A Educação Ambiental Crítica na formação inicial de licenciandos em Ciências Biológicas: contribuições e limitações

Visualizações: 1072

Autores

  • Carolina Borghi Mendes Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), campus Jacarezinho/PR, Centro de Ciências Humanas e da Educação, Colegiado de Ciências Biológicas. https://orcid.org/0000-0001-6963-0121
  • Maria de Lourdes Spazziani Professora Adjunta na Universidade Estadual Paulista (UNESP), Instituto de Biociências de Botucatu e Faculdade de Ciências de Bauru.

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v9i26.2501

Palavras-chave:

Educação Ambiental Crítica. Formação Docente. Formação Inicial em Ciências Biológicas. Educação Superior.

Resumo

O presente trabalho se propõe a apresentar dados e reflexões sobre uma disciplina de Educação Ambiental (EA), pautada na vertente crítica, desenvolvida num curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, a partir de uma atividade desenvolvida pelos licenciandos e sua relação com as aulas. Pauta-se no Materialismo Histórico-Dialético enquanto fundamento teórico-metodológico e caracteriza-se como uma pesquisa qualitativa de intervenção educativa, em que a docente é também pesquisadora. Notou-se que a EA Crítica enquanto perspectiva teórica e metodológica da disciplina contribuiu com formação inicial dos professores/educadores ambientais, ainda que tenham existido limitadores objetivos nesse processo educativo, revelando a estreita relação entre o contexto educacional e as relações sociais mais amplas, apontando-se para a necessidade de repensar, continuamente, o ensino superior.

Biografia do Autor

Carolina Borghi Mendes, Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), campus Jacarezinho/PR, Centro de Ciências Humanas e da Educação, Colegiado de Ciências Biológicas.

Doutoranda e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Bauru/SP e graduada em Licenciatura em Ciências Biológicas pela mesma instituição. Integrante do Grupo de Pesquisa em Educação Ambiental (GPEA), vinculado ao mesmo Programa de Pós-Graduação, e do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Ambiental, Sustentabilidade e Ambientalização (GEPEASA). Atualmente é Professora Colaboradora nas disciplinas de Didática, Políticas Públicas Educacionais e Metodologia e Prática de Ensino de Ciências, do Colegiado de Ciências Biológicas,Centro de Ciências Humanas e da Educação na Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), campus Jacarezinho/PR.

Maria de Lourdes Spazziani, Professora Adjunta na Universidade Estadual Paulista (UNESP), Instituto de Biociências de Botucatu e Faculdade de Ciências de Bauru.

Possui graduação em Ciências Biológicas e Pedagogia. Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1990), doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1999) e pós-doutoramento em Educação Ambiental pela ESALQ/USP (2002). Atualmente é professor assistente doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Câmpus de Botucatu, e credenciada no PPG Educação em Ciência do Câmpus de Bauru. Atua na formação de professores e educadores ambientais e desenvolve estudos na área de Educação Ambiental, Ensino da Saúde e Ensino de Ciências, com ênfase teórico-metodológico da psicologia histórico-cultural.

Referências

BRASIL. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: apresentação dos temas transversais. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Política Nacional de Educação Ambiental. Lei 9.795, de 27 de abril de 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9795.htm>. Acesso em: 15 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Educação na diversidade: o que fazem as escolas que dizem que fazem educação ambiental? TRABJER, R.; MENDONÇA, P. R. (Orgs.). Brasília: MEC/SECAD, Coleção Educação para Todos, Série Avaliação, n. 6, v. 23, 2007.

BRÜGGER, P. Educação ou adestramento ambiental? Florianópolis, SC: Letras Contemporâneas. 1994.

CASTRO, R. S.; SPAZZIANI, M. L. Contribuições de Piaget e Vygotsky a Educação Ambiental. In: NOAL, F.; CASTRO, R. S.; REIGOTA, M. Tendências da Educação Ambiental Brasileira. Santa Maria, SC: UNISC, 2000. p. 21-31.

DUARTE, M. S. et al. Perspectivas para além da racionalidade técnica na formação de professores das ciências. In: VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC), Florianópolis, 2009. Anais... Florianópolis, 2009, p. 1-11. Disponível em: < http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/novo_07.pdf>. Acesso em 12 de fev. 2018.

