MONITORAMENTO DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS NO RESERVATÓRIO 25 DE MARÇO, MUNICÍPIO DE PAU DOS FERROS, OESTE POTIGUAR (RN/BR)

Autores

Palavras-chave:

Reservatório, Macrófitas aquáticas, Sensoriamento Remoto.

Resumo

Os reservatórios estão submetidos às múltiplas ações de forças antropogênicas e, como consequência, podem alterar o seu regime hidrológico e a dinâmica ecológica. Essas alterações fazem com que organismos fotossintéticos formem colônias de propagação, especialmente algum grupo ecológico de macrófitas aquáticas. Logo, o objetivo desta pesquisa é mapear as macrófitas aquáticas no reservatório 25 de Março, visando conhecer as áreas de ocorrências e os fatores que levaram à propagação deste organismo fotossintético. Como procedimentos metodológicos, foram utilizadas as imagens orbitais do satélite LANDSAT 8, sensor OLI/TIRS, órbita 216, ponto 64, resolução espacial de 30 metros, datada de 22 agosto de 2020, disponibilizadas pela USGS (United States Geological Survey); para classificar as bandas espectrais, utilizou-se a classificação supervisionada no algoritmo Máxima Verossimilhança (MARVER) em SIG Qgis® 3.4 Madeira. Os resultados mostraram, em sua classificação, ser suscetível o reservatório à propagação de macrófitas aquáticas e, como consequência, os valores de ocorrências do organismo representaram 64,353ha (60,20%) da área total; por outro lado, a lâmina d’água obteve 42,6ha (39,8%) de acumulação de área. Ao se considerar os valores em questão, é possível afirmar que a proliferação de macrófitas está relacionada aos múltiplos impactos, sobretudo aos desequilíbrios de dinâmica urbana. Portanto, conclui-se que as áreas de ocorrências de macrófitas aquáticas têm seu desenvolvimento favorecido pelo excessivo impacto em sua bacia hidráulica. Também é necessário apontar que o uso das técnicas de Sensoriamento Remoto contribui diretamente no monitoramento deste organismo fotossintético e, com isso, torna possível atualizar a forma de gestão e de gerenciamento do reservatório.

Biografia do Autor

Aluizio Bezerra Júnior, Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGEO), Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN).

Graduado do curso de Geografia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN (2019), Campus Avançado Professora Maria Elisa Albuquerque Maia - CAMEAM - Pau dos Ferros - RN. Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geografia (2019). Pesquisador e membro do Núcleo de Estudos Geoambientais e Cartográfico - NEGECART, tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia física, atuando principalmente nos seguintes temas: degradação ambiental de reservatórios artificiais, geoprocessamento e sensoriamento remoto

Referências

ANDRADE, M. C. F. Revista Comemorativa do Bi-Centenário da Paróquia e Centenário do Município de Pau dos Ferros (1756-1856-1956). 2. ed. Natal: Sebo, 2015. 206 p.

ARCHELA, E.; CARRARO, A.; FERNANDES, F.; BARROS, O. N. F. Considerações sobre a geração de efluentes líquidos em centros urbanos. Revista Geografia, Londrina v.12, n.1, p.517-525, 2013. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/article/view/6711. Acesso em: 21 de nov. 2020.

BEZERRA JÚNIOR, A.; ALVES, A. M. Diagnóstico do uso e cobertura da terra nos reservatórios públicos do município de Pau dos Ferros, RN, Brasil. Revista Geonorte, Manaus, v.11, n.38, p.146-161, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.ufam.edu.br/index.php/revista-geonorte/article/view/8277. Acesso em: 20 dez. 2020.

BEZERRA JÚNIOR, A.; GUEDES, J. A. Caracterização e análise do uso e ocupação da terra no entorno do reservatório Santana, Rafael Fernandes, RN. Okara: Geografia em Debate (UFPB), João Pessoa, v. 10, n. 3, p. 517-530, 2016. Disponível em: www.okara.ufpb.br/ojs/index.php/okara/article/download/28365/16852. Acesso em: 20 de nov. 2020.

BEZERRA JÚNIOR, A.; GUEDES, J. A.; ALVES, A. M. Caracterização geoambiental do reservatório Caiçara e sua bacia de drenagem (RN/Brasil). Revista Geosertões, Cajazeiras, v.5, n.9, p.156-175, 2020. Disponível em: https://cfp.revistas.ufcg.edu.br/cfp/index.php/geosertoes/article/view/1467. Acesso em: 20 de nov. 2020.

BRASIL. Lei n° 12. 651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para assuntos jurídicos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm. Acesso em: 21 de nov. 2020.

_____. Lei suplementar n° 12.727, de 17 de outubro de 2012. Brasília - DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/L12727.htm. Acesso em: 18 de fev. 2020.

CARVALHO, R. G.; KELTING, F. M. S.; SILVA, E. V. Indicadores socioeconômicos e gestão ambiental nos municípios da bacia hidrográficas do rio Apodi-Mossoró, RN. Revista Sociedade & Natureza, Uberlândia, v.23, n.1, p.143-159, 2011. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/sociedadenatureza/article/view/11259. Acesso em: 10 de mai. 2019.

CAVALCANTI, L. C. S. Cartografia de paisagens: fundamentos. São Paulo: Oficina de Texto, 2014.

GALO, M. L. B. T.; VELINI, E. D.; TRINDADE, M. L. B.; SANTOS, S. C. A. Uso do sensoriamento remoto orbital no monitoramento da dispersão de macrófitas nos reservatórios do complexo Tietê. Revista planta Daninha, Viçosa, v.20, n.3, p.7-20, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pd/v20nspe/02.pdf. Acesso em: 20 de nov. 2020.

JENSEN, J. R. Sensoriamento remoto do ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. São José dos Campos: Parêntese, 2019.

