PARDOS E PRETOS NO SISTEMA CARCERÁRIO: OS NÚMEROS E SUA RELAÇÃO HISTÓRICA

Visualizações: 572

Autores

  • Raíssa Raimundo da Silva Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Dourados/MS
  • Joaquim Carlos Klein de Alencar Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Resumo

O processo de colonização e a consequente escravização no Brasil histórico, resultaram em fatos sociais, jurídicos e políticos representado por um racismo estrutural, em que uma das expressões pode ser verificável no sistema carcerário nacional. No ano de 2014 foi divulgado o Levantamento Nacional de informações penitenciárias (INFOPEN) do mês de junho, realizado pela DEPEN. A partir dos levantamentos, com referência à página 50, obtêm-se os dados referentes ao sistema prisional comparando raça, cor e etnia. O primeiro gráfico disponível mostra que 67% do sistema carcerário é ocupado por pessoas negras, é um número que merece ênfase.

Biografia do Autor

Raíssa Raimundo da Silva, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Dourados/MS

Acadêmica em Direito pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS Dourados/MS

Joaquim Carlos Klein de Alencar, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Doutorando no Programa de Pós Graduação em História na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD); Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS); Graduado em Direito pelo Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN). Coordenador e Docente do Curso de Graduação em Direito; e, do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direitos Difusos e Coletivos da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), U. U. Dourados/MS

Referências

DEPEN. Justica.gov.br: Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias INFOPEN- JUNHO DE 2014. Disponível em: https://www.justica.gov.br/news/mj-divulgara-novo-relatorio-do-infopen-nesta-terca-feira/relatorio-depen-versao-web.pdf/view . Acesso em: 08 de outubro, 2020.

GASPAR, Osmar Teixeira; MUNANGA, Kabengele. Direitos políticos e representatividade da população negra na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo e Câmara Municipal de São Paulo. 2017.Biblioteca Digital USP, São Paulo, 2017. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2/2140/tde-21082020-030539/pt-br.php . Acesso em: 13 de outubro,2020.

MUNANGA, Kabengele. Teoria Social e Relações Raciais no Brasil contemporâneo. Mprj.mp.br, 2018. Disponível em: https://www.mprj.mp.br/documents/20184/172682/teoria_social_relacoes_sociais_brasil_contemporaneo.pdf . Acesso em:13 de outubro, 2020.

SARAIVA, Adriana. População chega a 205,5milhões, com menos brancos e mais pardos e pretos. AGÊNCIA IBGE NOTÍCIAS, 24 de novembro, 2017 as 10hrs00. Disponível em: < https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/18282-populacao-chega-a-205-5-milhoes-com-menos-brancos-e-mais-pardos-e-pretos> . Acesso em: 08 de outubro, 2020.

Downloads

Publicado

2021-06-17

Como Citar

Silva, R. R. da, & Alencar, J. C. K. de. (2021). PARDOS E PRETOS NO SISTEMA CARCERÁRIO: OS NÚMEROS E SUA RELAÇÃO HISTÓRICA. REVISTA JURÍDICA DIREITO, SOCIEDADE E JUSTIÇA, 7(10). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/RJDSJ/article/view/6407

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>