Acesso à educação infantil e critérios de vagas da política municipal de Naviraí, Mato Grosso Do Sul

Autores

  • Klinger Teodoro Ciríaco Professor Adjunto do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas – DTPP – do Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH) da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, São Carlos-SP. http://orcid.org/0000-0003-1694-851X
  • Lucimara Vieira dos Santos Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Câmpus Naviraí.

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v10i30.3596

Palavras-chave:

Educação Infantil. Critérios de Vagas. Políticas Públicas.

Resumo

Fruto de uma pesquisa vinculada à Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS, Câmpus Naviraí, o objetivo do artigo consiste em compreender a relação entre as políticas públicas propostas para a Educação Infantil e o discurso presente no critério para ingresso nesse espaço na rede municipal de educação local. Questionários semiestruturados foram aplicados aos gestores das instituições de atendimento à infância, escolas de Ensino Fundamental que ofertam pré-escola e uma entrevista foi realizada com a Coordenadora de Área da Gerência de Educação (GEMED). Da análise dos dados, foi possível afirmar que: 1) o número de crianças que, atualmente, necessitam ter acesso à Educação Infantil em Naviraí/MS é significativo; 2) diante disso, os Cieis se baseiam em lista de espera para atender a demanda; 3) quando a situação é emergencial um critério mais frequente é dar preferência para a criança cuja mãe é trabalhadora, dado que reforça a visão assistencialista.

Biografia do Autor

Klinger Teodoro Ciríaco, Professor Adjunto do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas – DTPP – do Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH) da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, São Carlos-SP.

Pós-Doutor em Psicologia da Educação Matemática pela UNESP, Bauru-SP; Doutor e Mestre em Educação pela FCT-UNESP, Presidente Prudente-SP e licenciado em Pedagogia pela UFMS, Câmpus Três Lagoas; Professor do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas – DTPP – do Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH) da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, São Carlos-SP e Docente Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação Matemática do Instituto de Matemática da UFMS, Campo Grande (MS)

Lucimara Vieira dos Santos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Câmpus Naviraí.

Licenciada em Pedagogia pela UFMS, Câmpus Naviraí; Mestranda em Educação pela UFGD.

Referências

AZEVEDO, J.F. O direito da criança pequena à educação: uma análise sobre os critérios de vagas em um Centro de Educação Infantil. UFMS/CEEI (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Curso de Especialização em Educação Infantil). Três Lagoas. 2012.p.1-58.

BONAT, D. Metodologia de pesquisa. 3ª ed. Curitiba, 2009, p.132. Disponível em: <http://www2.videolivraria.com.br/pdfs/24046.pdf>. Acesso: em 10 de janeiro 2015.

BRASIL. Constituição Federal do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC, SEB, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. SEB/Brasília: MEC, 1998.BRASIL. Ministério de Educação. Dúvidas mais freqüentes sobre a educação Infantil. Brasília, 2013.BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria Básica de Educação. Plano Nacional da Educação: objetivos e metas.

CERISARA, A. B. O referencial curricular nacional para a educação infantil no contexto das reformas. Educação e Sociedade. Campinas. v.23, n.80, setembro/2002. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 24 jun. 2015.

CERISARA, A. B. Cuidar e educar: por onde anda a educação infantil? Perspectiva. Florianópolis, V. 17, nº. Especial, p. 11 - 21, jul./dez. 1999.

CORRÊA, B. C. A educação infantil: In: OLIVEIRA R.P; ADRIÃO, T (Orgs.). Organização do Ensino no Brasil: níveis de modalidade na Constituição Federal e na LDB. São Paulo. 2002.

DIDONET, V. A LDB a Política de Educação Infantil. In: MACHADO, L.A. Educação Infantil em tempos de LDB. São Paulo: FCC/DPE (Fundação Carlos Chagas, Departamento de Pesquisas Educacionais). 2000.

GUIMARÃES, J. L; PINTO, J. M. R. A demanda pela Educação Infantil e os recursos disponíveis para o seu financiamento. Em Aberto, Brasília, v. 18, n. 74, p. 92-105, dez. 2001.

LÜDKE, M; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

OLIVEIRA, A. F. Políticas Públicas Educacionais: conceito e contextualização numa perspectiva didática. Goiás: Ed. PUC, 2010.

OLIVEIRA, C. L. Um apanhado teórico-conceitual sobre a pesquisa qualitativa: tipos, técnicas e características. Revista Travessias: Pesquisas em educação, Cultura, Linguagem e Arte. Vol. 02. nº 03, 2008. Disponível em: <http://erevista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/3122/2459>. Acesso em: 04 jun, 2015.

REIS, F. P. G; CUNHA, D. Políticas públicas e a educação infantil brasileira: problemas, embates e armadilhas. In: PIMENTA, C. A. M; ALVES, C. P. (Orgs). Políticas públicas & desenvolvimento regional [online]. Campina Grande: EDUEPB, 2010.

SAVIANI, D. A nova lei da educação: trajetória, limites e perspectivas. Campinas: Autores Associados, 1997.

SILVA, T. M. M. A tessitura das políticas intersetoriais para a educação infantil: instâncias, papéis e responsabilidades. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. CCHS, 2005.

TEIXEIRA, E.C. O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. Bahia. Ed. AATR. 2002.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Downloads

Publicado

2021-06-18

Como Citar

Ciríaco, K. T., & Santos, L. V. dos. (2021). Acesso à educação infantil e critérios de vagas da política municipal de Naviraí, Mato Grosso Do Sul. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(34), 22–50. https://doi.org/10.26514/inter.v10i30.3596