Os estudos sociais da infância e a Educação Infantil: concepções de infância e desenvolvimento em questão

Visualizações: 1838

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v9i26.3025

Palavras-chave:

Infância. Desenvolvimento Infantil.Educação Infantil.

Resumo

As concepções de infância enquanto categoria geracional e de criança enquanto construção social implicam em uma nova compreensão sobre a educação das crianças pequenas. Decorrente dessa concepção de infância, afirma-se uma perspectiva de desenvolvimento humano não linear, que não está dividido em etapas fragmentadas e não compreende a criança de hoje como o adulto do amanhã. O presente estudo analisou concepções de infância e de desenvolvimento infantil de familiares de alunos e profissionais de Educação Infantil. Os procedimentos de análise utilizaram quatro grupos focais em duas instituições de Educação Infantil, sendo dois compostos por familiares de alunos e dois por profissionais. Os registros foram transcritos e organizados nas temáticas propostas pelo estudo: criança e desenvolvimento infantil. Para cada temática, foram construídas categorias de análise. De forma geral, a análise das falas dos participantes revela uma visão positiva da Educação Infantil que é referida como território de possibilidades de construções sociais e desenvolvimento integral das crianças. Por fim, o estudo também aponta a necessidade do reconhecimento profissional no âmbito da creche e da pré-escola e na configuração das leis e da conduta governamental.

Biografia do Autor

Patrícia Maria Uchôa Simões, Fundação Joaquim Nabuco

Doutora em Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Pernam

 

Graduada em Psicologia, concluiu o mestrado e o doutorado em Psicologia Cognitiva pela Universidade Federal de Pernambuco. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação, Culturas e Identidades e pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco. Vem desenvolvendo pesquisas sobre duas temáticas de estudos: Educação Infantil e Infâncias.

Karla Cabral Barroca, Secretaria Municipal de Educação de Recife

Pedagoga, Mestre em Educação, Culturas e Identidades pela UFRPE, professora de Educação Infantil da rede pública municipal de Recife.

Referências

ABRAMOWICZ, A. O direito das crianças à Educação Infantil. Pro-Posições, v. 14, n. 3, p.13-24, set./dez. 2003.

CARVALHO, A. M. A; PEDROSA, M. I. e ROSSETI-FERREIRA, M. C. Aprendendo com crianças de zero a seis anos. São Paulo: Cortez, 2012.

CORSARO, W. A. Sociologia da Infância. Tradução: Lia Gabriele Regius Reis. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CRUZ, S. H. V. A creche comunitária na visão das professoras e famílias usuárias. Revista Brasileira de Educação, n. 16, p.48-60, jan./abr. 2001.

FARIA, A. L. G. de. Políticas de regulação, pesquisa e pedagogia na Educação Infantil, primeira etapa a educação básica. Educação & Sociedade, v. 26, n. 92, p. 1013-1038, Especial – Outubro, 2005. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302005000300014&lng=en&nrm=iso> . Acesso em 04 de outubro de 2018.

JENKS, C. Constituindo a criança. Educação, Sociedade e Culturas, n.17, p. 185-216, 2002.

KRAMER, S. Infância, cultura contemporânea e educação contra a barbárie. Revista Teias, v. 1, n. 2, p. 1-14, 2007.

KRAMER, S. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. São Paulo, Cortez Editora, 2011.

______. NUNES, M. F.; CARVALHO, M. C. (Orgs.). Educação Infantil - Formação e Responsabilidades, Campinas: Papirus, 2013.

KUHLMANN Jr., M. Histórias da Educação Infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação, n. 14, 2000. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782000000200002&lng=en&nrm=iso> . Acesso em 04 de outubro de 2018.

______. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 2010.

MONTANDON, C. Sociologia da Infância: balanço dos trabalhos em língua inglesa. Caderno de Pesquisa, n.112, p. 33-60, 2001. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742001000100002&lng=en&nrm=iso> . Acesso em 04 de outubro de 2018.

NASCIMENTO, M. L. B. P. Reconhecimento da sociologia da infância como área de conhecimento e campo de pesquisa: algumas considerações. In: Faria, A. L. G.; FINCO, D. (Orgs.). Sociologia da infância no Brasil. Campinas: São Paulo. Autores Associados, 2011, p. 37- 52.

NUNES, M. F. R.; CORSINO, P.; KRAMER, S. (Coord.). Educação Infantil e formação de profissionais no Estado do Rio de Janeiro (1999-2009). Rio de Janeiro: Traço e Cultura, 2011.

OLIVEIRA, Z. M. R. A creche no Brasil: mapeamento de uma trajetória. Revista Faculdade de Educação, v.14, n.1, p. 43-52, 1988.

PROUT, A. Reconsiderando a nova sociologia da infância, Cadernos de Pesquisa, v. 40, n.141, p. 729-750, 2010. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742010000300004&lng=en&nrm=iso&tlng=pt . Acesso em 04 de outubro de 2018.

QVORTRUP, J. A. A infância enquanto categoria estrutural. Educação e Pesquisa, v.36, n.2, p.631-643, 2010. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022010000200014&lng=en&nrm=iso> . Acesso em 04 de outubro de 2018.

ROSEMBERG, F. Organizações multilaterais, estado e políticas de Educação Infantil. Cadernos de Pesquisa, n. 115, p. 25-63, 2002. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742002000100002&lng=en&nrm=iso> . Acesso em 04 de outubro de 2018.

SARMENTO, M. J. As culturas infantis nas encruzilhadas da 2ª modernidade. In Sarmento, M. J. e CERISARA, A. B. Crianças e miúdos: perspectiva sócio-pedagógicas da infância e educação. Porto: ASA, 2004.

______. Gerações e Alteridade: Interrogações a partir da sociologia da infância. Educação e Sociedade, vol.26, n. 91, p. 361-378, 2005. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302005000200003&lng=en&nrm=iso> . Acesso em 04 de outubro de 2018.

______; M. J.; PINTO, M. As crianças e a infância: definindo conceitos, delimitando o campo. In: PINTO, M.; SARMENTO, M. As crianças: contextos e identidades. Braga: Centro de Estudos da Universidade do Minho, 1997, p. 09- 30.

_____; MARCHI, R. de C. Radicalização da infância na segunda modernidade. Para uma Sociologia da Infância crítica, Configurações, n. 4, p. 91-113, 2008.

SIROTA, R. Emergência de uma Sociologia da Infância: evolução do objeto e do olhar. Cadernos de Pesquisa, n. 112, 2001. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742001000100001&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 04 de outubro de 2018.

WALLON, H. A evolução psicológica da criança. Lisboa: Edições 70, 1995.

Downloads

Publicado

27-11-2018

Como Citar

Simões, P. M. U., & Barroca, K. C. (2018). Os estudos sociais da infância e a Educação Infantil: concepções de infância e desenvolvimento em questão. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 9(26), 49–71. https://doi.org/10.26514/inter.v9i26.3025