FOSSALUZA, A. S. As ações em Educação Ambiental realizadas por Organizações Não-Governamentais no Estado de São Paulo: alcances e limitações. 2015. 206f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) - Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência, Faculdade de Ciências/UNESP, Bauru, 2015. Disponível em: < https://repositorio.unesp.br/handle/11449/77029/discover?field=author&filtertype_0=subject&filter_0=Educa%C3%A7%C3%A3o+ambiental&filter_relational_operator_0=equals&filtertype=author&filter_relational_operator=equals&filter=Fossaluza%2C+Andr%C3%A9+Santachiara+%5BUNESP%5D>. Acesso em: 20 de nov. 2017.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. Mapeando as macro-tendências político-pedagógicas da educação ambiental contemporânea no Brasil. In: VI Encontro de Pesquisa em Educação Ambiental (EPEA), Ribeirão Preto, 2011. Anais... Ribeirão Preto, 2011, p. 1-15. Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/educacaoambiental/images/stories/biblioteca/educacao_ambiental/Layrargues_e_Lima_-_Mapeando_as_macro-tend%C3%83%C2%AAncias_da_EA.pdf>. Acesso em: 15 de jan. 2018.

LAYRARGUES, P. P. O cinismo da reciclagem: o significado ideológico da reciclagem da lata de alumínio e suas implicações para a educação ambiental. In: LOUREIRO, C.F.B.; LAYRARGUES, P.P.; CASTRO, R. de S. (Orgs.) Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. São Paulo: Cortez, 2002. p. 179-219.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2012.

LOUREIRO, C. F. B. Contribuições da teoria marxista para a educação ambiental crítica. Cad. CEDES [online], v. 29, n.77, p.81-97, 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-32622009000100006&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 10 de jan. 2018.

MAIA, J. S. Educação Ambiental Crítica e formação de professores. 1ª ed. Curitiba, PR: Appris, 2015.

MARQUES, L. Capitalismo e Colapso Ambiental. Unicamp: Campinas, 2016.

MARTINS, L. M. A internalização de signos como intermediação entre a Psicologia Histórico Cultural e a Pedagogia Histórico-Crítica. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 7, n. 1, p. 44-57, jun. 2015.

MARX, K. O Capital – Crítica da Economia Política. Livro I – Volume I. 28º ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

MENDES, C. B. Influências de instituições externas à escola pública: privatização do ensino a partir da Educação Ambiental? 2015. 232f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) - Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência, Faculdade de Ciências/UNESP, Bauru, 2015. Disponível em: < http://www2.fc.unesp.br/BibliotecaVirtual/DetalhaDocumentoAction.do?idDocumento=772>. Acesso em 20 de nov. 2017.

MENDES, C. B. et al. A inserção da educação ambiental nos cursos de formação de professores: transversalidade ou disciplinaridade? In: III Fórum de Educação Ambiental Crítica, 2016, Bauru. Anais... Bauru, 2016, p. 137-141.

MENDES, C. B.; TALAMONI, J. L. B. A privatização do ensino a partir da educação ambiental: reflexões sobre relações público-privadas. Revista Trabalho, Política e Sociedade, v. 2, n. 2, p. 65-82, jan. /jun. 2017.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo Editorial, 2008.

SAUVÉ, L. Educação Ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 2, p. 317-322, mai./ago. 2005.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 41ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2009.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-crítica: primeiras aproximações. 11ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 19ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SOUZA, D. C. A Educação Ambiental Crítica e sua construção na escola pública: compreendendo contradições pelos caminhos da formação de professores. 2014. 324f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências, Bauru, 2014. Disponível em:

<https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/110907/000795708.pdf?sequence=1>. Acesso em: 18 de nov. 2017.

SPAZZIANI, M. L. Ambientalização da Universidade: Desafios e aprendizagens da sustentabilidade em uma universidade. Tese de Livre Docência. Botucatu: Unesp, 2017.

THIOLLENT, M.. Notas Para o Debate Sobre Pesquisa-Ação. In: C. R. BRANDÃO (Org.), Repensando a Pesquisa Participante. 3ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1987. p. 82-103.

TOZONI-REIS, M. F. C. Princípios metodológicos da Educação Ambiental. In: Metodologias Aplicadas à Educação Ambiental. Curitiba, PR: IESDE, 2012. p. 33-45.

TOZONI-REIS, M. F. C. et al. Conteúdos curriculares da educação ambiental na escola: contribuições da pedagogia histórico-crítica. Em: VII Encontro de Pesquisa em Educação Ambiental (EPEA), 2013, Rio Claro, SP. Anais... Rio Claro, 2013, p. 1-13. Disponível em: < http://www.epea.tmp.br/epea2013_anais/pdfs/plenary/0190-1.pdf>. Acesso em: 23 de fev. 2018.

Downloads

Publicado

27-11-2018

Como Citar

Mendes, C. B., & Spazziani, M. de L. (2018). A Educação Ambiental Crítica na formação inicial de licenciandos em Ciências Biológicas: contribuições e limitações. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 9(26), 154–178. https://doi.org/10.26514/inter.v9i26.2501