Aprendendo Biologia no ensino semipresencial da Educação de Jovens e Adultos com a ajuda de mapas conceituais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v11i31.4075

Resumo

Neste artigo discutimos a utilização de Mapas Conceituais como uma ferramenta para estudar Biologia no ensino médio semipresencial da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Essa oferta educativa apresenta desafios para o professor de qualquer componente curricular, visto que está pautada na flexibilidade de horários, no estudo individualizado entre professor e estudante e contradiz a lógica do formato dos cursos presenciais. A prática teve como lócus uma escola pública do Estado da Paraíba que oferta o curso semipresencial. As informações foram coletadas por meio da técnica do questionário aplicado aos estudantes que participaram de todas as etapas propostas por um dos professores do componente curricular que atua na escola. Os sujeitos participantes apontaram que a produção de Mapas Conceituais não só ajudou nos estudos não presenciais, mas também abriu possibilidades para dialogar com o professor, mostrando assim que é possível tentar alternativas para dinamizar as práticas nos cursos semipresenciais da EJA. 

Palavras-chave: Educação de Jovens e Adultos; Cursos Semipresenciais; Mapas Conceituais; Ensino de Biologia.

Biografia do Autor

Humberto Vieira Farias, Governo do Estado da Paraíba, Prefeitura Municipal de Sobrado-PB, Universidade Federal da Paraíba

Doutorando em Educação pela Universidade Federal da Paraíba. Linha de Processo de Ensino-Aprendizagem.

Eduardo Jorge Lopes da Silva, Universidade Federal da Paraíba/Centro de Educação/Departamento de Fundamentação da Educação/Programa de Pós-Graduação em Educação

Dr. em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco. 

Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba. 

Ronnie Wesley Sinésio Moura, Universidade Federal da Paraíba

Doutorando em Educação pela Universidade Federal da Paraíba. Linha de Processo de Ensino-Aprendizagem.

Referências

ARROYO, Miguel Gonzáles. Educação de jovens-adultos: um campo de direitos e de responsabilidade pública. In: SOARES, Leôncio; GIOVANETTI, Maria Amélia; GOMES, Nilma Lino. Diálogos na educação de jovens e adultos. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011a. p. 19-50.

AUSUBEL, David; NOVAK, Joseph & HANESIAN, Helen. Psicologia Educacional. Rio de

Janeiro: Interamericana, 1980.

BARCELOS, Luciana Bandeira. Diagnóstico de um Centro de Estudos Supletivos. O que é qualidade na educação de jovens e adultos? Trabalho apresentado na 35ª Reunião Anual da ANPED. GT 18/EJA. Porto de Galinhas, Pernambuco, 2012. Disponível em: http://35reuniao.anped.org.br/images/stories/posteres/GT18/GT18-1424_int.pdf. Acesso em: 20 abr. 2015.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 9394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

______. Conselho Nacional de Educação. Parecer Nº 11/ 2000: Consulta sobre as Diretrizes Curriculares da Educação de Jovens e Adultos, Brasília/DF: CNE/CEB.

CALDEIRA, Lilian Cristina; GORNI, Doralice Aparecida Paranzini. Ensino semipresencial na educação de jovens e adultos: leituras do cotidiano escolar. Trabalho apresentado na 31ª Reunião Anual da ANPED. GT 18/EJA. Caxambu, Minas Gerais, 2008. Disponível em: http://31reuniao.anped.org.br/1trabalho/GT18-4987--Int.pdf. Acesso em: 20 abr. 2015.

COSTA, Vera Esther; IRELAND, Timothy Denis. Educação Supletiva e Educação popular: Expressões de Práticas em educação de adultos. Em aberto, Brasília, v.2, n.16, p. 13-16, jun.1983.

DELIZOICOV, Demétrio; ANGOTTI, José André; PERNANBUCO, Marta Maria. Ensino de Ciências: Fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

DURÉ, Ravi Cajú; ANDRADE, Maria José Dias; ABÍLIO, Francisco José Pegado. Ensino de biologia e contextualização do conteúdo: quais temas o aluno de ensino médio relaciona com o seu cotidiano? Experiências em Ensino de Ciências, Mato Grosso, v.13, n.1, p. 259 -272, abr. 2018.

FARIAS, Humberto Vieira. Os cursos semipresenciais e o reencontro de jovens e adultos com a educação básica. 2015. 251f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015.

