Relações étnico-raciais: uma tarefa para a formação de professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i34.4465

Palavras-chave:

Formação Docente. Relações Étnico-Raciais. Racismo. Ensino Superior. Políticas educacionais.

Resumo

O artigo apresenta os resultados de um estudo exploratório sobre as relações étnico-raciais como componente curricular na formação de professores, focando especialmente no problema da discriminação dos negros no Brasil e da inclusão no currículo da história e da cultura afro-brasileira. Examinamos os currículos de oito cursos de licenciatura em pedagogia de Instituições de Ensino Superior (IES) da região Centro-Oeste do Brasil. Os dados sugerem uma disparidade significativa entre formação docente em instituições públicas, mais consistente e articulada, e em privadas, aparentemente mais limitada e incompleta. Contudo, não foi possível apresentar uma avaliação conclusiva, dada a escassa quantidade de informações disponibilizadas pelas IES privadas investigadas, então sugerimos uma nova pesquisa que considere um número maior de instituições, com o objetivo de verificar o peso real da disparidade de formação entre universidade pública e privada, assim como abordar especificamente os conteúdos da formação docente sobre relações étnico-raciais.

Biografia do Autor

Genilsa Soares de Andrade, Universidade de Brasília - UnB

Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, ofertado pela Universidade de Brasília - UnB. Graduada em Administração e pós-graduada em Gestão de Pessoas.

Benedetta Bisol, Universidade de Brasília - UnB

Professora Adjunta Departamento Teoria e Fundamentos, Faculdade de Educação UnB

Referências

ABREU, M.; MATTOS, H. Em torno das "Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana": uma conversa com historiadores. Estud. hist. (Rio J.), Rio de Janeiro, v. 21, n. 41, p. 5-20, June 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21862008000100001&lng=en&=iso. Acesso em: 21 Jan. 2020.

ARAÚJO, D. C. Em busca de uma iniciativa histórica africana: possibilidades e limites das práticas pedagógicas na educação básica. Rev. Bras. Estud. Pedagog., Brasília, v. 99, n. 252, p. 429-448, Aug. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-66812018000200429&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 21 Jan. 2020.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação. (2012). Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/pdf/diretrizes_nacionais_educacao_escolar_quilombola.pdf. Acesso em: 17 Fev. 2020.

BRASIL. Indicadores sociais: passado, presente e futuro. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101153.pdf Acesso em: 9 Jan. 2020.

BRASIL. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Câmpus Goiânia Oeste. Projeto Pedagógico. Curso de Licenciatura em Pedagogia. 2017. Disponível em: http://cursos.ifg.edu.br/arquivo/download/480;jsessionid=F0C6F42EC3D0AC409535B45558F85D62 Acesso em: 9 Jan. 2020.

BRASIL. Ministério dos Direitos Humanos. Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Demandas e reivindicações dos povos e comunidades tradicionais de matriz africana e de terreiro. Taís Diniz Garone (org.). Brasília: Ministério dos Direitos Humanos, 2018.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Apresentação dos Temas Transversais. Ministério da Educação, 1997. Disponivel em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro081.pdf. Acesso em: 15 Jan. 2020.

BRASIL. Parecer CNE/CP nº 03/2004. Ministério da Educação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/cnecp_003.pdf Acesso em 5 Jan. 2020.

BRASIL. Promovendo a Igualdade Racial. Para um Brasil sem Racismo. Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial, da Juventude e dos Direitos Humanos, 2003. Disponível em: https://www.mdh.gov.br/biblioteca/igualdade-racial/seppir-promovendo-a-igualdade-racial-para-um-brasil-sem-racismo/@@download/file/SEPPIR%20-%20Promovendo%20a%20Igualdade%20Racial%20Para%20Um%20Brasil%20Sem%20Racismo%20(1)%20(1).pdf Acesso em: 22 Jan. 2020.

BRASIL. Resolução CNE/CP Nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. 2016. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 17 Fev. 2020.

BRASIL. Universidade de Brasília. Currículo da Habilitação Pedagogia. Disponível em: https://matriculaweb.unb.br/graduacao/curriculo.aspx?cod=9296 Acesso em: 13 Jan. 2020.

BRASIL. Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul. 2012. Projeto Pedagógico de Curso. Disponível em: http://www.uems.br/assets/uploads/cursos/1b71662454aed5e8895e56cb584a45f5/projeto_pedagogico/1_1b71662454aed5e8895e56cb584a45f5_2016-05-31_16-43-41.pdf Acesso em 10 Jan. 2020.

CAMPOS, A. M.; MEDEIROS, J.; RIBEIRO, M. M. Escolas de Luta. São Paulo: Veneta, 2016.

COELHO, W. N. B. Formação de professores e relações étnico-raciais (2003-2014): produção em teses, dissertações e artigos. Educ. rev., Curitiba, v. 34, n. 69, p. 97-122, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602018000300097&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 9 Jan. 2020.

CURY, C. R. J. “Direito à educação: direito à igualdade, direito à diferença.” Cadernos de pesquisa 116(3): 245-262. 2002.

