BILINGUISMO E IDENTIDADE: DUAS LÍNGUAS, DUAS IDENTIDADES?

Visualizações: 33

Autores

  • Adriana de Jesus Scholtz Unicentro
  • Marcelo Jacó Krug

Resumo

Utilizando dados obtidos em pesquisa de campo realizada no ano de 2014 para dissertação de mestrado, este estudo parte da hipótese de que a língua é um dos principais aspectos de formação identitária do falante, mas não único. Além disso, levando, também, em consideração o contexto bilíngue da comunidade de Virmond, localizada na região centro-oeste do Paraná, classifica-se como objetivo principal para o presente trabalho evidenciar e analisar fatores linguísticos e extralinguísticos que fazem parte do processo de formação de identidade dos descendentes de poloneses desta comunidade. Buscamos, ainda, responder à seguinte questão: ao falar duas variedades, o falante passa a constituir duas identidades? Para tanto, utilizamos, a fim de embasar nossas discussões, a teoria da Dialetologia Pluridimensional e Relacional e a Sociolinguística. A partir das análises realizadas, foi possível concluir que os descendentes se identificam mais por se sentirem poloneses, por cultivarem os costumes religiosos, culturais e gastronômicos do que pela língua, ou seja, se identificam mais pelos fatores extralinguísticos. Além disso, são os descendentes mais velhos que mais se identificam com a origem étnica e que sabem a variedade polonesa, mas praticamente não a usam. Também são os mais velhos que se sentem mais como descendentes poloneses e destes, são as mulheres que mais sentem orgulho de pertencer à etnia e preservar a língua de imigração. Por fim, foi possível afirmar que a identidade é construída no decorrer das experiências vividas pelo falante e os descendentes constroem uma identidade ligada à origem étnica e outra ligada à nacionalidade.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

09-04-2019

Como Citar

Scholtz, A. de J., & Krug, M. J. (2019). BILINGUISMO E IDENTIDADE: DUAS LÍNGUAS, DUAS IDENTIDADES?. WEB REVISTA SOCIODIALETO, 9(26), 122–143. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/sociodialeto/article/view/7921