A COMUNICAÇÃO COMO FATOR PARA O SUCESSO/INSUCESSO DO TRATAMENTO DO PACIENTE SURDO

COMMUNICATION AS A FACTOR IN SUCCESSFUL/UNSUCCESSFUL TREATMENT OF DEAF PATIENTS

Visualizações: 192

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/sociodialeto.v13i39.8265

Palavras-chave:

Formação profissional, Medicina, Odontologia, Paciente surso, LIBRAS

Resumo

A diversidade de pacientes que buscam serviços de saúde, em diferentes áreas, o que faz com que a comunicação se torne ponto crucial, para um eficaz atendimento, o que ocorre a partir da comunicabilidade entre o profissional da área da medicina e/ou da odontologia e seus pacientes. Nesse contexto, inserem-se as pessoas surdas, que são usuárias da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), que mesmo reconhecida legalmente no País, ainda é pouco difundida e conhecida. O objetivo deste artigo é analisar a inserção da LIBRAS nos cursos de medicina e de odontologia da UFMA e a formação inicial dos futuros profissionais da área da saúde em relação à comunicação para com os pacientes surdos. Identificamos as estratégias comunicacionais que os atuais e futuros profissionais das áreas investigadas utilizam para estabelecer a interação com pacientes surdos; descrevendo em que medida a UFMA trabalha questões específicas, com vistas à preparação dos acadêmicos de medicina e de odontologia, para atender pacientes surdos. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas. Os achados da pesquisa revelaram que embora a instituição de ensino superior (IES) pesquisada venha empreendendo esforços, para promover a acessibilidade, ela não vem preparando, de forma adequada, os futuros profissionais das áreas mencionadas, para que estes atendam os pacientes surdos ou com deficiência auditiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clayton Gabriel Pavão Ferreira, PGCULT-UFMA

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade da Universidade Federal do Maranhão.

Thelma Helena Costa Chahini, UFMA

Professora Associada da Universidade Federal do Maranhão. Pós-Doutorado em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos. Doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista. Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Maranhão. Graduada em Pedagogia, com habilitação em Gestão e Coordenação Pedagógica. Especialista em Psicopedagogia e em Educação Especial. Docente e Pesquisadora nos Programas de Pós-Graduação, Mestrado em Educação e em Mestrado Interdisciplinar em Cultura e Sociedade da UFMA - PGCULT. Líder do Grupo de Pesquisa em Educação Especial e Inclusão - GPEEI. Membro Titular do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Maranhão - CEP/CONEP/UFMA.

Referências

ARAGÃO, J. S. et al. Um estudo da validade de conteúdo de sinais, sintomas e doenças/agravos em saúde expressos em LIBRAS. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 23, n. 6, p. 1014-1013, nov./dez. 2015.

ARAÚJO, A. M. et al. A dificuldade no atendimento médico às pessoas surdas. Revista Interdisciplinar, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 3-9, 2019.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.htm. Acesso em: 1 jan. 2017. Acesso em: 3 ago. 2022.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 23 dez. 2005. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 5 jul. 2022.

BRASIL. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 25 abr. 2002. Disponível em:

BRASIL. Lei nº. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília. Disponível em: <https://www.presidencia.gov.br/ccivil_03/Leis/L10098.htm>. Acesso em: 10 dez.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Educação de Surdos. Alfabeto de Libras e configuração de mãos. Brasília, DF: INES, 2022. Disponível em: https://www.gov.br/ines/pt-br/central-de-conteudos/publicacoes-1/alfabeto-manual-e-configuracao-de-maos. Acesso em: 2 dez. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. A pessoa com deficiência e o Sistema Único de Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2006.

CARDOSO, A. H. A.; RODRIGUES, K. G.; BACHION, M. M. Percepção da pessoa com surdez severa e/ou profunda acerca do processo de comunicação durante seu atendimento de saúde. Revista Latino-Amercina de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 14, n. 4, p. 553-560, ago. 2006.

CHAVEIRO, N.; BARBOSA, M. A. Assistência ao surdo na área de saúde como fator de inclusão social. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 39, n. 4, p. 417-422, dez. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reeusp/a/jWkbsrPtGBnkwZ6njsDPkjz/?lang=pt. Acesso em: 12 jan. 2022.

COSTA, A. A. I.; BONA, A. D. Atendimento odontológico de pacientes surdo-cegos: enfrentando desafios. RFO UPF, Passo Fundo, v. 18, n. 1, p. 107-111, jan./abr. 2013.

COVAS, D. T. A Comunicação médico-paciente. Ribeirão Preto: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, 2013. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4377325/mod_resource/content/1/Comunicacao1ared%203.pdf. Acesso em: 10 set. 2022.

DALLARI, Sueli Gandolfi. A construção do direito à saúde no Brasil. Revista de direito sanitário, v. 9, n. 3, p. 9-34, 2008.

DANTAS. T. R. de A. et al. Comunicação entre a equipe de enfermagem e pessoas com deficiência auditiva. Revista de Enfermagem da UERJ, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 169-174, mar./abr. 2014.

DIAS, E. A. D. et al. Dificuldades de comunicação dos profissionais da atenção primária à saúde com o usuário surdo. Temas em Saúde, João Pessoa, p. 342-355, 2017.

FERREIRA, Clayton Gabriel Pavão. O papel da Libras no atendimento odontológico de pacientes surdos/MA. 2019. Monografia (Graduação em Odontologia) – Instituto Florence, São Luís, 2019.