DALLARI. D. A. Direitos Humanos e os índios no Brasil. In: DO AMARAL JÚNIOR, A.; PERRONE-MOISÉS, C. O cinqüentenário da declaração universal dos direitos do homem. São Paulo, Edusp, 1999. p.255.

DIAS, S.; RODRIGO M.; PONÇONI, B. Políticas educacionais, reconhecimento e concepções plurais de justiça social: uma revisão de literatura. EccoS – Revista Científica; n. 49 (2019): Universidade, Ciência e Tecnologia e Mobilização do Conhecimento.

FACULDADE ANHANGUERA. Campus Rondonópolis. Condições de oferta de cursos superiores. 2014. Disponível em: http://storage.anhanguera.com/atos_legais/2014/7/2014_Catalogos_Rondonopolis.pdf Acesso em: 6 Jan. 2020.

FERREIRA, I. V.; WIGGERS, I. D. Brazilian key-thinkers on education. Society Register, v. 2, n. 2, p. 107-130, 30 Dec. 2018.

FLEURI, R. M. Intercultura: estudos emergentes. Mover, Florianópolis, p. 117-127, 2001.

HOLLANDA, H. H. O. B. Explosão Feminista. Arte, cultura, política e universidade. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018

INAF. Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf Brasil 2018). Disponível em http://acaoeducativa.org.br/wp-content/uploads/2018/08/Inaf2018_Relat%C3%B3rio-Resultados-Preliminares_v08Ago2018.pdf Acesso em: 03 Mar. 2020.

LOPES, D. L. A formação de professores na dimensão de uma educação quilombola. In Anais do XVIII Seminário Internacional de Formação de Professores para o MERCOSUL/CONE SUL (Vol. 1, pp. 353-364). Santa Catarina: UFSC. 2010. Disponível em: http://seminarioformprof.ufsc.br/files/2010/12/LOPES-Dilmar-Luiz2.pdf Acesso em: 8 Jan. 2020.

MARS, N. A legitimidade das Ciências da Educação. Editora 22 Lions, 2017.

MARTINS, J. S. Florestan: Sociologia e consciência social no Brasil. São Paulo: Edusp, 1998.

NEVES, P. S. C.; MOUTINHO, L.; SCHWARCZ, L. K. M. Herança colonial confrontada: reflexões sobre África do Sul, Brasil e Estados Unidos. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 27, n. 3, e66960, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2019000300601&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 19 Jan. 2020.

ONU. Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL). Os povos indígenas na América Latina. Santiago. 2015. Disponível em: https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/37773/1/S1420764_pt.pdf. Acesso em: 15 Jan. 2020.

PINTO, R. P. Diferenças étnico-raciais e formação do professor. Cad. Pesqui., São Paulo, n. 108, p. 199-231, 1999. disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15741999000300009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 9 Jan. 2020.

ROMANELLI, O. O. História da educação no Brasil. 8 ed. Petrópolis, Vozes: 1986.

SANTIAGO, M. C; AKKARI, A; MARQUES, L. P. Educação Intercultural - Desafios e Possibilidades. Petrópolis, Vozes, 2013.

SANTOS, S. A. Educação: um pensamento negro contemporâneo. Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

SCHWARCZ, L. M. Nem preto, nem branco, muito pelo contrário. Cor e raça na sociabilidade brasileira. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

SCHWARCZ, L. M. O Espetáculo das Raças. Cientistas, Instituições e Questão Racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Cia das Letras, 1993.

SILVA, C.; RIBEIRO, S. Feminismo Negro. In: HOLLANDA, H. H. O. B. (org.) Explosão Feminista. Arte, cultura, política e universidade. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018 (e-book), sp.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: 2017

SKIDMORE, T. E. Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro (1870-1930). Trad. Donaldson M. Garschagen; prefácio Lilia Moritz Schwarcz. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. (Título original: Black into White: Race and Nationality in Brazilian Thought.)

VERRANGIA, D.; SILVA, P. B. G. Cidadania, relações étnico-raciais e educação: desafios e potencialidades do ensino de ciências. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 36, n. 3, p. 705-718, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022010000300004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 9 Jan. 2020.

WAISELFISZ, J. J. Caderno temático Nr. 1. Educação: Blindagem contra a violência homicida? Recife: Flasco Brasil, 2016. Disponível em https://www.mapadaviolencia.org.br/cadernos/Educ_Blindagem.pdf Acesso em: 19 Jan. 2020.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da Violência 2012: A Cor dos Homicídios no Brasil.Rio de Janeiro: CEBELA, Flasco; Brasília: SEPPIR/PR, 2012. Disponível em: https://www.mapadaviolencia.org.br/mapa2012_cor.php. Acesso em: 19 Jan. 2020.

Downloads

Publicado

2021-06-18

Como Citar

Andrade, G. S. de, & Bisol, B. (2021). Relações étnico-raciais: uma tarefa para a formação de professores. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(34), 93–118. https://doi.org/10.26514/inter.v12i34.4465