Processos de aprendizagem e desenvolvimento de crianças prematuras: uma temática essencial e salutar às áreas de educação e saúde

Visualizações: 947

Autores

  • Jucélia Linhares Granemann Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Câmpus de Três Lagoas
  • Alexandra Ayach Anache Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v8i22.1646

Palavras-chave:

Aprendizagem. Desenvolvimento. Criança prematura.

Resumo

No Brasil, alguma ações vêm sendo efetivadas, com vistas a prevenir possíveis deficiências que podem atingir a criança desde seus primeiros anos de vida. Para tanto, este estudo tem como objetivo principal, analisar o processo de aprendizagem e de desenvolvimento de 30 crianças nascidas prematuras, com idades gestacionais de até 35 semanas, acompanhadas pelo Núcleo do Hospital Universitário em Campo Grande, MS. Tratou-se de uma pesquisa de base qualitativa apoiada na perspectiva histórico-cultural utilizando, inicialmente, entrevistas com familiares e profissionais do setor. Tais dados foram associados às informações dos prontuários, dos protocolos das crianças, além de, após a alta, nos atendimentos ambulatoriais, serem avaliadas nos aspectos cognitivo, afetivo, social e motor, conforme as avaliações apoiadas na escala de desenvolvimento do comportamento da criança, de Batista Pinto, Villanova e Vieira (1997), no Inventário de Níveis de Funcionamento Psicossocial, elaborado por Leal (2004). Nesse momento foram observados os impactos da prematuridade sob os processos de aprendizagem e de desenvolvimento dessas crianças, levantando-se maiores dificuldades em comportamentos ou competências relativas às áreas de comunicação, locomoção e independência. Após esse período, sugere-se que essas crianças sejam assistidas nos centros de educação infantil e pela Classe Hospitalar, quando em situação de hospitalização.

 

 

Biografia do Autor

Jucélia Linhares Granemann, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Câmpus de Três Lagoas

Pedagogia

Alexandra Ayach Anache, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (1984), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1991) e doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (1997). Pós Doutorado em Educação na Universidade de Brasília, com ênfase em educação especial. É professor titular da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia do Ensino e da Aprendizagem, e avaliação psicológica, atuando principalmente nos seguintes temas: educação especial, deficiência intelectual, educação, psicologia e educação inclusiva. Coordenou a Divisão de Acessibilidade e ações afirmativas da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Estudantis da UFMS de 2013 a 2016. Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Psicologia do Centro de Ciências Humanas e Sociais da UFMS.

Referências

ANDERSON, P. J.; DOYLE, L. W. Executive functioning in school-aged children who were born very pretermor with extremely low birth weight in the 1990. Pediatrics, v. 114, n. 1, p. 50-57, jul. 2004.

AYACHE, M. G.; MARIANI NETO, C. M. Considerações sobre o desenvolvimento motor do prematuro. Temas Desenvolvimento, v. 12, n. 71, p. 5-9, 2003.

AYLWARD, G. P. Cognitive and neuropsychological outcomes: more than IQ scores. Mental Retardation and Developmental Disabilities Research Reviews, v. 8, p. 234-240, 2002.

_______. Neurodevelopmental outcomes of infants born prematurely. Journal of Developmental and Biobehavioral Pediatrics, v. 26, p. 427-440, 2005.

BARELA, J. A. Exploração e seleção definem o curso do desenvolvimento motor. Desenvolvimento motor: visão dinâmica. Rev. Bras. Educ. Fís., São Paulo, v. 20, p. 111-113, 2006.

BARRINGTON, K. J.; FINER, N. Inhaled nitric oxide for respiratory failure in preterm infants. Cochrane Database of Systematic Reviews, v. 12, p. 123-128, 2010.

BATISTA PINTO, E.; VILANOVA, L. C. P.; VIEIRA, R. M. O desenvolvimento do comportamento da criança no primeiro ano de vida: padronização de uma escala para a avaliação e o acompanhamento. São Paulo, SP: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, 1997.

BHUTTA, A. T.; CLEVES, M.A.; CASEY, P. H.; CRADOCK, M. M.; ANAND, K. J. S. Cognitive and behavioral outcomes of school-aged children who were born preterm: A meta-analysis. JAMA: The Journal of the American Medical Association, v. 288, p. 728-737, 2002.

BITTAR, R. E. Cervical fetal fibronectin in patients at increased risk for preterm delivery. Am J Obstet Gynecol, v. 175, n. 1, p. 178-181, 2003.