FARIAS, Humberto Vieira; IRELAND, Timothy Denis Ireland; SILVA, Eduardo Jorge Lopes da. Dos Centros de Estudos Supletivos aos cursos semipresenciais: trajetória de uma proposta de escolarização para jovens e adultos no Brasil. Educare, João Pessoa, v. 2, n. 2, p. 164-193, 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 54. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013b.

GADOTTI, Moacir. Educação de Jovens e Adultos: correntes e tendências. In: GADOTTI, Moacir; ROMÃO José. (Orgs.) Educação de jovens e adultos: Teoria, Prática e Proposta. 8. ed. São Paulo: Cortez/Instituto Paulo Freire, 2006. 136p. (Guia da Escola Cidadã,5).

GERALDI, João Wanderley. Portos de passagem. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

GUERRA, Martha de Oliveira; CASTRO, Nancy Campi de. Como Fazer um Projeto de Pesquisa. 3ed. Juiz de Fora: EDUFJF, 1997.

GUIMARÃES, Luciana Ribeiro. Atividades Para Aulas de Ciências, 6º ao 9º ano. São Paulo: Nova Espiral, 2009. 112p.

IRELAND, Timothy Denis. Precisamos desenvolver métodos que tratem educandos como adultos e fortaleçam sua autoestima. Jornal do Professor, Brasília, n. 48, dez. 2010. Disponível em: <http://portaldoprofessor.mec.gov.br/conteudoJornal.html?idConteudo=1477>.

Acesso em: 29 nov. 2013.

KRASILCHIK, Mirian. Prática de Ensino de Biologia. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos da metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MOREIRA, Marco Antônio. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. São Paulo: Centauro, 2010.

NOVAK, Joseph. Apreender, criar e utilizar o conhecimento. Lisboa: Plátano Editora, 2000.

OLIVEIRA, Vera Lúcia Bahl de; REZLER, Meiri Alice. Temas contemporâneos no ensino de Biologia do ensino médio. Acta Scientiae, Canoas, v.8, n.1, p. 95-104, jan/jun.2006.

PELIZZARI, Adriana, et al. Teoria da Aprendizagem Significativa Segundo Ausubel. Revista Psicologia Educação e Cultura, Curitiba, v.2, n.1, p.37-42, jul. 2001-jul. 2002.

RIBEIRO, Raimundo Porfírio e NUÑEZ, Isauro Beltrán. Pensando a aprendizagem significativa: dos mapas conceituais às redes conceituais. In: NUÑEZ, Isauro Beltrán e RAMALHO, Betânia Leite (orgs.). Fundamentos do ensino-aprendizagem das ciências naturais e da matemática: o novo ensino médio. Porto Alegre: Sulina, 2004.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 4ed. São Paulo: Atlas, 2017.

ROSA, Ivete Pellegrino; LAPORTA, Márcia Zorello & GOUVÊA, Maria Elena de. Humanizando o ensino de ciências: com jogos e oficinas psicopedagógicas sobre seres microscópicos. São Paulo: Vetor, 2006.

SANTANA, Amorin T.; OLIVEIRA, Araujo M. Processo de inserção dos mapas conceituais, como recurso didático, no ensino de biologia. Enseñanza de las Ciencias. Número Extra VIII Congresso Internacional sobre Investigación en Didáctica de las Ciencias. Barcelona, p. 1444-1448, 2009. Disponível em: http://ice.uab.cat/congresos2009/eprints/cd_congres/propostes_htm/propostes/art-

-1448.pdf. Acesso em: 07 mar. 2019.

TAVARES, Romero. Ciências & Cognição, 2007; vol 12: 72-85. Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org. Acessado em maio de 2018.

VALDÉS, Raúl; et al. Contribuições conceituais da educação de pessoas jovens e adultos: rumo a construção de sentidos comuns na diversidade. Organização dos Estados Ibero-Americano e UNESCO. Tradução Daniele Martins e Zenaide Romanovsky. Goiânia: Ed. UFG, 2014.

ZANIOL, Luiza. Metodologia de ensino individualizado. 2. ed. São Paulo: EDART, 1982.

Downloads

Publicado

2020-08-17

Como Citar

Farias, H. V., Silva, E. J. L. da, & Moura, R. W. S. (2020). Aprendendo Biologia no ensino semipresencial da Educação de Jovens e Adultos com a ajuda de mapas conceituais. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 11(31), 118–152. https://doi.org/10.26514/inter.v11i31.4075