A práxis do acompanhante especializado na inclusão escolar do autista: Contribuições Psicanalíticas

Visualizações: 1365

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v10i30.4069

Palavras-chave:

Acompanhante do aluno autista. Autismo. Psicanálise. Educação Inclusiva

Resumo

Este estudo empírico bibliográfico de cunho qualitativo objetivou investigar as contribuições da psicanálise para práxis do acompanhante especializado na inclusão escolar do autista. Recorremos ao relato de experiência para analisar a atuação de uma acompanhante. Investigamos as contribuições da psicanálise, através de uma revisão narrativa de literatura, nas bases de dados da Bireme, BDTD, BVS-PSI, CAPES, PEPSIC, Lilacs, SciELO e, em obras de autores psicanalistas. A contribuição fundamental dessa ciência, é chamar, ao primeiro plano de análise, as condições subjetivas relativas a inclusão do autista. A constituição subjetiva se dá à medida que o sujeito se relaciona com seu meio, seu desejo e com os objetos. Porém, no autista fracassa a dimensão de reconhecimento no outro. Para que isto aconteça, além dos obstáculos genéticos e neurológicos que possam entravar, necessário é que, com esforço, alguém se apresente como interessante e interessado, de modo que os traços e signos que este oferece sejam acessíveis ao autista. A atuação da acompanhante apontou para possibilidade do autista se reconhecer nela. Concluímos que a análise das condições subjetivas, foi o ponto chave para construção do vínculo e, posteriormente, para o desenvolvimento de uma prática educativa que fosse ao encontro da realidade do aluno autista em questão.

Biografia do Autor

Joice Schultz, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE

Professora de Psicologia na Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Psicóloga Clínica em Consultório Particular. Mestranda em Educação na Universidade Estadual do Oeste do Paraná -UNIOESTE/FB. Especialista em Psicoterapia de Orientação Psicanalítica pela Universidade Comunitária da região de Chapecó (UNOCHAPECÓ). Bacharel em Psicologia pela Faculdade de Pato Branco (FADEP). Integrante do Laboratório e Grupo de Pesquisa Educação e Sexualidade - LABGEDUS e do Grupo de Apoio Psicológico aos Acadêmicos - GAPAC - da UNIOESTE- Francisco Beltrão - PR. Durante a graduação, desempenhei os estágios supervisionados I,II e III, na área de psicologia clínica sob ótica psicanalítica. Dedico-me, principalmente, à Psicanálise, Psicopatologia Desenvolvimental e Educação, bem como, ao estudos dos aspectos biopsicossociais envolvidos nos diversos problemas do desenvolvimento humano com ênfase no Transtorno do Espectro Autista - TEA.

Giseli Monteiro Gagliotto, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE

Pedagoga, Psicóloga e Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Unicamp – SP. Professora Associada do Departamento de Pedagogia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE – Campus de Francisco Beltrão – PR. Pesquisadora e Líder do LABGEDUS- Laboratório e Grupo de Pesquisa Educação e Sexualidade UNIOESTE-Francisco Beltrão-PR. Coordenadora do GAPAC- Grupo de Atendimento Psicológico aos Acadêmicos- UNIOESTE- Francisco Beltrão-PR.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual de Diagnóstico e Estatística de Distúrbios Mentais DSM-V. São Paulo: Manole, 2014.

BERTAZZO, J.; de B. Acompanhamento escolar e transtornos do espectro do autismo. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de 2014.

BRASIL. Lei no 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Lei Berenice Piana. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o inciso 3º do art. 98 da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2012/lei-12764-27-dezembro-2012-774838-norma-pl.html. Acesso em: 21 abril de 2018.

_______. Nota técnica n° 24 / 2013 / MEC / SECADI / DPEE. Orientação aos Sistemas de Ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br>Acesso em: 20 mai. 2018.

________. Decreto nº 8.368, de 2 de dezembro de 2014. Regulamenta a Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/decreto/d8368.htm > Acesso em: 19 maio 2018.

