Escola ”de ladainhas”: práticas educativas de rezadores em Breves-PA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.4589

Palavras-chave:

Ladainha, Prática educativa, Mediação cultural.

Resumo

 

Resumo: O presente artigo analisa a dimensão educativa do ritual de reza das ladainhas existente na cidade de Breves-PA. Para isso, fundamenta-se nos pressupostos da História Cultural, em que a história “vista de baixo”, como propõe Burke (1992), ganha espaço até então negado pela história oficial, ou seja, as vozes de sujeitos comuns, até então silenciadas, passam a ser consideradas como fontes para se contar a história. Trata-se de uma pesquisa etnográfica, sob a metodologia da História considerando como instrumentos de investigação entrevistas semiestruturadas e a observação em campo. Com base em Brandão (2007, 2009), Albuquerque (2012), Wulf (2016), Bondía (2002), Medaets (2011) e Ingold (2010, 2015), concluímos que na educação das ladainhas não há professores que expõem e explicam determinados conteúdos. Os educadores desse tipo de escola são os próprios rezadores que mostram seu fazer a partir da vivência da prática ritualística, na qual saberes são postos em circulação e apreendidos pelos sujeitos.

 

Biografia do Autor

Paula Fernanda Pinheiro Souza

Mestra em Educação, no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Estado do Pará (PPGED/UEPA), Linha de Pesquisa Saberes Culturais e Educação na Amazônia. Possui especialização em Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa e Literatura brasileira, pela Faculdade Integrada de Goiás (2017). É licenciada em Letras - Habilitação em Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Pará (2016). Integra o Grupo de Pesquisa História da Educação na Amazônia - GHEDA, do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Pará. Atualmente é Técnica administrativa, na Universidade Federal do Pará, Campus Universitário do Marajó-Breves.

Referências

ALBERTI, V. Histórias dentro da história. In: PINSKY, C. B. (Org.). Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2014. pp. 155-203.

ALBUQUERQUE, M. B. B. Beberagens indígenas e processos educativos não escolares no Brasil Colonial. Belém: FCPTN, 2012.

ALBUQUERQUE, M. B. B.; BARBOSA, R. G. A Religião como Educação. Revista de Educação, Campinas, v. 1. p. 127-37, 2016.

ANDRADE, P. D. de; COSTA, M. V. Nos rastros do conceito de pedagogias culturais: invenção, disseminação e usos. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 37. p. 1-23, 2017.

ANDRÉ, M. E. D. A. de. Etnografia da Prática Escolar. Campinas: Papirus, 1997.

BONDÍA, J. L. Notas sobre experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, pp. 20-28, jan-abr, 2002.

BRANDÃO, C. R. A educação como cultura. Campinas: Mercado de Letras, 2002.

______. Os deuses do povo: um estudo sobre a religião popular. Uberlândia: EDUFU, 2007a.

______. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 2007b.

______. Prece e Bênção: Espiritualidades religiosas no Brasil. São Paulo: Editora Santuário, 2009.

______. Prece e Folia: Festa e Romaria. Aparecida: Ideias e Letras, 2010.

BURKE, P. A Revolução Francesa da historiografia: a Escola dos Annales (1929-1989), Tradução de Nilo Odália. São Paulo: Editora da UNESP,1991.

______. Abertura: a nova história, seu passado e seu futuro. In: BURKE, P. (Org.). A Escrita a história: novas perspectivas. São Paulo: Editora da UNESP,1992. pp. 07-37.

CUNHA, P. A.; FONSECA, T. N. de L. Educação e religiosidade: as práticas educativas nas irmandades leigas mineiras do século XVIII nos olhares de Debret e Rugendas. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA: história: guerra e paz, 23., 2005, Londrina. Anais... Londrina: Editorial Mídia, 2005. p. 1 - 9. Disponível em: <https://anais.anpuh.org/?p=14976>. Acesso em: 17 ago. 2018.

FONSECA, T. N. de L. História da educação e história cultural. In: VEIGA, C. G.; FONSECA, T. N. de L. (Orgs.). História e historiografia da educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. pp.43-75.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC Editora, 2008.

HAMPATÉ BÂ, A. Tradição viva. In: ZERBO, J.K (org.). História geral da África I. Brasília: MEC/UNESCO, 2010. pp. 167-212.

INGOLD, T. Da transmissão de representações à educação da atenção. Educação, Porto Alegre, v. 33, n. l, p. 6-25, jan-abr. 2010.

______. O dédalo e o labirinto: caminhar, imaginar e educar a atenção. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 21, n. 44, p. 21-36, jul/dez. 2015.

LAKATOS, E. M; MARCONI, M. A. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: ATLAS, 2011.

MCLAREN, P. Rituais na Escola: em direção a uma economia política de símbolos e gestos na educação. Petrópolis: Vozes, 1992.

MEDAETS, C. “Tu garante?”: Reflexões sobre infância e as práticas de transmissão e aprendizagem na região do baixo-tapajós. In: CONGRESSO LUSO-AFRO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, 11., 2011, Salvador. Anais Eletrônicos... Salvador: UFBA, 2011. Disponível em <http://www.xiconlab.eventos.dype.com.br/site/anaiscomplementares>. Acesso em: 30 set. 2018.

MINAYO, M. C. de S. Ciência, Técnica e Arte: o desafio da pesquisa social. In. MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Editora Vozes Limitada, 2001. p.10-29.

MONTERO, P. Índios e missionários no brasil: para uma teoria da mediação cultural. In: MONTERO, P. (Org). Deus na Aldeia: missionários, índios e mediação cultural. São Paulo: Globo, 2006. pp. 31-67.

MOTA NETO, J. C. da. A Educação no Cotidiano do Terreiro: Saberes e Práticas Culturais do Tambor de Mina na Amazônia. 2008. 196 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado do Pará, Belém, 2008.

PEIRANO, M. G. S. A análise antropológica de rituais. In: PEIRANO, M. G. S. (Org.). O dito e o feito: ensaios de antropologia dos rituais. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Núcleo de Antropologia da Política/UFRJ, 2002. pp. 07-14.

PORTELLI, A. História Oral e Poder. Mnemosine - Revista eletrônica do Instituto de Psicologia da UERJ, Rio de Janeiro, v. 6. n. 2, p. 2-13. 2010. Disponível em: <http://www.mnemosine.com.br/ojs/index.php/mnemosine/article/view/198>. Acesso em: 05 out. 2018.

SALLES, V. A música e o tempo no Grão-Pará. Belém: Conselho Estadual de Cultural, 1980.

THOMPSON, P. A voz do passado: história Oral. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

WORTMANN, Maria Lúcia Castagna et. al. Sobre a emergência e a expansão dos Estudos Culturais em educação no Brasil. Revista Educação, Porto Alegre, v. 38, p. 32-48, 2015.

WULF, C. Aprendizagem cultural e mimese: jogos, rituais e gestos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 21, n. 66, p. 553-568, jul-set., 2016.

ZUMTHOR, P. Introdução à poesia oral. Trad. de Jerusa Pires Ferreira et all. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

02/11/2021

Como Citar

Pinheiro Souza, P. F., & Barbosa Albuquerque, M. B. (2021). Escola ”de ladainhas”: práticas educativas de rezadores em Breves-PA. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(35), 91–117. https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.4589