Análise do desempenho de alunos ingressantes de engenharia na disciplina de cálculo diferencial e integral I

Visualizações: 1092

Autores

  • Edinéia Zarpelon Universidade Tecnológica Federal do Paraná-UTFPR http://orcid.org/0000-0002-4715-1450
  • Luis Mauricio Martins de Resende Universidade Tecnológica Federal do Paraná-UTFPR
  • Ednei Felix Reis Universidade Tecnológica Federal do Paraná-UTFPR

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v8i22.1416

Palavras-chave:

Engenharia. Cálculo Diferencial e Integral I. Reprovação.

Resumo

Este artigo tem como objetivo avaliar variáveis a fim de verificar quais delas são efetivamente significativas para a reprovação de alunos ingressantes de cursos de engenharia na disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I. Por meio de uma pesquisa bibliográfica, elencou-se os fatores mais citados como passíveis de influenciar o desempenho de alunos ingressantes de engenharia, identificando-se dois principais eixos temáticos: conhecimento matemático prévio e estrutura didático/pedagógica dos cursos de engenharia. Desses eixos foram associadas e investigadas as seguintes variáveis: nota obtida pelos estudantes na prova de Matemática do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), pesos atribuídos às provas de Matemática do ENEM, período de ingresso no curso (outono ou primavera), conhecimento matemático básico prévio, carga horária semanal de aulas a que são submetidos esses alunos e metodologia de avaliação diferenciada. Para tal análise utilizou-se de um estudo de caso, tendo como foco a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Trata-se de uma pesquisa quantitativa, cuja amostra é composta por 3.010 ingressantes nos cursos de engenharia em dois câmpus da UTFPR, no período compreendido de 2010 a 2014. Os dados foram coletados por meio de consultas ao sistema acadêmico institucional e aplicação de testes junto aos alunos ingressantes. Em síntese, os resultados apontam para a existência de relação entre o desempenho acadêmico em Cálculo Diferencial e Integral I e as cinco primeiras variáveis supramencionadas. Quanto à metodologia de avaliação diferenciada aplicada neste estudo os resultados não trazem evidências da influência desta variável no desempenho acadêmico.

 

Biografia do Autor

Edinéia Zarpelon, Universidade Tecnológica Federal do Paraná-UTFPR

Professora do Departamento Acadêmico de Matemática da UTFPR-Câmpus Pato Branco.

Referências

BARBOSA, Marcos Antonio. O insucesso no Ensino Aprendizagem na Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral. 2004. 101 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Pontíficia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2004.

BAZZO, W. A.; VALE PEREIRA, L. T. Introdução à engenharia: conceitos, ferramentas e comportamentos. 4. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2013.

BOGAARD, M. Explaining student success in engineering education at Delft University of Technology: a literature synthesis. European Journal of Engineering Education, v.37, n.1, p. 59-82, março 2012.

CAVASOTTO, M. Dificuldades na aprendizagem de cálculo: o que os erros podem informar. 2010. 141 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

CAVASOTTO, M.; VIALI, L. Dificuldades na aprendizagem de cálculo: o que os erros podem informar. Boletim GEPEM, nº 59, p. 15-33, jul-dez. 2011.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

GARZELLA, F. A. C. A disciplina de Cálculo I: a análise das relações entre as práticas pedagógicas do professor e seus impactos nos alunos. 2013. 298 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, São Paulo. 2013.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HENSEL, R.; SIGLER, J. R.; LOWERY, A. Breaking the cycle of Calculus Failure: Models of Early Math Intervention to Enhance Engineering Retention. Disponível em: <https://www.asee.org/public/conferences/8/papers/3737/download > Acesso em 03 de novembro de 2015.

LACAZ, T. M.; CARVALHO, M. T.; FERNANDES, J. A. Implicações das dificuldades dos alunos na aprendizagem da disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I da FEG/UNESP para as práticas pedagógicas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA, 35, 2007, Curitiba. Anais... Unicep, 2007. CD-ROM

LOPES, A. Algumas reflexões sobre a questão do alto índice de reprovação no curso de Cálculo da UFRGS. Matemática Universitária. n. 26/27, 1999.

MENESTRINA, T. C., MORAES, A. F. Alternativas para uma aprendizagem Significativa em Engenharia: Curso de Matemática Básica. Revista Brasileira de Ensino de Engenharia, v.30, n.1, p.52-60, 2011.

OLIVEIRA, M. C. A.; RAAD, M. R. A existência de uma cultura escolar de reprovação no ensino de Cálculo. Boletim GEPEM, n. 61, p. 125-137, jul–dez. 2012.

REHFELDT, M. J. H.; NICOLINI, C. A. H.; QUARTIERI, M. T.; GIONGO, I. M. Investigando os conhecimentos prévios dos alunos de Cálculo do Centro Universitário Univates. Revista de Ensino de Engenharia, v.31, n.1, p.24-30, 2012.

SANTAROSA, M. C. P.; MOREIRA, M. A. O Cálculo nas aulas de Física da UFRGS: um estudo exploratório. Investigações em Ensino de Ciências, v. 16(2), pp. 317-351, 2011.

SOARES DE MELLO, J. C. C. B.; SOARES DE MELLO M. H. C.; FERNANDES, A. J. S. Mudanças no ensino de Cálculo I: Histórico e Perspectivas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA, 29. Anais... Porto Alegre, 2001.

TRIOLA, M. F. Introdução à estatística: atualização da tecnologia. 11. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2014.

WITTE, R. S.; WITTE, J. S. Estatística. Rio de Janeiro: LTC, 2005.

Downloads

Publicado

16-05-2017

Como Citar

Zarpelon, E., Martins de Resende, L. M., & Reis, E. F. (2017). Análise do desempenho de alunos ingressantes de engenharia na disciplina de cálculo diferencial e integral I. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 8(22), 303–335. https://doi.org/10.26514/inter.v8i22.1416