POVOS INDÍGENAS E DESAFIOS ATUAIS: PERCEPÇÕES DECOLONIAIS NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES DO CAMPO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i34.4386

Palavras-chave:

Povos Indígenas, Formação de Educadores do Campo, Decolonialidade

Resumo

A implementação das Licenciaturas em Educação do Campo nas universidades públicas brasileiras representa uma conquista dos movimentos sociais para atender as demandas históricas das populações campesinas, afro-brasileiras e indígenas. Considerando tais demandas, a presente pesquisa se volta à Licenciatura Interdisciplinar em Educação do Campo, da Universidade Federal Fluminense (UFF). Tem como objetivo: conhecer, no prospecto do desenvolvimento da disciplina “História e Cultura dos Povos Indígenas no Brasil”, as percepções de estudantes sobre os desafios atuais impostos aos povos indígenas. Metodologicamente, adotamos uma proposta de pesquisa qualitativa exploratória, mediada pela análise documental e pelo questionário para coletar as informações que, posteriormente, foram analisadas a partir de concepções interpretativas decoloniais. Os principais resultados sinalizam que nas categorias analíticas Educação e Saúde, um dos grandes desafios que se apresenta é a ausência de profissionais com formação específica para atender as demandas das comunidades indígenas. No que diz respeito ao Território e Ambiente, as estudantes destacam a flexibilização das leis de demarcação de terras e ambientais, enquanto elementos que favorecem a violação dos direitos indígenas e da natureza; concretamente, a destruição das florestas e assassinatos de lideranças indígenas.

Biografia do Autor

Francisca Marli Rodrigues de Andrade, Universidade Federal Fluminense

Professora Adjunta na área de Saúde e Meio Ambiente, vinculada ao curso Interdisciplinar em Educação do Campo - Departamento de Ciências Humanas da Universidade Federal Fluminense (UFF). Professora credenciada ao Programa de Pós-Graduação em Ensino da Universidade Federal Fluminense (UFF). Possui doutorado em Educação, Cultura da Sustentabilidade e Desenvolvimento pela Universidade de Santiago de Compostela (USC) – Espanha. Colabora com redes de pesquisas em âmbito nacional e internacional. É membro titular da Comissão Permanente de Sustentabilidade da Universidade Federal Fluminense (CPS).

Letícia Pereira Mendes Nogueira, Universidade Federal Fluminense

Graduada na Licenciatura Interdisciplinar em Educação do Campo na Universidade Federal Fluminense (UFF). Forma parte do projeto Território de Experiências Interdisciplinares Agroecológicas – TEIA, desenvolvido pelo Núcleo de ensino, pesquisa e extensão em Território, Ambiente e Agroecologia – NUTAGRO, sediado no INFES.

Referências

ALVÂNTARA, A. M.; VESCE, G. E. As representações sociais no discurso do sujeito coletivo no âmbito da pesquisa qualitativa. In. VIII Congresso Nacional de Educação. Curitiba. Anais. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná. 2008, p. 2208-2220. Disponível em: <https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2008/724_599.pdf>. Acesso em 05.10.2019.

ANDRADE, F. M. R. Natureza Amazônica e Educação Ambiental: identidades, saberes docentes e representações sociais. Revista Científica RUNAE, v. 01, p. 51-70, 2017.

ANDRADE, F. M. R. The Amazon Beyond the Forests, Rivers and Schools: Social Representations and Environmental Problems. Revista Ambiente & Sociedade, v. 21, p. 1-18, 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/asoc/v21/1809-4422-asoc-21-e00250.pdf>. Acesso em 15.10.2019.

ANDRADE, F. M. R. Natureza e representações que r-existem: cinco séculos de invasão, apropriação e violência na Amazônia brasileira. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. v. 36, n. 2, 207-227, 2019. Disponível em: <https://periodicos.furg.br/remea/article/view/9039>. Acesso em: 29. 09.2019.

ARROYO, M. G. Formação de educadores do campo. In. CALDART, RoseliSalete et al. (Org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012, p. 361-367.

BANIWA, G. O Índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil hoje. Coleção Educação Para Todos. Série Vias dos Saberes, volume 1. Brasília: Ministério de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; Rio: LACED/Museu Nacional, 2006. Disponível em:<https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000154565>. Acesso em: 10.11.2019.

BANIWA, G. A conquista da cidadania indígena e o fantasma da tutela no Brasil contemporâneo. In. RAMOS, Alcida Rita. Constituições nacionais e povos indígenas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012. p. 206-227.

BANIWA, G. Educação escolar indígena no século XXI: encantos e desencantos. Rio de Janeiro: Mórula, Laced, 2019.

BONIN, I. T. O Bem viver indígena e o futuro da humanidade. Porantim: Encarte Pedagógico X; dezembro, 2015. Disponível em: <http://www.cimi.org.br/pub/Porantim/2015/Encarte_Porantim381_dez2016.pdf>. Acesso em: 10.11.2019.