BORDIM, M. B. M,; LINHARES, M. B. M.; JORGE, S. M. Aspectos cognitivos e comportamentais na média meninice de crianças nascidas pré-termo e com muito baixo peso. Psic Teor e Pesq., v. 17, n. 1, p. 49-57, 2001.

BRASIL. Classe hospitalar e atendimento pedagógico domiciliar: estratégias e orientações. Brasília: MEC/SEESP, 2002.

BRAZELTON, T. B.; CRAMER, B. G. As primeiras relações. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

CAÇOLA, P.; BOBBIO, T. G. Baixo peso ao nascer e alterações do desenvolvimento motor: a realidade atual. Revista Paulista de Pediatria, v. 18, n. 1, p. 70-76, 2010.

CARVALHO, A. E. V. Sobrevivência e qualidade de vida: história de desenvolvimento, aprendizagem e adaptação psicossocial de crianças nascidas pré-termo e com muito baixo peso (< 1500g) em comparação com crianças nascidas a termo. 2000. Dissertação (Mestrado em Psicologia)- Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, 2000.

CARVALHO, A. E. V.; GOMES, M. A. A morte do prematuro em nosso meio: realidade e desafios. J. Pediatr, v. 81, n. 1, p. 111-118, maio 2005.

CARVALHO, A. E. V.; LINHARES, M. B. M.; MARTINEZ, F. E. História de desenvolvimento e comportamento de crianças prematuras e de baixo peso (<1500g). Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 2, p. 98, 1999.

CASCAES, A. M.; GAUCHE, H.; BARAMARCHI, F. M.; BORGES, C. M.; PEREZ, K. G. Prematuridade e fatores associados no Estado de Santa Catarina, Brasil, no ano de 2005:análise dos dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos. Cad Saúde Pública, v. 24, n. 5, p. 1024-1032, 2008.

DELOBEL-AYOUB, M.; ARNAUD, C.; WHITE-KONING, M.; CASPER, C.; PIERRAT, V.; GAREL, M. et al. Behavioral problems and cognitive performance at 5 years of age after very preterm birth: the epipage study. Pediatrics, v. 123, p. 1485-1492, 2009.

DOYLE, L. W.; FABER, B.; CALLANAN, C.; FORD, G. W.; DAVIS, N. M. Extremely low birth weight and body size in early adulthood. Arch Dis Child, n. 89, p. 347-350, 2004.

FAÚNDES, A.; CECATTI, J. G. A operação cesárea no Brasil. Incidência, tendências, causas, conseqüências e propostas de ação. Cad Saúde Pública, v. 7, p. 150-173, 1991.

FREITAS, M. de; SEGRE, A. de M.; BORGE, J. S.; GLINAV, S.; LEONE, C. A.; SIQUEIRA, A. F. de. Rev. Bras. Crescimento Desenvolv. Hum, São Paulo, v. 18, n. 3, dez. 2008.

GABANI, F. L.; SANTANA, S. M. A. Categorização dos nascimentos vivos no município de Londrina (PR) a partir de dados de nascimento, 1994 a 2007. Ciência Cuidado Saúde, v. 9, n. 7, p. 205-213, abr./jun. 2010.

GUIMARÃES, A. A. G.; VELÁSQUEZ-MELÉNDEZ, G. Determinantes do baixo peso ao nascer a partir do sistema de informação sobre nascidos vivos em Itaúna, Minas Gerais. Rev Bras Saúde Matern Infant. v. 2, p. 283-290, 2002.

HAAN, M.; BAUER, P. J.; GEORGIEFF, M. K.; NELSON, C.A. Explicit memory in low-risk infant aged 19 months born between 27 e 42 week of gestation. Dev Med Child Neurol., v. 42, n. 5, p. 304-312, 2000.

HAGGERTY, R. J., SHERROD, L. R., GAMEZY, N.; RUTTER, M. Stress, risk and resilience in children and adolescents: process, mechanisms and interventions. New York: Cambridge University Press, 2000.

HALPERN, R.; IUGLIANI, E. R. J.; VICTORA, C. G.; BARROS, F. C.; HORTA, B. L. Fatores de risco para suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor aos 12 meses de vida. Jornal de Pediatria, v. 76, n. 6, p. 421-428, 2000.

INE-INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA. Estatísticas demográficas: 2008. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, 2009.

ISHII, C.; MIRANDA, C. S.; ISOTANI, S. M.; PERISSINOTO, J. Caracterização de comportamentos linguísticos de crianças nascidas prematuras, aos quatro anos de idade. Rev CEFAC, v. 8, n. 2, p.147-154, 2006.