CORIAT, L. e JERUSALINSKY, A. Aspectos estruturais e instrumentais do desenvolvimento. In: Escritos da criança. nº 4. Porto Alegre, Centro Lydia Coriat, 1996.

CATÃO, I. A linguagem como mistério não revelado: voz e identificação nos autismos. In. Jerusalinsky, Alfredo (org.). Dossiê Autismo. 1ed. São Paulo: Instituto Langage, 2015.

FERNANDES, L. R. O olhar do engano, autismo e o Outro primordial. São Paulo: Escuta, 2000.

FERREIRA, S.S. Efeitos do discurso contemporâneo no autismo. In. Jerusalinsky, Alfredo (org.). Dossiê Autismo. 1ed. São Paulo: Instituto Langage, 2015.

GUARESCHI, T. Inclusão Educacional e Autismo: um estudo sobre as práticas escolares. Tese (Doutorado). – Santa Maria – RS, 2016.

JERUSALINSKY, A. Torna-se sujeito é possível ou impossível para um autista? Quando e quem decide isso? In. Jerusalinsky, Alfredo (org.). Dossiê Autismo. 1ed. São Paulo: Instituto Langage, 2015.

_________________. Para um autista uma verdadeira inclusão acontece quando ele decide se incluir. In. Jerusalinsky, Alfredo (org.). Dossiê Autismo. 1ed. São Paulo: Instituto Langage, 2015.

JERUSALINSKY, J. A criança exiliada da condição de falante. In. Jerusalinsky, Alfredo (org.). Dossiê Autismo. 1ed. São Paulo: Instituto Langage, 2015.

KAMIYAMA, M.A.; YOSHINGA, L.; TONHOLO-SILVA, E. R. Síndrome de West a propósito de nove casos. Arq. Neuropsiquiatr, 1993. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/anp/v51n3/11.pdf. Acesso em: 09 Set de 2019.

LACAN, J. (1988, 2ª Ed.). O seminário: livro 11 - os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1973).

LAJONQUIÈRE, L. de. De Piaget a Freud: para uma clínica do aprender. 15. ed. rev. Petrópolis, RJ: vozes, 2010.

LAPLANCHE, J.; PONTALIS, J. B. Vocabulário da psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

LE BOULCH, J. Educação Psicomotora: a psicocinética na idade escolar. Porto Alegre: Artmed, 2007(p.71, 73).

LERNER, R.; COUTINHO LERNER, A. B. Construções entre psicanálise e educação para o tratamento de uma criança com transtorno do espectro do autismo. In. Jerusalinsky, Alfredo (org.). Dossiê Autismo. 1 ed. São Paulo: Instituto Langage, 2015.

LIMA, C. M. de. Clínica do autismo e das psicoses infantis ou como pensar a articulação psicanálise educação no tratamento das “crianças objetos. In: Estilos de Clínica. 2001.

MAUER S, RESNIZKY S. Acompanhamento terapêutico e pacientes psicóticos: manual introdutório a uma estratégia clínica. Campinas (SP): Papirus; 1987.

PASSOS, M. O. de A; BASTOS, V. de Camargo; GOMES, Walquíria O. Fundamentos e Metodologia do Ensino Especial. Editora: Fael, 2011 (p.22). LE BOULCH, Jean. Educação Psicomotora: a psicocinética na idade.

PINHO, G. S. A psicanálise e a clínica interdisciplinar com crianças. C. da APPOA, Porto Alegre, n. 120, dez. 2003.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 24. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2016.

ZIMERMAN, D. Vocabulário contemporâneo de psicanálise [recurso eletrônico] / David Zimerman. – Dados eletrônicos. – Porto Alegre: Artmed, 2008.

Downloads

Publicado

17-07-2020

Como Citar

Schultz, J., & Gagliotto, G. M. (2020). A práxis do acompanhante especializado na inclusão escolar do autista: Contribuições Psicanalíticas. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 10(30), 375–395. https://doi.org/10.26514/inter.v10i30.4069