IDENTIDADE MIDIÁTICA DOCENTE: OS REFLEXOS DA CULTURA DIGITAL NA IDENTIDADE DOS PROFESSORES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i37.4626

Palavras-chave:

Educação. Narrativa autobiográfica. Formação de professores. Cultura Digital. Identidade midiática docente.

Resumo

Com a cultura digital, os professores vêm sendo pressionados para inovar suas práticas, mesmo estando a serviço de uma instituição que ainda tem como meta a transmissão do conhecimento e que resiste, por diversos fatores, às mudanças que invadem os demais âmbitos da vida moderna. Neste sentido, o objetivo deste artigo é problematizar o conceito de identidade (profissional) docente através das demandas da cultura digital e de uma nova conformação da escola que podem estar implicando numa mudança da (auto)percepção do professor na contemporaneidade. Como exemplo apresentaremos os resultados de um curso a distância de formação docente que teve como metodologia uma proposta de autorreferenciamento por meio de narrativas autobiográficas. Os resultados mostraram que parece estar em construção uma identidade midiática docente (IMD) encontrada no perfil dos professores como resposta à tensão promovida pelas mídias digitais na escola. O estudo concluiu que a identificação dessa IMD no perfil dos professores em formação pode levar os cursos a apresentarem propostas de reflexão e de revisão de práticas midiáticas mais voltadas às suas necessidades de incorporar a produção crítica e criativa das mídias no seu cotidiano profissional, indo além do mero consumo.

Biografia do Autor

Lauro Roberto Lostada, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutor e Mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), especialista em Mídias na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), especialista em Práticas Pedagógicas Interdisciplinares pelo Centro Universitário FACVEST, graduado e licenciado em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Catariana (UFSC). É servidor público estadual da Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina. Contato: lostada25@yahoo.com.br

Dulce Márcia Cruz, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Professora Associada do Departamento de Metodologia de Ensino (MEN), da Universidade Aberta do Brasil (UAB) e do Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro de Ciências da Educação (PPGE/CED) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutora em Engenharia de Produção (UFSC), Mestre em Sociologia Política (UFSC), Graduada em Comunicação Social (FAAP/SP). Contato: dulce.marcia@gmail.com

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Pesquisa (auto)biográfica – tempo, memória e narrativas. In: ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto (org.). A aventura (auto)biográfica: teoria e empiria. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

ANIC, Cinara Calvi. A “Jornada do Herói” em narrativas sobre professor pesquisador em ciências biológicas. 2016, 218 p. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática). Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá, 2016.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

BOLIVAR, Antonio. La identidad profesional del profesorado de secundaria: crisis y reconstrucción. Málaga: Aljibe, 2006.

BUCKINGHAM, David. Crescer na era das mídias eletrônicas. Tradução: Gilka Girardello e Isabel Orofino. São Paulo: Loyola, 2007.

CAMPBELL, Joseph. O herói de mil faces. São Paulo: Pensamento, 2007.

CYSNEIROS, Paulo Gileno. Novas tecnologias na sala de aula: melhoria do ensino ou inovação conservadora. Informática Educativa, 12(1), 11-24, 1999.

DEMO, Pedro. Pesquisa: princípio científico e educativo. São Paulo: Cortez, 2006.

ESTEVE, José M. Mudanças sociais e função docente. In: NÓVOA, Antonio (Org.) Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1992.

FREIRE, Paulo. A Importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1988.

GALINDO, Wedna Cristina Marinho. A Construção da Identidade Profissional Docente. Revista Psicologia, Ciência e Profissão, v. 24, 2004.

GARCIA, Maria Manuela Alves; HYPOLITO, Álvaro Moreira; VIEIRA, Jarbas Santos. As identidades docentes como fabricação da docência. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 45-56, jan./abr. 2005.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

HARGREAVES, Andy. O ensino como profissão paradoxal. Revista Pátio. Educação – agenda para o século XXI. Porto Alegre: ARTMED, Ano IV, nº 16, fev/abr de 2001.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

JOSSO, Marie-Cristine. Experiências de vida e formação. Natal: EDUFRN, 2010.

JUNGES, Kelen dos Santos. Trajetórias de vida, constituição profissional e autonomia de professores. União da Vitória: Face, 2006.

LASKY, Sue. A sociocultural approach to understanding teacher identity, agency and professional vulnerability in a context of secondary school reform. Teaching and Teacher Education: An International Journal of Research and Studies, v. 21, n. 8, p. 899-916, nov., 2005.

LIVINGSTONE, Sônia. Media Literacy and the challenge of new information and communication Technologies. London: LSE Research Online, 2004.

LOSTADA, Lauro Roberto. A jornada do herói e a identidade midiática docente no contexto da cultura digital. 2020, 295 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

LUCKESI, Cipriano Carlos et al. O leitor no ato de estudar a palavra escrita. In: Fazer universidade: uma proposta metodológica. São Paulo: Cortez, 1987.

MARCELO, Carlos; ANTUNES, Cristina. A identidade docente: constantes e desafios. Formação docente: revista brasileira de pesquisa sobre formação docente, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 109-131, ago/dez. 2009.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Ofício de cartógrafo: Travessias latino-americanas da comunicação na cultura. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

NÓVOA, António Sampaio da. Vida de professores. Portugal: Porto Editora, 2007.

PÉREZ-GOMÉZ, Angel. A função e a formação do professor/a no ensino para a compreensão: diferentes perspectivas. In: PÉREZ-GOMÉZ, Angel; SACRISTÁN, José Gimeno. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed, 2007.

PRENSKY, Marc. Não me atrapalhe, mãe – Eu estou aprendendo! São Paulo: Phorte, 2010.

ROLNIK, Suely. Toxicômanos de identidade. Subjetividade em tempo de globalização. In: LINS, Daniel (org). Cultura e subjetividade: Saberes Nômades. Papirus: Campinas, 1997.

SARMENTO, Manuel J. A vez e a voz dos professores: contributo para o estudo da cultura organizacional da escola primária. Portugal: Porto, 1994.

SOUZA NETO, Alaim; MENDES, Geovana Mendonça Lunardi. Os usos das tecnologias digitais na escola: discussões em torno da fluência digital e segurança docente. Revista e-curriculum, v. 15, n. 2, abr./jun. 2017, p. 504-523.

SOUZA NETO, Alaim; MENDES, Geovana Mendonça Lunardi; SEPTMIO, Carolline. O não-saber como retórica constante: aproximações entre os observatórios de educação especial e de políticas de inserção de tecnologias. Revista Teias, v. 17, n. 46, jul./set. 2016, p.90-109.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2010.

VOGLER, Christopher. A jornada do escritor: estrutura mítica para escritores. São Paulo: Aleph, 2015.

Downloads

Publicado

21/05/2022

Como Citar

Lostada, L. R., & Cruz, D. M. (2022). IDENTIDADE MIDIÁTICA DOCENTE: OS REFLEXOS DA CULTURA DIGITAL NA IDENTIDADE DOS PROFESSORES. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(37). https://doi.org/10.26514/inter.v13i37.4626

Edição

Seção

Artigos