Os gêneros discursivos em prática de análise linguística: um estudo de planos de aula do portal do professor

Cristiana Abrantes Sarmento, José Cezinaldo Rocha Bessa

Resumo


Assumindo os gêneros do discurso como objeto de ensino e de aprendizagem em aulas de língua portuguesa na educação básica e compreendendo que a análise linguística constitui uma prática de linguagem crucial no trabalho com gêneros discursivos, este artigo visa a analisar propostas de trabalho com gêneros em prática de análise linguística configuradas em planos de aula do Portal do professor. Do ponto de vista teórico, o artigo tem como respaldo estudos sobre os gêneros na perspectiva bakhtiniana, bem como trabalhos de Geraldi (2012), Mendonça (2006; 2007), Santos, Teixeira e Riche (2012), dentre outros, que abordam a prática de análise linguística no contexto do ensino de língua portuguesa. Trata-se de uma pesquisa de natureza interpretativa e de abordagem qualitativa. O corpus de análise constitui-se de 04 planos de aula de língua portuguesa de análise linguística direcionados a alunos do Ensino Fundamental, disponíveis no Portal do professor. Os resultados da análise sinalizam que os planos apresentam propostas de ensino de análise linguística pouco producentes e, por vezes, pouco capazes de viabilizar a formação de alunos-leitores conscientes da função de escolhas linguísticas no funcionamento enunciativo-discursivo da linguagem.

Palavras-chave


Gêneros do discurso. Prática de análise linguística. Língua portuguesa. Planos de aula.

Texto completo:

PDF

Referências


ACOSTA, P. R. A prática de análise linguística mediada pelos gêneros do discurso: matizes sócio-históricos. Letrônica, Porto Alegre, v. 6, n. 2, p. 494-520, jul./dez., 2013.

AMORIM, M. As ciências humanas e sua especificidade discursiva. In: RODRIGUES, R.; PEREIRA, R. H. (Org.). Estudos dialógicos da linguagem e pesquisas em linguística aplicada. São Carlos: Pedro & João editores, 2016. p. 17-45.

ANTUNES, I. Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução do russo de Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

______, M. (VOLOCHINOV). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: Hucitec 2009.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998.

______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017.

DEMO, P. O educador e a prática da pesquisa. Ribeirão Preto: Editora Alphabeto, 2009.

______, P. Aprender como autor. São Paulo: Atlas, 2015.

FARACO, C. A. Linguagem & diálogo: as ideias Linguísticas do círculo de Bakhtin. Curitiba: Parábola Editorial, 2009.

GERALDI, J. W. Portos de passagem. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

______, J. W. O texto na sala de aula. São Paulo: Anglo, 2012.

GOLDSTEIN, N. Gêneros do discurso e gramática no ensino de língua materna. SCRIPTA, Belo Horizonte, v.13, n.24, p. 95-109, 2009.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Tradução de Heloisa Monteiro e Francisco Settineri. Portalegre: Artes Médicas, Sul Ltda; Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

LEFFA, V. J. O ensino do inglês no futuro: da dicotomia para a convergência. In: STEVENS, C. M. T.; CUNHA, M. J. C. (Org.). Caminhos e colheita: ensino e pesquisa na área de inglês no Brasil. Brasília, 2003, v. 1. p. 225-250.

MAIESKI, M. N. O gênero do discurso artigo como objeto de ensino-aprendizagem: uma proposta de integração da prática de produção textual à leitura e à análise linguística. 2005. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade de Santa Catarina, 2005.

MARCHESANI, S. A argumentação em editoriais e artigos de opinião: um estudo comparativo. Dissertação (Mestrado em Letras). Programa de Pós-Graduação em Letras. Belo Horizonte: PUCMG, 2008.

MENDONÇA, M. Análise linguística no ensino médio: um novo olhar, um outro objeto. In: BUNZEN, C; MENDONÇA, M. (Org.). Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola, 2006. p. 199-226.

______, M. Análise linguística: refletindo sobre o que há de especial nos gêneros. In: SANTOS, C. F; MENDONÇA, M; CAVALCANTE, M. C. B (Org.). Diversidade textual: os gêneros na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 73-88.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis: Vozes, 2007.

ROJO, R. Concepção de leitor e produtor de textos nos PCNs: Ler é melhor do que estudar. In: ROJO, R. (Org.). Leitura e Escrita na Formação de Professores. São Paulo: Editora Musa, 2002. p. 31-52.

SANTOS, L. W, RICHE, R.C, TEIXEIRA, C. S. Análise e produção de textos. São Paulo: Contexto, 2012.




DOI: https://doi.org/10.26514/inter.v10i30.3782

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES: SUMARIOS.ORG   LATINDEX   SEER/IBICT   REDIB   DIADORIM   GOOGLE ACADÊMICO  DOAJ  IRESIE   ELECTRONIC JOURNALS LIBRARY  LIVRE ACESSO ERIH PLUS 

Licença Creative Commons
Os trabalhos na Revista Interfaces da Educação está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.