ALFORRIAS E RELIGIOSIDADE EM SANT’ANNA DE PARANAHYBA (1838-1888).

Autores

Resumo

Este artigo é resultante de pesquisa desenvolvida como objetivo central de recuperar, analisar e interpretar aspectos da história da escravidão contidos nos Registros e Notas do Serviço Notarial e Registral do Primeiro Ofício do Município de Paranaíba, Estado de Mato Grosso do Sul, entre 1838 e 1888. Foram analisadas informações contidas nos registros a respeito da escravidão na comarca e região do período correspondente entre 22 de agosto de 1838 a 24 de março de 1888, relativos a cinquenta anos de história escravocrata do município. Tais informações foram analisadas e reunidas num corpus documental e dentre as temáticas identificadas estão as Cartas de Liberdade. Estes dados, verdadeiros fragmentos do passado, se constituem nos “indícios” para a compreensão do cenário social escravagista. No entanto, os passos a serem dados nesse contexto requerem um caminhar ao passado, impossível de ser alcançável diretamente e em sua plenitude. Para vencer esse desafio, e, a partir daí construir uma narrativa, recorremos a uma ferramenta, um modelo metodológico norteador dessa tarefa: trata-se do “paradigma indiciário” desenvolvido por Ginszburg (1989). Tanto as informações extraídas dos documentos, quanto o método utilizado, permitiram recuperar aspectos do cotidiano de um regime assentado na mão de obra escrava, e foi possível compreender dois aspectos importantes: parte das práticas do cotidiano entre senhores e escravos, suas motivações para concessão de manumissões, as quais, por sua vez, guardam estreitas relações entre os fatos ocorridos no Brasil durante boa parte do século XIX, além da contraditória relação entre religião e manumissão na nascente Freguesia de Sant’Anna do Paranahyba/MS.

Biografia do Autor

Alexandre de Castro, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Alexandre de Castro é doutorando em Ciências Sociais na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP Câmpus de Marília/SP onde graduou-se em Ciências Sociais Licenciatura (2019) e Ciências Sociais Bacharelado (1995), é Bacharel em Direito pelo Centro Universitário Eurípedes de Marília - UNIVEM (2002),  Mestre em Teoria do Direito e do Estado pelo Centro Universitário Eurípedes de Marília - UNIVEM (2005). Atualmente é professor do Curso de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Unidade Universitária de Paranaíba.

Referências

BRASIL, Livros de Notas, Registros, Procurações e Escrituras. Cartório do 1º Ofício da Comarca de Paranaíba/MS. Livro 01, 10 de abril de 1838 a 16 de junho de 1859. 75 p. f/v.

BRASIL, Livros de Notas, Registros, Procurações e Escrituras. Cartório do 1º Ofício da Comarca de Paranaíba/MS. Livro 02, 25 de setembro de 1859 a 21 de fevereiro de 1862. 21 p. f/v.

BRASIL, Livros de Notas, Registros, Procurações e Escrituras. Cartório do 1º Ofício da Comarca de Paranaíba/MS. Livro 03, 08 de março de 1862 a 12 de janeiro de 1869. 81 p. f/v.

BRASIL, Livros de Notas, Registros, Procurações e Escrituras. Cartório do 1º Ofício da Comarca de Paranaíba/MS. Livro 04, 13 de janeiro de 1869 a 23 de agosto de 1872. 40 p. f/v.

BRASIL, Livros de Notas, Registros, Procurações e Escrituras. Cartório do 1º Ofício da Comarca de Paranaíba/MS. Livro 05, 26 de dezembro de 1872 a 02 de maio de 1873. 08 p. f/v.

BRASIL, Livros de Notas, Registros, Procurações e Escrituras. Cartório do 1º Ofício da Comarca de Paranaíba/MS. Livro 07, 29 de setembro de 1877 a 23 de janeiro de 1880. 33 p. f/v.

BRASIL, Livros de Notas, Registros, Procurações e Escrituras. Cartório do 1º Ofício da Comarca de Paranaíba/MS. Livro 08, 23 de janeiro de 1880 a 24 de maio de 1881. 34 p. f/v.

BRASIL, Livros de Notas, Registros, Procurações e Escrituras. Cartório do 1º Ofício da Comarca de Paranaíba/MS. Livro 09, 02 de maio de 1882 a 15 de janeiro de 1886. 80 p. f/v.

