Participação discente em projetos de extensão

impactos na formação do estudante

Visualizações: 161

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/bbq.v5i9.6838

Palavras-chave:

Atividades de Extensão, Formação Discente, Indissociabilidade

Resumo

No presente trabalho, buscou-se identificar, por meio de uma pesquisa qualitativa, possíveis impactos da extensão na formação dos estudantes do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS), Campus Campo Grande. Para esta pesquisa, utilizou-se como instrumento de coleta de dados entrevistas semiestruturadas. As análises foram baseadas nos pressupostos da Análise de Conteúdo de Bardin. Pôde-se perceber que algumas dificuldades permearam questões organizacionais para implementação dos projetos de extensão. Um desafio que se coloca frente aos estudos da presente pesquisa consiste na compreensão do fazer extensionista e em sua concretização, de forma que se promova uma convergência entre instituição e comunidade, por meio de uma relação dialógica. Ressalta-se a importância da busca por uma relação com a comunidade que cumpra, inclusive, os aspectos relativos à responsabilidade social da instituição de ensino. Faz-se necessário, também, que ações extensionistas sejam pauta de reflexão para que haja práticas que contribuam para todos os envolvidos no processo: instituição, estudantes e comunidade externa. Também é preciso promover e divulgar as atividades institucionais de forma a favorecer a participação dos estudantes. O engajamento institucional, assim como os auxílios financeiros, pode contribuir para a formação dos estudantes e colaborar para sua permanência na instituição. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lindayane dos Santos Amorim de Sá, Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS)

Possui graduação em psicologia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2013) e é Mestra em Educação Profissional e Tecnológica pelo Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS). Atualmente é auxiliar em administração do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul.

Airton José Vinholi Junior, Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS)

É Licenciado e Bacharel em Ciências Biológicas, Mestre em Ensino de Ciências e Doutor em Educação pela UFMS. Atualmente é pesquisador de pós-doutorado em Ensino em Biociências e Saúde pela Fiocruz/IOC. Tem experiência em projetos de pesquisa em áreas de Cerrado, Pantanal e Amazônia. É professor de Biologia do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS), campus Campo Grande. No IFMS, exerceu a função de Pró-Reitor de Extensão de 2016 a 2019; foi Coordenador de Extensão e Relações Institucionais do campus Ponta Porã (2012-2015); foi Conselheiro Titular do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (2017-2019), foi Presidente da Comissão Própria de Avaliação (CPA) do campus Campo Grande (2020) e é membro suplente da Comissão de Ética do IFMS (Triênio 2020-2023). É docente do Programa de Pós-Graduação (Mestrado) em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) e da Especialização em Docência para a Educação Profissional e Tecnológica, ambos do IFMS. Também é docente do Programa de Pós-Graduação (Mestrado e Doutorado) em Ensino de Ciências da UFMS, onde é integrante do colegiado do referido Programa. Participa do Grupo de Pesquisa em Ensino, Cultura, Espiritualidade e Saúde (Fiocruz/IOC). Tem experiência no Ensino de Ciências e na Educação Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino de Biologia, Aprendizagem Significativa de Ausubel (TAS), Modelagem Didática, Tecnologias Assistivas aplicadas ao Ensino de Ciências e Educação Ambiental no contexto formal de ensino.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 10 nov. 2021.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Brasília, DF: Casa Civil, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm. Acesso em: 14 nov. 2021.

CUNHA, A. L. S. A experiência como prática formativa de estudantes na Extensão Universitária. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2013. Disponível em: https://www.locus.ufv.br/bitstream/123456789/3443/1/texto%20completo.pdf. Acesso em: 21 out. 2021.

FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PÚBLICAS DO BRASIL, 2007, Belo Horizonte. Extensão Universitária: organização e sistematização. Belo Horizonte: Coopmed, 2007. Disponível em: https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/Organizacao-e-Sistematizacao.pdf. Acesso em: 26 nov. 2021.

FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PÚBLICAS DO BRASIL, 2012, Manaus. Política Nacional da Extensão Universitária. Florianópolis: Imprensa Universitária, 2015. Disponível em: http://proex.ufsc.br/files/2016/04/Pol%C3%ADtica-Nacional-de-Extens%C3%A3o-Universit%C3%A1ria-e-book.pdf. Acesso em: 26 nov. 2021.

FRAGA, L. S. Extensão e transferência de conhecimento: as incubadoras tecnológicas de Cooperativas Populares. 2012. Tese (Doutorado em Política Científica e Tecnológica) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012. Disponível em: https://fbes.org.br/wp-content/uploads/Acervo/Publica%C3%A7%C3%B5es/fraga_lais_extensao_e_transferencia_de_conhecimento_tese_de_doutorado_final.pdf. Acesso em: 15 out. 2021.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? 19. ed. Rio de Janeiro; São Paulo: Paz e Terra,

INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL. Política de Extensão do IFMS. Campo Grande: IFMS, 2017. 33 p. Disponível em: http://www.ifms.edu.br/centrais-de-conteudo/documentos-institucionais/politicas/politica-de-extensao-do-ifms.pdf. Acesso em: 13 out. 2021.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: E.P.U., 2018.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 23. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007. DOI: https://doi.org/10.36311/2007.978-85-249-1311-2

SILVA, A. R. A contribuição da extensão na formação do estudante universitário. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2011. Disponível em: https://bdtd.ucb.br:8443/jspui/bitstream/123456789/654/1/Aurelio%20Rodrigues%20da%20Silva.pdf. Acesso em: 15 out. 2021.

Downloads

Publicado

2023-05-26

Como Citar

Amorim de Sá, L. dos S., & Vinholi Junior, A. J. (2023). Participação discente em projetos de extensão: impactos na formação do estudante. BARBAQUÁ, 5(9), 8–22. https://doi.org/10.61389/bbq.v5i9.6838

Edição

Seção

Artigos