A ARTE COMO POTENCIALIDADE NA PRÁTICA DO EDUCADOR SOCIAL

Autores

  • Tatiane Delurdes de Lima-Berton Universidade Federal do Paraná
  • Michelle Popenga Geraim Monteiro Universidade Federal do Paraná
  • Araci Asinelli-Luz Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v11i33.4441

Palavras-chave:

Educação. Educação Preventiva Integral. Infância. Adolescência. Práticas artísticas.

Resumo

O estudo objetiva identificar a relevância da arte para as práticas do educador social na infância e adolescência. Salientando a arte como possibilidade de expressão e aprendizagem e a prática da Educação Preventiva Integral, trata-se de uma pesquisa qualitativa, de cunho descritivo e exploratório, com coleta de dados a partir da observação participante. Participaram do estudo duas educadoras sociais do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) de um município da região metropolitana de Curitiba/Paraná - Brasil. Para a análise e discussão dos dados, embasou-se na Teoria Bioecológica do Desenvolvimento Humano (BRONFENBRENNER, 2011) e nos estudos de Stoltz (2011) e Vygotsky (1995; 1996; 1999). Destaca-se que a arte possibilita práticas humanizadoras ao educador social e ao educando, possibilitando expressão de sentimentos, interesses e potencialidades; relaciona memórias com realidades experienciadas; expande movimentos culturais, técnicas e estilos de desenho e pintura, bem como exploração dos contextos em que estão inseridos. Há incentivo à criatividade, imaginação, relações sociais e reflexão na condição de seres humanos. Instiga o empoderamento e a autoeducação, auxiliando no seu desenvolvimento e contribuindo concretamente para as possibilidades de qualidade de vida e a garantia dos direitos fundamentais.

Biografia do Autor

Tatiane Delurdes de Lima-Berton, Universidade Federal do Paraná

Doutoranda em Educação (2018-2021) e Mestre em Educação (2015-2017) junto ao Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal do Paraná na Linha Cognição, Aprendizagem e Desenvolvimento Humano, sob orientação da Professora Doutora Araci Asinelli da Luz. Graduada em Tecnologia em Gestão Pública pela Universidade Estadual do Oeste (UNICENTRO) (2018-2020). Especialista em Educação Integral Transformadora pela Faculdade Vicentina e Associação Gente de Bem, com patrocínio da Embaixada da Finlândia (2015-2017). Graduada em Pedagogia - Licenciatura Plena - pela Faculdade Cenecista de Campo Largo - FACECLA (Bolsista PROUNI) - voltado à formação de professores para o exercício das funções de magistério na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental e também para a docência da Educação de Jovens e Adultos e Gestão Educacional (2010-2014). Concluinte do Curso de Formação de Docentes (2007- 2010) para Educação Infantil e Ensino Fundamental - Séries Iniciais. Foi vinculada profissionalmente à Prefeitura Municipal de Campo Largo, estatutária, exercendo o cargo de Educadora Social (2011-2018), atuando com crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos no Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. Participação ativa no Grupo de Pesquisa Cognição, Aprendizagem e Desenvolvimento Humano da Universidade Federal do Paraná; participação ativa na Comunidade de Prática de Pesquisa em Educação Preventiva Integral e Desenvolvimento Humano coordenado pela Professora Doutora Araci Asinelli da Luz da Universidade Federal do Paraná e no Grupo de Pesquisa do Núcleo de Estudos de Pedagogia Social (NEPS) da Universidade Federal do Paraná, com temática em Pedagogia Social e pesquisa coordenado pelas Professoras Doutoras Evelcy Monteiro Machado e Araci Asinelli da Luz. Possui experiência na área da Educação, com ênfase em Educação Social e Pedagogia Social. 

Michelle Popenga Geraim Monteiro, Universidade Federal do Paraná

Doutoranda em Educação - Cognição, aprendizagem e desenvolvimento humano - pela Universidade Federal do Paraná (2018 - 2022). Mestra em Educação (2017) - Teoria e Prática de Ensino, com ênfase nas perspectivas da violência, bullying e Cultura da Paz, pela Universidade Federal do Paraná, sob orientação da professora doutora Araci Asinelli da Luz. Especialista em Neuropedagogia pelo Instituto Rhema de Educação (2015) e graduada em Pedagogia pelo Centro Universitário Uninter (2012). Atuou como professora colaboradora da Universidade Estadual do Paraná no campus Curitiba I (Escola de Música e Belas Artes do Paraná) no cursos de Licenciatura em Música e Artes Visuais e como profissional do magistério - docência I da Prefeitura Municipal de Curitiba. Participação ativa no Grupo de Pesquisa Comunidade de Prática de Pesquisa em Educação Preventiva Integral e Desenvolvimento Humano e do Grupo de Pesquisa Complexidade, coordenados pela Professora Doutora Araci Asinelli da Luz da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Educação como professora do Ensino Superior e do Ensino Fundamental I e possui conhecimentos nas áreas de LIBRAS e Língua Inglesa.