KLAUS, M. H.; KENNELL, J. H. Relación madre-hijo: impacto de la separación e perdida prematura en el desarrollo de la familia. Buenos Aires: Panamericana, 1978.

_______. Vínculo: construindo as bases para um apego seguro e para a independência. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

LEAL, M. R. M. Introdução ao estudo dos processos de socialização precoce da criança. São Paulo: IPAF, 2004.

LEITE, H. P. A nutrição adequada pode melhorar o prognóstico dos neonatos prematuros. Rev. Bras Ter. Intensiva, v. 18, p. 5-10, 2011.

LINHARES, M. B. M. Estresse, resiliência e cuidado no desenvolvimento de neonatos de alto risco. In: MENDES, E. G.; ALMEIDA, M.A.; WILLIAMS, L. C. A. (Orgs.). Temas em educação especial: avanços recentes. São Carlos: EDUFSCar, 2004. p. 315-324.

LINHARES, M. B. M.; LOUREIRO, S. R. Vulnerabilidade e proteção: indicadores na trajetória de desenvolvimento do escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

LORENA, S. H. T.; BRITO, J. M. S. Estudo retrospectivo de crianças pré-termo no Ambulatório de Especialidades Jardim Peri-Peri. Arq Bras Oftalmol., v. 72, n. 3, p. 360-364, 2009.

LUCENA, N. M. G.; ARAGÃO, P. O. R.; ANDRADE, S. M. M. S.; LUCENA, L. C.; MELO, L. G. B.; ROCHA, T. V. R. Estudo do desenvolvimento motor primário de crianças em idade escolar submetidas à avaliação psicomotora. Arq Ciênc Saúde, v. 16, n. 3, p. 120-126, 2009.

LUMLEY, J. The epidemiology of preterm birth. Baillieres Clin Obstet Gynaecol., v. 7, p. 477-498, 1993.

MAGALHÃES, L. C.; CATARINA, P. W.; BARBOSA, V. M.; MANCINI, M. C.; PAIXÃO, M. L. Estudo comparativo sobre o desempenho perceptual e motor na idade escolar em crianças nascidas pré-termo e a termo. Arq Neuropsiquiatr., v. 61, n. 2A, p. 250-255, 2003.

MANCINI, M. C. Estudo do desenvolvimento da função motora de 8 a 12 meses de idade em crianças nascidas pré-termo e a termo. Arquivos de Neuropsiquiatria, v. 60, n. 4, p. 974-980, 2002.

MANCUSO, R. A.; SCHETTER, C. D.; RINI, C. M.; ROESCH, S. C.; HOBEL, C. J. Maternal prenatal anxiety and corticotropin-releasing hormone associated with timing of delivery Pediatria básica. Psychosom Med., v. 66, p. 762-769, 2004.

MARCONDES, E. Pediatria básica. 9. ed. São Paulo: Sarvier, 2002.

MARLOW, N. Neurocognitive outcome after very preterm birth. Arch Dis Child Fetal Neonatal, v. 89, n. 3, p. F224-F228, 2004.

MÉIO, M. D. B. B.; LOPES, C. S.; MORSCH, D. S. Fatores prognósticos para o desenvolvimento cognitivo de prematuros de muito baixo peso. Rev Saúde Pública, v. 37, n. 3, p. 311-318, 2003.

MENEZES, A. M. B.; BARROS, F. C.; VICTORA, C. G.; TOMASI, E.; HALPERN, R.; OLIVEIRA, A. L. B. Fatores de risco para a mortalidade perinatal em Pelotas, RS, 1993. Rev Saúde Pública, v. 32, n. 3, p. 209-216, 2007.

MOLINA, R. C. M.; VARELA, P. L. R.; CASTILHO, S. A.; BERCINI, L. O.; MARCON, S. S. Presença da família nas Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica e Neonatal: visão da equipe multiprofissional. Esc Anna Nery Rev Enferm., v. 11, n. 3, p. 437-444, 2007.

MORON, A. F.; ALMEIDA, P. A. M. Gestação em idade avançada. In: SALES, J. M.; VITIELLO, N.; CONCEIÇÃO, I. S. C.; CANELLA, P. R. B. (Org.). Tratado de assistência pré-natal. São Paulo: Editora Roca, 1989. p. 199-205.

PARKER, J. D.; SCHOENDORF, K. C.; KIELY, J. L. A comparison of recent trends in infant mortality among twins and singletons. Pediatr Perin Epidemiol., v. 1, n. 15, p. 12-18, jan. 2001.

PEDROMÔNICO, M. R. M. Problemas de desenvolvimento da criança: prevenção e intervenção. Temas sobre Desenvolvimento, São Paulo, v. 1, p. 7-9, 2003. Suplemento especial.

