O Lugar E Seu Nome

Revisitando Os Topônimos Dos Municípios Alagoanos De Taxe Natureza Física Na Ocupação Humana Do Espaço Geográfico

Visualizações: 59

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/wrlem.v1i22.5959

Palavras-chave:

Onomástica, Léxico toponímico, Cultura, Alagoas

Resumo

Os nomes de municípios de Alagoas não estão alheios às memórias destes lugares habitados e o conhecimento de suas taxes e motivações toponomásticas permitem compreender os enredos da formação e sedentarização do homem em terras alagoanas. Sob esse olhar, este artigo objetiva apresentar uma descrição linguística do inventário dos 53 nomes, caracterizados pelas taxes de natureza física, atribuídos a municípios alagoanos (IBGE, 2021). Quanto à metodologia empregada, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, de abordagem quali-quantitativa, fundamentada, pelos princípios teórico-metodológicos da Toponímia, em especial pelo modelo teórico de Dick (1990 e posteriores). Após as análises, identificou-se 8 taxes de natureza física no corpus analisado, os resultados apontaram que as taxes dos fitotopônimos e hidrotopônimos foram as mais produtivas, com registros de 18 ocorrências para cada categoria toponomástica, de um total de 53 macrotopônimos. No âmbito dos hidrotopônimos, evidenciou-se a valoração da hidrografia local, materializando, no léxico toponímico, os vínculos denominativos entre o lugar e seu nome em três esferas complementares em que o elemento água se sobressai, quais sejam i) nomes de acidentes hídricos em território alagoano, ii) a paisagem das regiões de beira-mar das lagoas e praias alagoanas e iii) o ânimo valorativo do sujeito-nomeador em relação ao recurso hídrico alagoano. No âmbito dos fitotopônimos, evidenciou-se a intencionalidade, que anima o sujeito-nomeador, associada à descrição e ao resgate de espécies vegetais da flora local em sua individualidade ou coletividade, em que se encontra o município nomeado, traduzindo, no léxico toponímico, traços das especificidades naturais do estado.

Biografia do Autor

PEDRO ANTONIO GOMES DE MELO, Universidade Estadual de Alagoas (UNEAL)

Graduação em Letras: Português e Inglês pelo Centro de Ensino Superior de Maceió (CESMAC).  Mestre em Letras pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e Doutor em Letras pela Universidade Estadual de Maringá/PR (UEM), área de concentração em Linguística. Atualmente, é Professor Titular da Universidade Estadual de Alagoas (UNEAL).

Referências

CARVALHO, Cícero Péricles de. Formação histórica de Alagoas. 4. ed. Maceió : EDUFAL, 2016.

CHUECA, Pascual Riesco. NombresenelPaisaje: latoponimia, fuente de conocimiento y aprecio delterritorio. In. Cuadernos Geográficos, n. 46, Sevilla: Universidad de Sevilla, 2010, p. 7-34.

CUNHA, Antonio Geraldo da. Dicionário Etimológico da língua portuguesa. 4. ed. Ver atual. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010. 744 p.

DICK, M. V. de P. do A. A motivação toponímica: princípios teóricos e modelos taxionômicos. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo. São Paulo, 1980, 198 p.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral.A Motivação Toponímica e a Realidade Brasileira. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo, Edições Arquivo do Estado, 1990.

DICK, M. V. de P. do A. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de estudos. São Paulo: Serviço de Artes Gráficas/FFLCH/USP, 1992.

DICK, M. V. de P. do A., Fundamentos teóricos da toponímia. Estudo de caso: o projeto Atemig - Atlas toponímico de Minas Gerais (variante regional do Atlas toponímico do Brasil). In SEABRA, M. C. T. C. de (org.) O léxico em estudo. Belo Horizonte: UFMG, 2006, p. 91-118.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Atlas toponímico do Brasil: teoria e prática II. Revista Trama.Vol. 3, n. 5, p. 141-155, jan/jun., 2007.

ISQUERDO, Aparecida Negri (org.), Toponímia urbana no Brasil: Estudos. Campo Grande, MS : Ed. UFMS, 2023.

ISQUERDO, Aparecida Negri. Léxico regional e léxico toponímico: interfaces linguísticas, históricas e culturais. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; SEABRA, Maria Cândida Trindade Costa de (org.). As ciências do léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. v. VI. Campo Grande: Editora da UFMS, 2012, p. 115-139.

ISQUERDO, Aparecida Negri. O nome do município: um estudo etnolinguístico e sócio-histórico na toponímia sul-mato-grossense.Prolíngua. v 2, n. 2 - jul/dez de 2008. p. 34-52. Disponível em: <http://www.okara.ufpb.br/ojs2/index.php/prolingua/issue/view/1064>. Acessado em 12/09/ 2017.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico, 14 ed. — Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

MELO,Pedro Antonio Gomes de.DicionárioToponímicodeAlagoas(DITAL):municípioseseusaspectos linguísticos e extralinguísticos. 2018. Tese (Doutorado em Letras: EstudosLinguísticos) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Estadual deMaringá, Maringá,2018.

MENDONÇA, Carlos Alberto Pinheiro et al. Enciclopédia Municípios de Alagoas. 3. ed. amp. e ver. Instituto Arno de Mello. Maceió. Núcleo de Projetos Especiais. 2012, 540 p. Disponível em<http://www.youblisher.com/p/525211-Enciclopedia-dos-Municipios-de-Alagoas/>. Acesso em: 10 ago. 2016.

SALAZAR-QUIJADA, Adolfo. La toponímia em Venezuela. Caracas: Universidad Central de Venezuela, 1985.

SANTOS, Kairo da Silva. Toponímia e Geografia: Novos caminhos para o estudo crítico da nomeação dos lugares. 2023. Tese de Doutorado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2023.

SOLIS FONSECA, G. La gente pasa, losnombresquedan. Introduccionenla Toponímia. Lima: Ed. Lengua y Sociedad, 1997.

TIBIRIÇÁ, Luiz Caldas. Dicionário de Topônimos Brasileiros de Origem Tupi:significado dos nomes geográficos de origem tupi. 2.ed. Brasil: Traço, 1997. 197 p.

Downloads

Publicado

28-05-2024

Como Citar

MELO, P. A. G. D. (2024). O Lugar E Seu Nome : Revisitando Os Topônimos Dos Municípios Alagoanos De Taxe Natureza Física Na Ocupação Humana Do Espaço Geográfico. WEB REVISTA LINGUAGEM, EDUCAÇÃO E MEMÓRIA, 1(22), 1–20. https://doi.org/10.61389/wrlem.v1i22.5959