonaro. Rio de Janeiro: Estação Brasil, 2019.

Downloads

Publicado

25/02/2022

Como Citar

UEMS. (2022). Dados técnicos - Edição nº20, Vol 1 – janeiro a junho  de 2021. WEB REVISTA LINGUAGEM, EDUCAÇÃO E MEMÓRIA, 1(20), 1–3. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/WRLEM/article/view/6893