Formação inicial e continuada de docentes: contribuições de um curso de formação sobre educação inclusiva

Valesca Vargas Vargas Vieira, Maria Rosa Chitolina

Resumo


A inclusão escolar e social de todos é imprescindível. Porém, muitas vezes nos deparamos com grandes desafios relacionados a isso, assim, sempre devemos buscar conhecimentos e informação para aprimorar nossa formação. Neste sentido, o intuito desse trabalho foi verificar se as expectativas dos professores em formação inicial e continuada participantes de um curso de formação foram alcançadas e quais as contribuições do curso para estes, bem como, analisar os conhecimentos desses sujeitos sobre inclusão e tópicos relacionados a esse assunto. Os dados dos questionários inicial e final foram analisados por meio da metodologia de Análise Textual Discursiva. Com a análise dos resultados, podemos verificar que os professores percebem a importância da inclusão e o quanto um curso de formação pode contribuir para a formação tanto de professores em formação inicial quanto continuada. Assim, esse tema e outros relacionados precisam ser cada vez mais explorados para aprimorar os conhecimentos e ampliar as possibilidades de abordar assuntos referentes à educação inclusiva.


Palavras-chave


Educação Inclusiva. Formação Inicial e Continuada. Curso de Formação. Deficiência Visual.

Texto completo:

PDF

Referências


BASTOS, A. R. B. de; CENCI, A. Desenvolvimento de práticas inclusivas: aportes teórico-práticos para o apoio aos estudantes em estágio de docência. In: MÓL, G. O ensino de Ciências na escola inclusiva. Campos Goytacazes: Brasil Multicultural, 2019, p. 150-168.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial (SEESP). Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

______. Portaria GM/MS n.º 1060, de 5 de junho de 2002. Política para reabilitação da pessoa portadora de deficiência na sua capacidade funcional e desempenho humano, de modo a contribuir para a sua inclusão plena em todas as esferas da vida social. Brasília: Ministério de Estado da Saúde, 2002.

______. Ministério da Educação. Proposta de diretrizes para a formação inicial de professores da educação básica em cursos de nível superior. Brasília: Ministério da Educação, 2000.

CAIMI, F. E.; LUZ, R. N. Inclusão no contexto escolar: estado do conhecimento, práticas e proposições. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 31, n. 62, p. 665-682, jul/set. 2018.

CAMARGO, E. P. de. Saberes docentes para a inclusão do estudante com deficiência visual em aulas de Física. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

COSTA, V. B da. A prática social da convivência escolar entre estudantes deficientes visuais e seus docentes: o estreito caminho em direção à inclusão. 2009. 248 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2009.

______. Inclusão Escolar do deficiente visual no Ensino Regular. Jundiaí: Paco Editorial, 2012. 188 p.

FIGUEIREDO, R. V. A. A formação de professores para a inclusão dos alunos no espaço pedagógico da diversidade. In: MANTOAN, M. T. E. (Org.). O desafio das diferenças nas escolas. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 141-145.

GARCIA, C.M. Formação de professores para uma mudança educativa. Porto-Portugal: Editora Porto, 1999. 272 p.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão, diferença e deficiência: sentidos, deslocamentos, proposições. Revista Inclusão Social, Brasília, v. 10, n. 2, p. 37-46, jan./jun. 2017.

______. Caminhos pedagógicos da inclusão: contornando e ultrapassando barreiras. 2003a. Disponível em: < http://www.lite.fe.unicamp.br/papet/2003/ep403/caminhos_pedagogicos_da_inclusao.htm>.Acesso em: 28 ago. 2019.

______. Inclusão Escolar: O que é? Por quê? Como Fazer?. São Paulo: Moderna, 2003, 50 p.

MARTINS. L. de A. R.. Reflexões sobre a formação de professores com vistas à educação inclusiva. In: MIRANDA, T. G.; FILHO, T. A. G. O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador: EDUFBA, 2012. 491 p.

MENDES, E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 33, p. 387-559, set/dez. 2006.

MITTLER, P. J. Educação inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003. 264 p.

MORAES, R; GALIAZZI, M. do C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Revista Ciência & Educação, Bauru, v. 12, n. 1, p. 117-128, 2006.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 191-211, 2003.

NETO. A. de O. S. et al. Educação inclusiva: uma escola para todos. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 31, n. 60, p. 81-92, jan/mar. 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (ONU). Declaração Salamanca sobre os princípios, política e prática em Educação Especial. Salamanca: UNESCO, 1994.

PACHECO, P. et al. Educação inclusiva: um diálogo com a Educação Básica a partir do Ciclo de Políticas. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 32, p. 1-16, 2019.

ULIANA, M. R. Formação de professores de Matemática, Física e Química na perspectiva da inclusão de estudantes com deficiência visual: análise de uma intervenção realizada em Rondônia. 2015. 314 f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT, 2015.

VYGOTSKY, L. S. A defectologia e o estudo do desenvolvimento e da educação da criança anormal. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 4, p. 861-870, dez. 2011.




DOI: https://doi.org/10.26514/inter.v10i30.4023

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES: SUMARIOS.ORG   LATINDEX   SEER/IBICT   REDIB   DIADORIM   GOOGLE ACADÊMICO  DOAJ  IRESIE   ELECTRONIC JOURNALS LIBRARY  LIVRE ACESSO ERIH PLUS 

Licença Creative Commons
Os trabalhos na Revista Interfaces da Educação está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.