REIS, A. O. A.; RIBEIRO, M. A. A. Gravidez na adolescência. 2007. Disponível em: <http://www.fozdoiguacu.pr.gov.br/noticias/link44.htm>. Acesso em: 12 ago. 2012.

RESEGUE, R.; PUCCINI, R. F.; SILVA, E. M. K. Fatores de risco associado a alterações do desenvolvimento da criança. Jornal de Pediatria, v. 83, n. 2, p. 149-156, 2007.

RONDÓ, P. H.; FERREIRA, R. F.; NOGUEIRA, F.; RIBEIRO, M. C.; LOBERT, H.; ARTES, R. Maternal psychologicalanddistress as predictor of low birth weight, prematurity and intra uterine growth retardation. Eur J ClinNutr., v. 57, n. 2, p. 266-272, 2003.

RUGOLO, L. M. Growth and developmental outcomes of the extremely preterm infant. J Pediatr. Rio de Janeiro, v. 81, 2005. Suplemento S101-10.

SAIGAL, S.; STOSKOPF, B.; BOYLE, M.; PANETH, N.; PINELLI, J.; STREINER, D. et al. Comparison of current health, functional limitations, and health care use of young adults who were born with extremely low birth weight and normal birth weight. Pediatrics, v. 119, n. 3, p. e562-e573, 2007.

SANSAVINI, A.; GUARINI, A.; ALESSANDRONI, R.; FALDELLA, G.; GIOVANELLI, G.; SALVIOLI, G. Early relations between lexical and grammatical development in very immature Italian preterms. J Child Lang., v. 33, n. 1, p. 199-216, 2006.

SEGRE, C. A. M. Perineonatologia: fundamentos e prática. São Paulo: Sarrier, 2002.

SILBERTIN-BLANC, M.; HASCOET, J. M.; TCHENIO, D. Regards croisés et divergents des professionnels sur les bébés nés "trés grand prématurés". Neuropsychiatrie de l'enfance et de l'adolescence, n. 49, p. 449-460, 2001.

SULLIVAN, M. C.; McGRATH, M. M. Perinatal morbidity, mild motor delay, andater school outcomes. Dev Med Child Neurol., v. 45, p. 104-112, 2003.

SYMINGTON, A.; PINELLI, J. Developmental care for promoting development and preventing morbidity in preterm infants. Cochrane Database Syst Rev., v. 4, 2008.

TAYLOR, H. G.; MINICH, N. M.; KLEIN, N.; HACK, M. Longitudinal outcomes of very low birth weight: neuropsychological findings. J Int Neuropsychol Soc., v. 10, n. 2, p. 149-163, 2004.

THOMAZ, D. M.; PALHARES, D. B. Suplemento nutricional derivado do leite humano para o recém-nascido de muito baixo peso. 2010. Dissertação (Mestrado em Medicina)- Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, 2010.

VAN BAAR, A. L.; VERMAAS, J.; KNOTS, E.; KLEINE, M. J. K.; SOONS, P. Functioning at school age of moderately preterm children born at 32 to 36 weeks’ gestational age. Pediatrics, v. 124, p. 251-257, 2009.

VIK, T.; BAKKETEIG, L. S.; TRYGG, K. U.; LUND-LARSEN, K.; JACOBSEN, G. High caffeine consumption in the third trimester of pregnancy: gender-specific effects on fetal growth. Pediatr Perinat Epidemiol., v. 17, p. 324-331, 2003.

WILLRICH, A.; AZEVEDO, C. C. F.; FERNANDES, J. O. Desenvolvimento motor na infância influência dos fatores de risco e programas de intervenção. Rev Neurocienc., v. 17, n. 1, p. 51-56, p. 2008.

WHO-World Health Organization. Appropriate technology for birth. Lancet, v. 2, p. 436-437, p. 1985.

UNICAMP-Universidade Estadual de Campinas. Brasil tem 40 partos prematuros por hora. Campinas, SP: Divulgação Caism/UNICAMP, 14 nov. 2014. Disponível em: <http://www.unicamp.br/unicamp/noticias/2014/11/14/brasil-tem-40-partos-prematuros-por-hora>. Acesso em: 3 nov. 2016.

Downloads

Publicado

16-05-2017

Como Citar

Granemann, J. L., & Anache, A. A. (2017). Processos de aprendizagem e desenvolvimento de crianças prematuras: uma temática essencial e salutar às áreas de educação e saúde. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 8(22), 388–415. https://doi.org/10.26514/inter.v8i22.1646