FERREIRA, C. G. P.; CHAHINI, T. H. C.; BOTTENTUIT JUNIOR, J. B. Tecnologia como recurso para a realização de estágio supervisionado na pandemia. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL, 3., NACIONAL DE TECNOLOGIAS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO, 4., 2021, São Luís. Anais [...]. São Luís: EDUFMA, 2021.

FERREIRA, C. G. P.; CHAHINI, T. H. C.; BOTTENTUIT JUNIOR, J. B. Tecnologia como recurso para a realização de estágio supervisionado na pandemia. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL, 3., NACIONAL DE TECNOLOGIAS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO, 4., 2021, São Luís. Anais [...]. São Luís: EDUFMA, 2021.

FERREIRA, M. C. D.; HADDAD, A. S. Deficiências sensoriais e de comunicação. In: HADDAD, A. S. odontologia para pacientes com necessidades especiais. São Paulo: Santos, 2007.

FONSECA, JJS. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC; 2002.

FREITAS, M. M. Práticas de ensino de língua portuguesa para alunos surdos. In: MONTEIRO, M. I. B.; FREITAS, A. P. de; CAMARGO, E. A. A. Relações de ensino na perspectiva inclusiva: alunos e professores no contexto escolar. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2014.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GONTIJO, S. O livro de ouro da comunicação. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico brasileiro 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: http://www.ibge.com.br/>. Acesso em: 2 jun. 2022.

LIMA, R. F. de F.; LIMA, R. de F. Comunicação com o deficiente auditivo: dificuldades na prática do profissional da saúde. GEPNEWS, Maceió, ano 3, v. 2, n. 2, p. 375-382, abr./jun. 2019.

LOPES, M. C. Inclusão escolar: currículo, diferença e identidade. In: LOPES, M. C.; DAL’IGNA, M. C. (org.). In/exclusão: nas tramas da escola. Canoas: Editora da ULBRA, 2007.

LOPEZ, Monica Holdorf. Protocolo para avaliação, planejamento e controle da acessibilidade às pessoas Surdas e com deficiência auditiva em serviços de saúde. Tese de doutorado, UFSC, (2021).

MARCONDES FILHO, C. Homem & mulher: uma comunicação impossível? São Paulo: Annablume, 2018.

MONDELLI, Maria Fernanda Capoani Garcia; BEVILACQUA, Maria Cecília. Estudo da deficiência auditiva das crianças do HRAC-USP, Bauru-SP: subsídios para uma política de intervenção. Sinopse de pediatria, v. 8, n. 3, p. 51-62, 2002.

OSSADA, S. A. R. et al. A colaboração de software para auxiliar na comunicação de surdos em hospitais. Revista Brasileira em Tecnologia da Informação, Campinas, v. 3 n. 1, p. 1-60, jul./dez. 2021.

PAGLIUCA, L. M. F.; FIÚZA, N. L. G.; REBOUÇAS, C. B. A. Aspectos da comunicação da enfermeira com o deficiente auditivo. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 41, n .3, p. 411-8, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v41n3/10.pdf. Acesso em: 20 maio 2022.

PEREIRA, A. A. C. et al. Meu sonho é ser compreendido: uma análise da interação médico-paciente surdo durante assistência à saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, Brasília, DF, v. 44, n. 4, p. e121, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbem/a/jWsw9bn6YC8Lj3C6Wxp48LB/?lang=pt. Acesso em: 12 nov. 2022.

QUADROS, R. M. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed, 2007.

SALLES, H. M. M. L. et al. Ensino de língua portuguesa para surdos: caminhos para a prática pedagógica. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2004. v. 2. (Programa Nacional de Apoio à Educação dos Surdos).

SILVA, R. N. A. et al. Assistência ao Surdo na atenção primária: concepções de profissionais. Journal of Management and Primary Health Care, v. 6, n. 2, p. 189-204, 2015. Disponível em: https://www.jmphc.com.br/jmphc/article/view/266. Acesso em: 15 jan. 2022.

SILVA, R. P.; ALMEIDA, M. A. P. T. Relação comunicativa entre o profissional de saúde e os surdos: uma revisão bibliográfica. ID online. Revista de Psicologia, Jaboatão dos Guararapes, v. 11, n. 37, p. 653- 668, 2017.

SOUZA, M. T.; PORROZZI, R. Ensino de libras para profissionais de saúde: uma necessidade premente. Revista Práxis, Volta Redonda, v. 1, n. 2, p. 43-6, 2009.

UEMURA, S. F. Dental health education and the special patient. Revista Gaúcha de Odontologia, Porto Alegre, v. 52, n. 2, p. 91-100, 2004.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. 2. ed. São Paulo: Marins Fontes, 1998.

WAGATSUMA GRANADO, L. F. G. Sinais Internacionais e a formação para intérpretes de Sinais Internacionais. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 8, n. 1, p. 211–228, 2019. DOI: 10.26512/belasinfieis.v8.n1.2019.12984. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/12984. Acesso em: 4 set. 2022.

Downloads

Publicado

08-09-2023

Como Citar

Ferreira, C. G. P., & Chahini, T. H. C. (2023). A COMUNICAÇÃO COMO FATOR PARA O SUCESSO/INSUCESSO DO TRATAMENTO DO PACIENTE SURDO: COMMUNICATION AS A FACTOR IN SUCCESSFUL/UNSUCCESSFUL TREATMENT OF DEAF PATIENTS. WEB REVISTA SOCIODIALETO, 13(39), 1–31. https://doi.org/10.61389/sociodialeto.v13i39.8265

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)