“ESSE EITO É MEU”: O TRABALHO NO ESPAÇO DO CANAVIAL

Autores

Palavras-chave:

Trabalho, Canavial, Pagamento por produção.

Resumo

Este artigo tem por objetivo abordar os resultados parciais da dissertação de mestrado concluída em 2020. Sendo assim, o objetivo deste artigo é explicar como o eito do canavial é organizado e como o trabalho de cortar cana-de-açúcar é efetivado e suas principais particularidades. Para obtermos os resultados realizamos revisão bibliográfica e entrevistas após aprovação do Comitê de ética com 12 cortadoras de cana-de-açúcar no município de Tamboara-PR. Para realização das entrevistas utilizamos questionários com questões semiestruturadas. Através das entrevistas compreendemos que as dificuldades encontradas no trabalho de cortar cana estão relacionados aos diferentes eitos que dificultam a atividade e que o trabalho é intensificado pela forma de pagamento vigente, o pagamento por produção.

Biografia do Autor

Ariana Castilhos dos Santos Toss Sampaio, Universidade Estadual de Maringá

Doutoranda pelo Programa de Pós Graduação em Geografia (PGE) da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia (PGE) da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Graduada em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Estadual do Paraná-UNESPAR. Graduada em Segunda Licenciatura Pedagogia pela Faculdade Educacional da Lapa - FAEL. Bolsista da CAPES. Participo do Grupo de pesquisa Geografia, Metodologias de Ensino e Formação de professores - UEM e do grupo de pesquisa Geografia da Saúde GREGS_UEM. Tenho experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Agrária, atuando principalmente nos seguintes temas: trabalho; desigualdade; saúde; gênero.

Referências

ALVES, Francisco. Porque morrem os cortadores de cana? Scielo, São Paulo, v. 15, n. 3, dez. 2006. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0104-1290200600030008 script=sci-arttext> Acesso em: 17 jun. 2018.

AGROCANA. Condomínio de Produtores Rurais de Cana-de-Açúcar, 2019. Disponível em:<https://agrocana.agr.br/index.php>. Acesso em: 23 set. 2018.

ALVES, Francisco. Trabalho e trabalhadores no corte de cana: ainda a polêmica sobre o pagamento por produção e as mortes por excesso de trabalho. In: BISON, Nelson; PEREIRA, José Carlos Alves (Orgs.) Agrocombustíveis, solução? A vida por um fio no eito dos canaviais. São Paulo: CCJ, 2008, p. 22 - 48.

ALVES, Francisco; NOVAES, José Roberto Pereira. Precarização e pagamento por produção: a lógica do trabalho na agroindústria canavieira. In: FIGUEIRA, Ricardo Rezende; PRADO, Adonia Antunes; SANT’ANA JÚNIOR, Horácio Antunes de (Orgs.). Trabalho escravo contemporâneo: um debate transdisciplinar. Rio de Janeiro: Mauad X, 2011.

BEAUCLAIR, Edgar. Conceitos gerais em Cana-de-açúcar. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1963847/mod_resource/content/1/bot%C3%A2nica%20e%20fenologia%202016.pdf>. Acesso em: 20 dez. 2019.

CAMPOS, Christiane Senhorinha Soares. A face feminina da pobreza em meio à riqueza do agronegócio: trabalho e pobreza das mulheres em territórios do agronegócio no Brasil: o caso de Cruz Alta/RS. Buenos Aires: CLACSO, 2011.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. (EMBRAPA). Disponível em:<https://www.embrapa.br/documents/10180/13599347/ID01.pdf>. Acesso em: 10 out. 2019.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Variedades RB de cana-de-açúcar. Disponível em:<https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Repositorio/VariedadesRB_2008+apostila_000fxga3a3302wyiv80soht9hctswek2.pdf>. Acesso em 25 fev. 2020.

FERREIRA. Leda Leal et. al. Análise Coletiva do Trabalho dos Cortadores de Cana da Região de Araraquara, São Paulo: FUNDACENTRO, 2008. Disponível em: <https://institutopeabiru.files.wordpress.com/2014/11/2008-fundacentrosaopauloanalise-coletiva-cortadores-de-cana.pdf.> Acesso em: 10 nov. 2019.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política: livro I. Tradução Reginaldo Sant’Anna. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001[1868].

SAMPAIO, ARIANA CASTILHOS DOS SANTOS TOSS. O trabalho das cortadoras de cana-de-açúcar no município de Tamboara - Pr: exploração da mão de obra feminina. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Estadual de Maringá. Maringá, 125 p. 2020.

SILVA, Maria Aparecida de Moraes. Errantes do Fim do Século. São Paulo: Fundação

Editora da UNESP, 1999.

SILVA, Maria Aparecida de Moraes. A morte ronda os canaviais. In: Revista da Associação Brasileira de Reforma Agrária, vol 33, n. 2 ago./dez. 2006b, p. 111 - 141.

SIGAUD, Lygia. Os Clandestinos e os Direitos: estudo sobre trabalhadores da cana-de-açúcar de Pernambuco. São Paulo: Duas Cidades, 1979.

UNIÃO NACIONAL DA BIOENERGIA (UDOP). Energia que Inova. Disponível em:https://udop.com.br/index.php?item=noticias&cod=1135561>. Acesso em: 20 set. 2019.

Downloads

Publicado

10/09/2021

Como Citar

Sampaio, A. C. dos S. T., Lima, M. das G. de, & Silva, L. M. (2021). “ESSE EITO É MEU”: O TRABALHO NO ESPAÇO DO CANAVIAL. GEOFRONTER, 7(1). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/GEOF/article/view/6505

Edição

Seção

Artigos