BRASIL. Constituição Federal do Brasil de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: 29.09.2019.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 29.09.2019.

BRASIL. Decreto nº 7.352, de 4 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7352.htm>. Acesso em: 29.09.2019.

BRASIL. Ministério público Federal. MP 870 é aprovada com retorno da demarcação de terras indígenas para Ministério da Justiça. Brasília, 23 de maio de 2019. Disponível em: <http://www.mpf.mp.br/pgr/noticias-pgr/mp-870-e-aprovada-com-retorno-da-demarcacao-de-terras-indigenas-para-o-ministerio-da-justica>. Acesso em: 29.09.2019.

CALDART, R. S. Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In. KOLLING, E. J.; CERIOLI, P. R.; CALDART, R. S. (Org.). Educação do Campo: identidade e políticas públicas. Brasília, DF: Articulação Nacional Por uma Educação do Campo, 2002.

CALDART, R. S. Educação do Campo: notas para uma análise de percurso. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 7 n. 1, p. 35-64, mar. /jun. 2009. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/tes/v7n1/03.pdf>. Acesso em: 28.10.2019.

CALDART, R. S. Educação do campo. In: CALDART, R. S. et al. (Org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012, p. 259-267.

CARNEIRO, F. F.; BÚRIGO, A. C.; DIAS, A. P. Saúde no Campo. In. CALDART, R. S. et al. (Org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012, p. 691-697.

CUNHA, M. C. Índios na Constituição. Novos Estud. CEBRAP [Dossiê 30 anos da Constituição Brasileira], São Paulo, vol. 37, n. 03, p. 429-443, 2018.

FERNANDES, B. M. Os campos da pesquisa em Educação do Campo, espaço e território como categoria essenciais. In. MOLINA, M. C. (Org.). Educação do Campo e Pesquisa – Questões para Reflexão. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2006, p. 27-39.

FERNANDES, P. Povos indígenas, segurança nacional e a Assembleia Nacional Constituinte: as Forças Armadas e o capítulo dos índios da Constituição brasileira de 1988. Revista Insurgência, v. 1, n. 2, p. 142-175, 2015.

HERCULANO, S. O Clamor Por Justiça Ambiental e Contra o Racismo Ambiental. INTERFACEHS – Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente, v. 3, n. 1, 2008.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Os Indígenas no Censo Demográfico 2010: primeiras considerações com base no quesito cor ou raça. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

KOPENAWA, D.; ALBERT, B. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Compainha das Letras, 2015.

LANDER, E. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas Latino-Americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005, p. 8-23.

LOUREIRO, V. R. Desenvolvimento, meio ambiente e direito dos índios: da necessidade de uma novo ethos jurídico. Revista Direito GV, São Paulo, p. 503-526 jul-dez, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rdgv/v6n2/a08v6n2.pdf>. Acesso em: 22.10.2019.

MAHER, T. M. Formação de Professores Indígenas: uma discussão introdutória. In. GRUPIONI, L. D. B. (Org.). Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006, p. 11-37.

MARACCI, M. T. Povos Indígenas. In. CALDART, R. S. et al. (Org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012, p. 600-612.

MOLINA, M. C. Contribuições das Licenciaturas em Educação do Campo para as Políticas de Formação de Educadores. Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 140, p. 587-609, jul. /set., 2017. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/es/v38n140/1678-4626-es-38-140-00587.pdf. Acesso em: 29.09.2019.

MOLINA, M. C.; FREITAS, H. C. A. Avanços e desafios na construção da Educação do Campo. Em Aberto, Brasília, v. 24, n. 85, p. 17-31, abr. 2011.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. 7a edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

PIOVESAN, A.; TEMPORINI, E. R. Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Revista de Saúde Pública, v. 29, n. 4, São Paulo, 1995.

REIS, M. N.; ANDRADE, M. F. F. O pensamento decolonial: análise, desafios e perspectivas. Revista Espaço Acadêmico, v. 17, n. 202, p. 01-11, 2018. Disponível em: <http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/41070>. Acesso em: 13.11.2019

SILVA, E. C. A. Povos Indígenas e o direito à terra na realidade brasileira. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 133, p. 480-500, 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n133/0101-6628-sssoc-133-0480.pdf>. Acesso em: 29.09.2019.

TUKANO, Á. O mundo Tukano antes dos brancos: um mestre Tukano. V. I. Brasília: AYÓ – Instituto de Ciências e Saberes para o Etnodesenvolvimento, 2017.

WALSH, C. E. Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Abya Yala, 2013.

Downloads

Publicado

2021-06-18

Como Citar

Rodrigues de Andrade, F. M., & Pereira Mendes Nogueira, L. (2021). POVOS INDÍGENAS E DESAFIOS ATUAIS: PERCEPÇÕES DECOLONIAIS NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES DO CAMPO. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(34), 408–437. https://doi.org/10.26514/inter.v12i34.4386