JØRGENSEN, S. E.; VOLLENWEIDER, R. A.; VANNUCCI, D. TUNDISI, J. G. Diretrizes para o gerenciamento de lagos: princípios para o gerenciamento de lagos. São Carlos: ILEC/IIE/UNEP, 2000.

LI, R. H.; LIU, S. M.; ZHANG, G. L.; REN, J. Biogeochemistry of nutrients in na estuary affected by human activities: the wanquan river estuary, eastem Hainan Island, China. Continental Shelf Research, Washington, v.57, n.1, p.18-31, 2013. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0278434312000490. Acesso em: 21 de nov. 2020.

LILLESAND, T. M.; KIEFER, R. W.; CHIPMAN, J. W. Remote sensing and image interpret ation. Danvers: Wiles International Edition, 2008.

LIMA, S. J. B.; SOUZA, G. S.; PEREIRA, L. S.; COSTA. Discursos e argumentação em memórias que constituem o açude público 25 de Março. Revista Diálogo das Letras, Pau dos Ferros, v.6, n.2, p.264-283, 2017. Disponível em: http://periodicos.uern.br/index.php/dialogodasletras/article/view/2689. Acesso em: 19 de nov. 2020.

MACHADO, M. T. S.; BAPTISTA, G. M. M. Sensoriamento remoto como ferramenta de monitoramento da qualidade da água do Lago Paranoá (DF). Revista Eng. Sanit. Ambient, Rio de Janeiro, v.21, n.2, p.357-365, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/esa/v21n2/1809-4457-esa-S1413_41522016141970.pdf. Acesso em: 28 jul. 2020.

MINHONI, R. T. A.; PINHEIRO, M. P. A.; FILGUEIRA, R.; ZIMBACK, C. R. L. Sensoriamento Remoto aplicado ao monitoramento de macrófitas aquáticas no reservatório de Barra Bonita, SP. Revista Irriga, Botucatu, v.22, n.2, p.330-343, 2017. Disponível em: http://irriga.fca.unesp.br/index.php/irriga/article/view/2260. Acesso em: 20 de nov. 2020.

MORMUL, R. P.; FERREIRA, F. A.; MICHELAN, T. S.; CARVALHO, P.; SILVEIRA, M. J.; THOMAS, S. M. Aquatic macrophytes in the large, sub-tropical Itaipu reservoir, Brazil. Revista de Biologia Tropical, San José, v.58, n.4, p.1437-1451, 2010. Disponível em: https://www.scielo.sa.cr/pdf/rbt/v58n4/a30v58n4.pdf. Acesso em: 20 de nov. 2020.

NASCIMENTO, F. E.; GUEDES, J. A. Qualidade ambiental do reservatório Cajá, município de Taboleiro Grande (RN). Revista Tamoios, Rio de Janeiro, v.12, n.1, p.130-143, 2016. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/tamoios/article/view/19610/0. Acesso em: 20 de nov. 2020.

NOVO, E. M. L. M. Sensoriamento remoto: princípios e aplicações. 4. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 2010.

RICHARDS, J. A.; JIA, X. Remote sensing digital image análisis. 4. ed. Berlin: Springer, 2006.

ROSA, C. N.; TASSI, R.; PICCILLI, G. G. A.; PEREIRA FILHO, W.; FAVARETTO, J. R.; FONTOURA, J. R. Identificação do padrão de distribuição de macrófitas aquáticas emergentes no banhado do Taim, RS-Brasil, frente a diferentes condições hidrológicas. Revista de Geociências, Botucatu. v.36, n.4, p.771-784, 2017. Disponível em: http://www.ppegeo.igc.usp.br/index.php/GEOSP/article/view/12544/12105. Acesso em: 20 de nov. 2020.

ROSA, R. Introdução ao Sensoriamento Remoto. 7. ed. São Paulo: EDUFU, 2008.

SEMARH. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos. Sistema de informações: Bacia Apodi-Mossoró. 2019. Disponível em: http://servicos.searh.rn.gov.br/semarh/sistemadeinformacoes/consulta/cBaciaDetalhe.asp?CodigoEstadual=01. Acesso em: 02 de dez. 2020.

STRAŠKRABA, M.; TUNDISI, J. G. Gerenciamento da qualidade da água de represas. 3. ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2013.

THOMAZ, M. S. Fatores que afetam a distribuição e o desenvolvimento de macrófitas aquáticas em reservatórios: uma análise em diferentes escalas. NOGUEIRA, M. G.; HENRY, R.; JORCIN, A (Org.). Ecologia de Reservatório: impactos potenciais, ações de manejo e sistema em cascata. 2 ed. São Carlos: RiMa, 2005, p. 165-181.

THOMAZ, S. M.; ESTEVES, F. A. Comunidade de macrófitas aquáticas. In: ESTEVES, F. A. (Org.). Fundamentos de Limnologia. 3 ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2011, p.461-518.

TUNDISI, J. G. Água no século XXI: enfrentando a escassez. São Carlos: RiMa, IEE, 2003.

TUNDISI, J. G. Reservatórios como sistemas complexos: teoria, aplicações e perspectivas para usos múltiplos. In: HENRY, R. (Org.). Ecologia de reservatórios: estrutura, função e aspectos sociais. 2 ed. Botucatu: FUNDIBIO, 2007, p.19-38.

Downloads

Publicado

19/05/2021

Como Citar

Bezerra Júnior, A. (2021). MONITORAMENTO DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS NO RESERVATÓRIO 25 DE MARÇO, MUNICÍPIO DE PAU DOS FERROS, OESTE POTIGUAR (RN/BR). GEOFRONTER, 7(1). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/GEOF/article/view/5791

Edição

Seção

Artigos