O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DE GÊNERO E TRANSEXUALIDADE: narrativas, trânsitos e diferenças

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v10i28.2960

Palavras-chave:

gênero, corpo, transexualidade

Resumo

Em uma sociedade que divide seus membros de acordo com o sexo biológico, atribuindo-lhes direitos e deveres diversos sobre essa base, moldando homens e mulheres que se distinguem em comportamento, vestimenta, preferências e qualidades, entre tantos outros elementos, é enriquecedor compreender como se constrói aquela pessoa que desafia a ordem, que afronta as regras que regem a identidade de gênero usando a técnica das histórias de vida, esse artigo pretende discutir os processos pelos quais transexuais pensam sua identidade de gênero por meio dos discursos que elaboram sobre si ao longo de suas trajetórias de vida. Nesse sentido, serão considerados como dados para análise, as falas das mulheres trans sobre o momento em que perceberam que pertenciam a um gênero que não correspondia à simetria sexo-corpo-gênero. Esse momento de descoberta está na história de cada uma, muitas vezes presente na infância e adolescência, quando surge com mais ênfase a diferença em relação aos outros meninos e uma identificação com as meninas, seja pelas brincadeiras e jogos ou ainda, pelo desejo de corpo feminino que se materializa nas vestimentas, nos gestos e no jeito de falar.

Biografia do Autor

Aparecido Francisco dos Reis, Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva da UNIFESP/ Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Pós-doutorado em Saúde Coletiva Unifesp, Doutorado em Sereviço Social pela UNESP de Franca, mestrado em Ciências Sociais/UFSCar, graduação em Ciências Sociais pela UNESP/Marília

Referências

BARBIERI M. A.. Los relatos de vida de lasmujeres, Un aporte al conocimiento de la identidad social femenina. Revista Mora, UBA, Buenos Aires, No. 1. 1995.

BENTO, B. A reinvenção do corpo. Sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond. 2006.

BOSI, E. Memória e Sociedade: Lembranças de velhos, 10ed. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

BUTLER, J. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. In: LOURO, Guacira Lopes. O Corpo Educado: Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica. 2007.

________Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

DERRIDA, J. La différance. In: Buletin de La Societé Française de Philosophie. Paris, julho-setembro, 1968.

FACIOLI, L.; MISKOLCI, R. Conectadas: experiência de subalternidade e ajuda mútua feminina online entre mulheres de classes populares. In: Mediações, Londrina, v. 20 n. 2, jul./dez. 2015

FOUCAULT, M.. História da Sexualidade. Vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

GROSSBERG, L. Identidad y estúdios culturales: ¿no hay nada más que eso? Cuestiones de Identidad Cultural. Buenos Aires: Amorrortu. 1996.

HALL, S. A identidade Cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

KING, D. Confusiones de género: Concepciones psicológicas y psiquiátricas sobre e ltrasvestismo y la transexualidad. In: NIETO, J. A. (org). Transexualidad, transgenderismo y cultura: Antropología, identidad y género. Madrid: Talasa, 1998.

LOURO, G. L. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

LLAMAS, R. Teoría torcida: Prejuicios y discursos en torno a la «homosexualidad». Madrid: Siglo XXI, 1998.

RUBIN, G. Deviations: A Gayle Rubin Reader. Durham, North Carolina: Duke University Press, 2012.

SCOTT, J. La Citoyenne Paradoxale: Les feminists française set les droits de lê homme. Paris: Ed. Albin Michel, 1998.

Downloads

Publicado

2019-06-26

Como Citar

Reis, A. F. dos. (2019). O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DE GÊNERO E TRANSEXUALIDADE: narrativas, trânsitos e diferenças. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 10(28), 93–116. https://doi.org/10.26514/inter.v10i28.2960