Araci Asinelli-Luz, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em História Natural pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1969), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (1987) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2000). Tem especialização em Ensino de Ciências, em Psicodrama Pedagógico e em Prevenção da Violência Doméstica contra criança e adolescente. Atualmente é professor associado 4 junto ao Departamento de Teoria e Prática de Ensino, Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em prevenção do abuso de drogas, gênero e sexualidade, prevenção da violência contra a criança e o adolescente, educação socioambiental, educação em direitos humanos e cultura da paz. Atua na formação inicial e continuada de professores. Membro do PRONEA e da Comissão Nacional do PNLD pela SBPC e ex-secretária regional da SBPC no Paraná por três gestões; foi membro do Conselho e do GT Educação da SBPC. Foi membro da Comissão da Infância e da Adolescência da OABPR(2011-2012) ; foi membro do Conselho Curador da Fundação Educacional Meninos e Meninas de Rua Profeta Elias; é membro do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas, pela UFPR. É pesquisadora na linha da cognição, aprendizagem e desenvolvimento humano,do Programa de Pós-Graduação em Educação, do Setor de Educação da UFPR, orientando teses e dissertações na sub-linha Educação Preventiva Integral e Desenvolvimento Humano e do Programa de Pós-Graduação em Educação Teoria e Prática de Ensino (Mestrado Profissional) . Participa dos seguintes Núcleos e Grupos de Pesquisa: Educação, Ambiente e Sociedade (NEAS); Diversidades e Educação; Núcleo Interinstitucional de Enfrentamento das Dependências Químicas da UFPR- NIED; Núcleo de Estudos de Pedagogia Social da UFPR - NEPS e Pedagogia, Educação e Complexidade. Representante da UFPR no Fórum Estadual de Erradicação do Trabalho Infantil. Registro ORCID: orcid.org/0000-001-5880-0543

Referências

AUTOR. Diálogos em Prática de Pesquisa: família, escola e sociedade. Curitiba: CRV, 2019.

_____. O educador social e o pedagogo escolar na prevenção do abuso de drogas na adolescência. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2017.

BRASIL. Lei Federal no 8069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança

e do Adolescente e dá outras providências. Distrito Federal, 1996.

_____. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar – Pense 2012. In:

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Instrução Operacional nº 01 SNAS/MDS. Brasília, 2014.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues; BORGES, Maristela Correa. A pesquisa participante: um

momento da educação popular. Revista de Educação Popular, Uberlância, v. 06, 51-62,

jan/dez, 2007.

BRONFENBRENNER, Urie. Bioecololgia do Desenvolvimento Humano: tornando os seres humanos mais humanos. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DINIZ, Eva; KOLLER, Silvia Helena. O afeto como processo do desenvolvimento ecológico. Educar em Revista. Curitiba. n. 36, p. 65-76, 2010.

FERREIRA, Bruno Martins; ZANOTTO, Luana Zanotto; ALVES, Fernando Donizete. Humanizar-se como processo educativo em missões populares de uma entidade filantrópica. Interfaces da Educação, Paranaíba, v.8, n.24, p. 08-36, 2017.

FERREIRA, Luciene Braz.; TORRECILHA, Nara; MACHADO, Samara Haddad Simões.

Técnica de Observação em Estudos de Administração. Encontro Nacional de Pesquisa em Administração - XXXVI EnANPAD. Rio de Janeiro, 2012.

GOHN, Maria da Gloria. Educação não-formal, educador (a) social e projetos sociais de inclusão social. Meta: Avaliação, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 28-43, jan./abr. 2009.

LIMA, Maria Aliece Dias da Silva; ALMEIDA, Maria Cecília Piantel de; LIMA, Cristiane

Couduro. A utilização da observação participante e da entrevista semi-estruturada na

pesquisa em enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 20, n. esp, p.

-142, 1999.

SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, Pilar Baptista. Metodologia de pesquisa. Porto Alegre: Penso, 2013.

STOLTZ, Tânia. As perspectivas construtivista e histórico-cultural na educação escolar. 3a ed. Curitiba, Ibpex: 2011.

VYGOTSKY. Lev Semenóvich. Desarrollo de lós Intereses em La edad de Transición. In:

________. Obras Escogidas Tomo IV. Madrid: Centro de

Publicaciones Del Vysor Aprendizaje y Ministerio de Cultura Y Ciencia, 1996. cap. 9.

________. Psicologia da Arte. São Paulo: Fontes, 1999.

WEIHMULLER, Valentina Carranza; SIQUEIRA, Vera Helena Ferraz de, SILVA, Andrea Costa da. Hip hop, resistência e subjetivação: analisando rimas no marco de rodas culturais em uma favela carioca. Interfaces da Educação, Paranaíba, v.9, n. 25, p. 203- 227, 2018.

Publicado

24/12/2020

Como Citar

Lima-Berton, T. D. de, Monteiro, M. P. G., & Asinelli-Luz, A. (2020). A ARTE COMO POTENCIALIDADE NA PRÁTICA DO EDUCADOR SOCIAL. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 11(33), 581–596. https://doi.org/10.26514/inter.v11i33.4441