A TEORIA DOS REFÚGIOS E AS EVIDÊNCIAS PALEOCLIMÁTICAS DO PANTANAL MATO-GROSSENSE

Eva Faustino da Fonseca de Moura Barbosa

Resumo


Este estudo tem como base científica os pressupostos da Teoria dos Refúgios Florestais e os conhecimentos desenvolvidos por Aziz Nacib Ab’Sáber nos últimos cinquenta anos. O Pantanal Mato-Grossense possui certo significado para a Teoria dos Refúgios e Redutos, uma vez que essa teoria reúne conhecimentos importantes sobre os padrões de distribuição de flora e fauna na América do Sul, explorando as consequências das mudanças climáticas quaternárias sobre a flora e a fauna, em tempo determinado ao longo de determinados espaços fisiográficos, paisagísticos e ecologicamente distintos. Atualmente, os componentes das caatingas arbóreas e Cactáceas peculiares do Nordeste permanecem amarrados às vertentes inferiores da Morraria do Urucum e suas adjacências, pressionados entre as Florestas Semidecíduas e os primeiros Bosques Chaquenhos mistos. Essa área está localizada entre os domínios do Cerrado, Chaco e Pré-Amazônia. A diversidade biológica do Pantanal Mato-Grossense resultou de uma fase seca. Então, torna-se importante o esclarecimento das situações paleoclimáticas que antecederam a progressão da semi-aridez e as formas da recomposição da tropicalidade ao longo dos espaços anteriormente dominados por climas muito secos.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 GEOFRONTER

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.