“Dar de beber a qume tem sede": a memótia traumática dos espaços de violência como elemento narrativo em Memórias do Cárcere (1953), de Graciliano Ramos

Autores

  • Julia Ribeiro Nicolodi Universidade Estadual de Maringá

Palavras-chave:

Literatura de testemunho, Literatura e violência, Memória traumática

Resumo

Graciliano Ramos é conhecido por sua grande habilidade em tornar a experiência sua condição para escrita, sendo sempre fiel aos acontecimentos e à realidade que o cercaram para a construção de suas narrativas. Diferente do que vemos em suas obras ficcionais, mesmo que também sejam fiéis à realidade do escritor, em Memórias do Cárcere (1953) temos um Graciliano Ramos que revisita seu passado no intuito de construir sua última grande narrativa: o retrato dos seus dias como prisioneiro da Ditadura Vargas. Preso em 1936, o escritor alagoano faz da sua vivência pessoal o testemunho dos anos de perseguição política, em que sua memória é usada como manifestação artística para narrar o inenarrável. Pensando nisso, este artigo tem como principal objetivo entender como a violência testemunhada pode ser ferramenta essencial para a escrita do texto e até mesmo para o fortalecimento da literatura de testemunho, gênero literário tão comum aos países latino-americanos que vivenciaram as ditaduras do século XX. E para estudar e entender como a memória traumática pode ser usada a favor do texto literário, aqui utilizamos textos escritos por Walter Benjamin, Márcio Seligmann-Silva, Maurice Halbwachs, Valéria de Marcos e tantos outros nomes da área da teoria literária.

Biografia do Autor

Julia Ribeiro Nicolodi, Universidade Estadual de Maringá

Graduanda em Letras – Português/Inglês Na Universidade Estadual de Maringá - Brasil. E-mail: nicolodijul@gmail.com

Referências

ADORNO, Theodor. Palestra sobre lírica e sociedade. In: ADORNO, Theodor. Notas de Literatura I. São Paulo: Editora 34, 2003, p. 65-89.

ANTONELLO, Diego Frichs. Trauma, memória e escrita: uma articulação entre a literatura de testemunho e psicanálise. Rio de Janeiro: Tese de Doutorado em Memória Social, UFRJ, 2016.

ARAÚJO, Maria P. N.; SANTOS, Myrian S. dos. História, memória e esquecimento: Implicações políticas. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra: n. 79, 2007, p. 95-111. Disponível em: https://doi.org/10.4000/rccs.728

BARTHES, Roland. A Morte do Autor. In: BARTHES, Roland. O Rumor da Língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004, p. 57-64.

BENJAMIN, Walter. O Narrador: Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política, v. I. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1987, p. 197-222.

BENJAMIN, Walter. Conto e cura. In: BENJAMIN, Walter. Rua de Mão Única. Vol. II. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1987, p. 269.

BOSI, Alfredo. A escrita do testemunho em Memórias do Cárcere. [S.l]: Estudos Avançados [online], v. 9, n. 23, 1995, p. 309-322. Disponível em https://doi.org/10.1590/S0103-40141995000100020.

CANCELLI, Elizabeth. O mundo da violência: a polícia na Era Vargas. 2. ed. Brasília: Editora UnB, 1994.

CANDIDO, Antonio. Ficção e Confissão: Ensaios sobre Graciliano Ramos. Rio de Janeiro: 34, 1999.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? 6. ed. Lisboa: Vega, 1992.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais Ltda., 1990.

LEJEUNE, Philippe. O Pacto Autobiográfico: De Rousseau à Internet. Minas Gerais: UFMG, 2014.

LEVI, Primo. A tabela periódica. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

MARCO, Valéria de. A Literatura de Testemunho e a Violência de Estado. São Paulo: Lua Nova, n. 62, 2004, p. 45-68.

MARQUES, Ivan. Visão geral da obra: ficção e confissão. In: MARQUES, Ivan. Para amar Graciliano. São Paulo: Faro Editorial, 2017, p. 29-38.

MEDEIROS, Ana Vera R. de; MACIEL, Sheila Dias. A configuração das memórias em São Bernardo e Memórias do Cárcere. Signótica, [S.l], v. 19, n. 1, 2007, p. 15-32.

PELLEGRINI, Tânia. No fio da navalha: literatura e violência no Brasil de hoje. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília: n. 24: Literatura nas margens, 2004, p. 15–34. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/9003

RAMOS, Graciliano. Memórias do Cárcere. 40a ed. v. I e II. Rio de Janeiro: Record, 2004.

RAMOS, Graciliano. Alguns tipos sem importância. In: RAMOS, Graciliano. Linhas Tortas. Rio de Janeiro: Record, 2016, p. 190-193.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Literatura de testemunho: os limites entre a construção e a ficção. Letras, [S.l.], n. 16, 2014, p. 9-37. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/letras/article/view/11482>. Acesso em: 27 maio 2018.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Literatura e trauma. Pro-Posições, v. 13, n. 3, 2016, p. 135-153.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Narrar o trauma: a questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, 2008, p. 65-82. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652008000100005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 28 maio 2018.

Downloads

Publicado

24/12/2021

Como Citar

Nicolodi, J. R. (2021). “Dar de beber a qume tem sede": a memótia traumática dos espaços de violência como elemento narrativo em Memórias do Cárcere (1953), de Graciliano Ramos. VALITTERA - REVISTA LITERÁRIA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS, 1(4), 38–56. Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/valit/article/view/6346