BRASIL, Livros de Notas, Registros, Procurações e Escrituras. Cartório do 1º Ofício da Comarca de Paranaíba/MS. Livro 10, 16 de janeiro de 1886 a 24 de fevereiro de 1887. 31 p. f/v.

BRASIL, Livros de Notas, Registros, Procurações e Escrituras. Cartório do 1º Ofício da Comarca de Paranaíba/MS. Livro 11, 04 de março de 1887 a 24 de setembro de 1888. 36 p. f/v.

BRASIL, Livros de Notas, Registros, Procurações e Escrituras. Cartório do 1º Ofício da Comarca de Paranaíba/MS. Livro 12, 06 de novembro de 1888 a 13 de setembro de 1890. 32 p. f/v.

BRASIL, Livros de Notas, Registros, Procurações e Escrituras. Cartório do 1º Ofício da Comarca de Paranaíba/MS. Livro 13, 15 de setembro de 1890 a 06 de março de 1897. 85 p. f/v.

BRASIL, Livros de Notas, Registros, Procurações e Escrituras. Cartório do 1º Ofício da Comarca de Paranaíba/MS. Livro 14, 24 de julho de 1897 a 14 de outubro de 1899. 28 p. f/v.

REFERÊNCIAS.

BELLINI, Ligia. Por amor e por interesse: a relação senhor-escravo em cartas de alforria. In: REIS, João José. (Org.). Escravidão e invenção da liberdade. Estudos sobre o negro no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense/Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico-CNPq, 1988.

CAMPESTRINI, Hildebrando. Santana do Paranaíba (de 1700 a 2002). 2 ed. Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul. Campo Grande/MS, 2002.

_______. Santana do Paranaíba. 1994.

CASTILHO, Mileidi Ferreira de; SOUZA, José Antonio de. Guerra entre irmãos: personagens hostórico-poéticos de um conflito e a formação de Mato Grosso do Sul. 7º Encontro de Iniciação Científica - ENIC. Anais do 7º ENIC. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS. 2009. ISSN: 2179-7447. Disponível em: https://anaisonline.uems.br/index.php/enic/article/view/1130

HANEMANN, Marcos. O povo contra seus benfeitores: aplicação da lei penal em Sant’Anna do Paranahyba, Mato Grosso (1859-1889). 2012. 206 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo – USP, São Paulo, SP, 2012.

KIDD, Sue Monk. A invenção das asas. Tradução Flávia Yacubian. São Paulo: Paralela, 2014.

KNAPP, Gláucio. “por muito de minha vontade”: As Cartas de Liberdade no Sul da Província de Mato Grosso (1840-1888). 2013. 165 f. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências Humanas. Universidade Federal da Grande Dourados – UFGD, Dourados, MS, 2013.

_______. Entre a batina e a alforria dos seus: o caso do padre Francisco de Sales Sousa Fleury. IV Congresso Internacional de História: Cultura, sociedade e poder. Anais do IV Congresso de História de Jatai. Universidade Federal de Jatai/GO. 2014. Disponível em: http://www.congressohistoriajatai.org/anais2014/Link%20(101).pdf

Acesso em: 24 ago. 2018.

LIBBY, Douglas Cole. Apresentação. In: PAIVA, Eduardo França. Escravos e libertos nas Minas Gerais do Século XVIII: estratégias de resistência através dos testamentos. 3 ed. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: PPGH-UFMG, 2009. p. 29-31.

LIMA, Douglas. A polissemia das alforrias: significados e dinâmicas das libertações de escravos nas Minas Gerais setecentistas. 2014. 156 f. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte, MG, 2014.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva, 2016.

PAIVA, Eduardo França. Escravos e libertos nas Minas Gerais do Século XVIII: estratégias de resistência através dos testamentos. 3 ed. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: PPGH-UFMG, 2009.

PENTEADO, Yara. (Org.). “como se de ventre livre nascido fosse...” Cartas de liberdade, revogações, hipotecas e escrituras de compra e venda de escravos. (1838-1888). Campo Grande/MS: Ministério da Cultura, Governo do Estado de Mato Grosso do Sul; Secretaria de Estado de Justiça e Trabalho; Arquivo Público Estadual; Brasília/DF: Fundação Cultural Palmares, 1993.

Downloads

Publicado

18/08/2021

Como Citar

de Castro, A. (2021). ALFORRIAS E RELIGIOSIDADE EM SANT’ANNA DE PARANAHYBA (1838-1888). REVISTA DE CIÊNCIAS SOCIAIS DA UEMS, 1(1), 25–41. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/rcs/article/view/6255